Produção de maçã deverá ser a maior das últimas três décadas, segundo o INE

Produção de maçã deverá ser a maior das últimas três décadas, segundo o INE

A produção de maçã deverá atingir um total de 340 mil toneladas, o que fará desta a maior produção das últimas três décadas, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE) que esta semana divulgou as previsões agrícolas de outubro.

De acordo com o INE, “preveem-se aumentos de produção face à campanha anterior nas principais regiões produtoras de maçã, ainda que de forma bastante mais expressiva em Trás-os-Montes (+65%). As condições meteorológicas favoráveis, a realização atempada das regas e a entrada em plena produção de novos pomares contribuíram para aquela que deverá ser a maior produção de maçã desde 1986, e que deverá rondar as 340 mil toneladas”.

Nos frutícolas, destaque ainda para a produção de kiwi, cuja produtividade deverá atingir cerca de 12 toneladas por hectare, 6% acima da média do último quinquénio. Na pera, estima-se que a produção seja semelhante à da campanha anterior, e no pêssego, a produção não deverá aumentar face à campanha anterior, devendo situar-se próxima das 43 mil toneladas.

Castanha deverá ter a produtividade mais alta dos últimos 13 anos

Na castanha, as estimativas do INE apontam para um aumento de 10% no rendimento unitário, face a 2018, para 0,96 toneladas por hectare, a produtividade mais elevada dos últimos 13 anos.

Já na amêndoa, as previsões do Instituto Nacional de Estatística apontam para uma produção de 34 mil toneladas, um aumento de 55% face à campanha de 2018.

Em sentido contrário, a produção de uva para vinho deverá registar uma quebra de 5% face à vindima de 2018, antecipando-se, no entanto, segundo do INE, “a obtenção de vinhos com um bom equilíbrio entre álcool e acidez”. Para a uva de mesa as previsões também são de diminuição de produção, estimando-se uma queda de 5% face à campanha de 2018.

Produção de tomate para indústria deverá crescer 15%

No tomate para indústria, por outro lado, o aumento da produção deverá chegar aos 15% face a 2018, atingindo um total de 1,4 milhões de toneladas. De acordo com o INE, este é “uma das campanhas com mais elevada produtividade desde que existem registos estatísticos sistemáticos”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Dois terços dos incêndios investigados este ano tiveram origem humana
Próximo Plano Nacional de Regadio. Nova prorrogação de prazos

Artigos relacionados

Nacional

A chuva caiu e o fogo em Miranda do Corvo está dominado

O incêndio florestal que deflagrou na sexta-feira em Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra, foi dominado este sábado, pelas 17h00, […]

Nacional

Governo dos Açores pretende introduzir alterações no POSEI 2020

O Governo dos Açores pretende introduzir alterações no âmbito do POSEI 2020, tendo em vista a reestruturação da produção leiteira e a melhoria da eficiência das explorações nas ilhas de São Miguel, […]

Últimas

Frederico Falcão é o novo Presidente da ViniPortugal

Frederico Falcão é o novo presidente da Direcção da ViniPortugal, associação interprofissional para a promoção internacional dos Vinhos de […]