Portugal foi o primeiro, agora Costa espera ver aprovado objetivo de neutralidade carbónica na União Europeia em 2050

Portugal foi o primeiro, agora Costa espera ver aprovado objetivo de neutralidade carbónica na União Europeia em 2050

“Neste momento já só há três países que resistem e sobretudo por questões que têm a ver com a sua própria transição energética”, disse António Costa, em declarações aos jornalistas, à entrada para a reunião do Conselho Europeu, lembrando que Portugal foi o primeiro país do mundo a fixar este objetivo de neutralidade carbónica em 2050.

“Portugal tem a vantagem de ter começado a fazer a sua transição energética muito cedo – hoje, 54% da nossa eletricidade tem origem em fontes renováveis e por isso é com confiança que podemos assumir a decisão de em 2021 encerrarmos a central a carvão do Pego, em 2023 a de Sines e chegarmos a 2030 com 80% da nossa eletricidade com origem nas energias renováveis”, salientou.

Costa desejou que, ainda hoje, “a União Europeia (UE) honre aquilo que é o seu dever para com a humanidade, assumindo um compromisso de atingir a neutralidade carbónica em 2050”, ficando “em linha com a estratégia traçada por Portugal: “Fomos o primeiro a aprovar um roteiro de medidas concretas para alcançar este objetivo e tenho esperança que hoje à tarde se consigam vencer as últimas resistências e que, no seu conjunto, a UE possa assumir este compromisso”.

Concretamente para Portugal, Costa referiu a necessidade de investir na floresta para a absorção do dióxido de carbono e também na gestão da água, salientando que a energia solar é um dos grandes potenciais nacionais.

“Há custos que temos e que os outros países também têm e a UE tem que os encarar de uma forma global e não centrada exclusivamente nos que são produtores e principais consumidores de carvão.

Os líderes da UE devem chegar hoje a acordo sobre os pontos principais da estratégia climática que irá apresentar na Convenção da ONU, no início de 2020.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, vai apresentar hoje aos líderes da UE o Pacto Ecológico Europeu, cujo objetivo é exatamente chegar à neutralidade carbónica em 2050 e aumentar as metas que tinham já sido estabelecidas para 2030 (de 50% para 55% de fontes renováveis).

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Relatório do TCE: sistema de seguros agricolas na UE
Próximo Anunciados vencedores da Volta a Portugal em Fruta 2019

Artigos relacionados

Nacional

Grupo de trabalho entrega proposta de Plano Regional de Desenvolvimento da Fruticultura ao Governo dos Açores

O grupo de trabalho coordenado por David Horta Lopes, da Universidade dos Açores, entregou hoje, 5 de Novembro, ao secretário Regional da Agricultura e Florestas, […]

Últimas

DGAV publica 12.ª actualização da zona demarcada de Epitrix em Portugal

A Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) procedeu à 12.ª actualização da zona demarcada de Epitrix da batateira em Portugal, […]

Sugeridas

Líder do PCP defende mais apoios para agricultura nacional

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP) considerou este domingo que Portugal “tem potencial para produzir mais no setor agrícola”, defendendo “mais apoios” […]