Produção de leite 2020, que desafios?

Produção de leite 2020, que desafios?

O início de um novo ano acarreta desafios, desejos e ambições! Para 2019 a APROLEP – Associação dos Produtores de Leite de Portugal lançou um conjunto de desafios a todos os intervenientes do setor:

  • à distribuição desafiou a assegurar aos produtores um preço mínimo de 37 cêntimos/ litro de leite;
  • à indústria desafiou a transformar e valorizar mais o leite português para reduzir importações;
  • ao Governo desfiou a avaliar o resultado da rotulagem da origem do leite para verificar porque não chegou ainda valor acrescentado aos produtores.

Sabemos que só trabalhando em equipa e criando sinergias conseguiremos mudar a trajetória negativa da produção de leite: cada vez somos menos produtores e tende a reduzir o número de jovens a investir. Temos cada vez menos peso político, pois no Continente as vacas não votam!!

Fazendo um balanço de 2019, verificamos que os desafios mantêm-se. O preço do leite desceu em fevereiro e manteve-se assim até à atualidade – o preço médio atual do leite na UE, 33 cts (30 cts em Portugal, um dos mais baixos da Europa, com custos de produção rondam os 40 cts por litro).

2019 ficou marcado:

  • pela adesão da APROLEP à EMB – European Milk Board (associação europeia que trabalha na união de esforços para se conseguir mudar a política europeia, implementando projetos de leite justo na Europa e programas de responsabilidade do mercado);
  • pelas eleições legislativas (PAN elegeu 4 deputados); – intensificaram-se as ações ativistas contra a produção de leite (Escola de Barcelos exibiu o documentário Cowspiracy a turmas do 11º ano, tendo convidado um deputado do PAN e recusado presença de alguém ligado à produção.

Depois da tomada de posição da APROLEP, foi desconvidado deputado do PAN);

  • surgem cada vez mais manifestações sobre as alterações climáticas (Reitor da Universidade de Coimbra elimina carne de vaca da ementa por questões ambientais);
  • Contribuímos para que 1227 crianças (respetivos professores e auxiliares) ficassem a conhecer o dia a dia da produção de leite através do projeto “LEITE É VIDA”, com a visita de crianças a vacarias e a realização de Workshops nas escolas.

Para 2020 os desafios mantêm-se: é necessário que TODOS (agricultores, associações, indústria, distribuição e Governo) unam esforços e cooperem promovendo assim a manutenção do mundo rural, estimulação da economia e desenvolvimento social.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior ProWein 2020 - Feira mundial de vinhos - 15 a 17 de março - Düsseldorf, Alemanha
Próximo OE2020: Governo vai destinar parte das receitas do imposto sobre gasóleo colorido ao Programa de Desenvolvimento Rural e ao Mar 2020

Artigos relacionados

Últimas

Pagamentos ao setor agroflorestal em maio somam mais de 32 milhões de euros

Durante o mês de maio de 2021, o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, I.P. (IFAP) procedeu a pagamentos ao setor agroflorestal no montante total de cerca […]

Nacional

Projecto Tejo é fundamental para a região

Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), diz que o acesso à água em qualidade e em quantidade deve ser uma das prioridades para a agricultura da […]

Últimas

Porto de Sines aposta no potencial do agronegócio com o Brasil

Após contactos diretos entre os dois Ministérios da Agricultura, está em cima da mesa a possibilidade de implantação em Sines de um terminal para exportação de frutas e carnes brasileiras para outros países europeus, para o norte de África e […]