Produção de azeitona vai continuar a crescer

Produção de azeitona vai continuar a crescer

[Fonte: Diário do Alentejo] A produção média anual de azeitona deverá continuar a crescer em Portugal, sobretudo devido ao olival intensivo e superintensivo instalado no Alentejo, tendo, em 2018, sido produzidas no país 725.000 toneladas de azeitona e 1,1 milhões de hectolitros de azeite. O “exame” da fileira do olival e do azeite constitui o tema dominante da primeira edição da Millennium Agro News, publicação que conta com a colaboração da Agro.Ges e que destaca o contributo do setor para um saldo positivo da balança comercial portuguesa da ordem dos 250 milhões de euros, em 2018.

O retrato do setor revela a existência de 361.000 hectares de olival no país, num total de 118.000 explorações, tendo, em 2018, sido produzidas 725.000 toneladas de azeitona e 1,1 milhões de hectolitros de azeite, nos 486 lagares em laboração. Em 2017, o volume de negócios da fileira atingiu os 1.072 milhões de euros, com as exportações, sobretudo para Brasil, Espanha e Itália, a atingirem os 579 milhões de euros.

A área de olival tem vindo a crescer 0,2% ao ano nos últimos 20 anos, com as tecnologias mais intensivas e as novas variedades a contribuírem para um aumento da produtividade (mais 5,8% ao ano, valor que sobe para os 9,4% no Alentejo, graças à aposta no setor desde a construção da barragem do Alqueva), salienta a publicação do Millennium BCP dedicada à agricultura.

Os valores da produtividade média – da ordem dos 2.058 quilogramas por hectare em Portugal (3.075 no Alentejo) -, mantêm-se abaixo dos 12.000 quilogramas/hectare obtidos nos sistemas intensivo e superintensivo, dada a prevalência de olivais tradicionais, nota.

“A expansão da área de olival em Portugal ao logo dos últimos anos tem ocorrido essencialmente na região de Alqueva (Alentejo), com recurso ao regadio e à instalação de sistemas de olival intensivo e em sebe (olival superintensivo). Existe uma área muito significativa destes novos olivais que ainda não entrou em velocidade cruzeiro, pelo que é esperado um aumento de produção média anual ao longo dos próximos anos”, afirma.

A publicação admite que, embora o ritmo de plantação de novos olivais tenda a abrandar, são ainda esperados acréscimos de áreas deste tipo de plantações ao longo dos próximos dez anos”, estimando que os preços médios anuais para a azeitona oscilem entre os 0,30 e os 0,45 euros por quilograma.

A publicação prevê ainda que o aumento da produção e de lagares na União Europeia se traduzirá num crescimento das exportações comunitárias em 3,3% até 2030, respondendo especialmente à procura por parte de mercados asiáticos.

Comente este artigo
Anterior Organizações de produtores têm novas regras nacionais de reconhecimento
Próximo Proprietários Rurais contra a "ecoditadura" partidária

Artigos relacionados

Nacional

IG para a “Azeitona Galega da Beira Baixa” foi uma das grandes marcas de 2019 para a APABI

A atividade da APABI ao longo de 2019 tem sido marcada pelo objetivo de produção de azeites de qualidade, através de um conjunto de ações ao nível dos vários estádios da fileira regional do azeite e da azeitona de mesa. […]

Últimas

Pagamentos de Fevereiro 2018

No dia 28 de fevereiro de 2018 o IFAP procedeu a pagamentos, num montante total de cerca de57,0 milhões de euros*, […]

Últimas

Lançamento da Campanha de Promoção da Batata Portuguesa 2020 – 27 de maio

No dia 27 de Maio, às 14h30, a Porbatata – Associação da Batata de Portugal lança oficialmente a Campanha de Promoção da Batata Portuguesa 2020, […]