Presidente da CAP diz que obrigação de limpar terrenos foi “péssimo exercício do poder”

Presidente da CAP diz que obrigação de limpar terrenos foi “péssimo exercício do poder”

O líder da Confederação de Agricultores de Portugal diz que a imposição da limpeza de terrenos foi “um dos piores serviços que o Governo fez nos últimos anos”. Considera-a “uma medida injusta”.

Para Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), a imposição de limpar os terrenos, de modo a prevenir incêndios, foi “um dos piores serviços que o Governo fez nos últimos anos”. Em entrevista ao Jornal de Negócios, Eduardo Oliveira e Sousa diz que as cartas enviadas pela Autoridade Tributária representaram um “péssimo exercício do poder”, provocando “medo” nas pessoas.

“Aquilo que foi transmitido foi que os proprietários de zonas à volta das povoações vão ter de assumir uma responsabilidade de proteção civil. A proteção civil não é uma obrigação dos proprietários florestais, é uma obrigação do Estado”, comenta ainda o presidente da CAP, assegurando que são precisos “meios”. Se o Estado “não der os meios, está a pedir uma coisa que não é exequível”.

E depois como aquilo foi feito através das Finanças, com aquela ameaça, as pessoas têm medo de receber cartas das finanças. Tudo aquilo foi mal conduzido.

A “medida injusta”, continua Eduardo Oliveira e Sousa, faz com que um “pequeno grupo de pessoas” suporte “os custos de uma medida que vai beneficiar a comunidade”. Os efeitos produzidos “não têm sustentabilidade económica”, diz, sendo que os resultados terão de ser avaliados no futuro. “Porque o problema é outro: os fogos florestais na nossa região mediterrânica e com as alterações climáticas vão continuar. Sempre existiram, mas hoje em dia são muito mais violentos.”

Para o presidente da CAP, o Governo tem de ajudar as pessoas nos territórios em causa, “disponibilizando equipamentos, pagando parte ou a totalidade da despesa”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador .

Anterior "Agricultores não gastam água, usam-na e não podem ser prejudicados"
Próximo CIM do Tâmega e Sousa quer constituir-se como bio-região

Artigos relacionados

Dossiers

Las heladas amenazan el buen desarrollo de las almendras


Las últimas heladas registradas han tenido graves efectos en los campo de almendras del interior de Murcia, Alicante, Valencia, […]

Nacional

Alterações climáticas: Desaparecimento dos sapais estuarinos são uma preocupação para os cientistas

[Fonte: O Jornal Económico]

Devido às alterações climáticas, os sapais estuarinos correm sérios riscos de desaparecer, […]

Últimas

Corteva Agriscience participa na Feira Nacional de Agricultura 2019

A Corteva Agriscience, que recentemente se separou da DowDuPont e se tornou uma empresa independente 100% agrícola, marca presença na edição de 2019 da Feira Nacional de Agricultura, […]