Presidente de Câmara de Alcochete contra aumento do IVA na tauromaquia envia carta a Costa

O presidente da Câmara Municipal de Alcochete, na reunião de 5 de Fevereiro, deu conhecimento de que tinha enviado uma missiva ao primeiro-ministro, datada de 30 de Janeiro, a contestar a proposta de aumento do IVA para 23% nos espectáculos tauromáquicos, uma tomada de posição que obteve o apoio de todos os vereadores.

“Alcochete é um concelho muito sui generis e possui na sua identidade mais íntima um conjunto de tradições e percursos mas também inovações, num quadro de memória e respeito pelos nossos antepassados. É por isso contraditório com estas realidades, apoiarmos a imposição de uma cultura de gosto. A medida fiscal que o Governo do meu partido apresenta reveste-se de preconceito relativamente a uma vertente da cultura popular portuguesa, que deve ser respeitada mesmo por quem não a aprecia”, afirmou o socialista Fernando Pinto,  presidente da autarquia de Alcochete.

Tauromaquia: uma actividade cultural

“Continuaremos, e continuarei, a defender a liberdade de escolha e de acesso aos espectáculos em igualdade de circunstâncias; continuaremos, e continuarei, a defender, tal como previsto na lei, que a tauromaquia constitua uma actividade cultural, sendo parte integrante do património da cultura portuguesa e, no caso em concreto de Alcochete, em que a tauromaquia está classificada como Património Cultural e Imaterial de Interesse Municipal”, acrescentou Fernando Pinto.

Na carta enviada ao primeiro-ministro, o autarca considera que “a proposta de subida do IVA nos espectáculos tauromáquicos para 23% fere de morte o princípio de igualdade no que respeita ao direito de acesso aos bens e serviços culturais”. “Alcochete está localizada num território onde a tauromaquia é uma marca cultural e está inscrita no ADN identitário do território e das gentes, uma tradição que não se impõe, mas que apenas pede respeito”, acrescenta.

“Importância histórica da nobre arte de pegar toiros”

No encerramento da reunião de Câmara, o autarca voltou a realçar “a importância histórica da nobre arte de pegar toiros, essa forma diferente de viver a vida com base nos usos e costumes de antigamente e preservando aquilo que de mais genuíno possuímos e que assenta neste trabalho com o gado por via da forcadagem”.

Fernando Pinto destacou ainda que Alcochete tem “dois dos mais valorosos grupos de forcados do País” e que no próximo dia 7 de Março, às 16 horas, se realiza um festival taurino na Praça de Toiros de Alcochete, cujas receitas revertem para apoio ao Grupo Desportivo Alcochetense.

Pode ler na íntegra a tomada de posição da Câmara Municipal de Alcochete sobre aumento do IVA na tauromaquia aqui.

Agricultura e Mar Actual

Comente este artigo
Anterior Incêndios: PSD/Madeira quer que Estado pague helicóptero de combate na região
Próximo Valorfito apresenta novo website

Artigos relacionados

Nacional

Patrões unem-se contra envio para o Fisco de dados das empresas

Quatro confederações patronais uniram-se contra as mudanças nas regras do envio do ficheiro contabilístico SAF-T para a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) – […]

Nacional

UNAC: Floresta continua em segundo plano no debate político

A UNAC — União da Floresta Mediterrânica diz que a “floresta continua em segundo plano no debate político, quando tema é […]

Notícias cadeia alimentar

DGS: para uma alimentação saudável em tempos de Covid-19 coma mais fruta e hortícolas

A possibilidade de contágio por Covid-19 é alto e está a assustar os portugueses. Medo que aumenta com falsas informações a correr nas redes […]