Portugal é o 4.º país da Europa com mais espécies em risco de extinção

A Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) divulgou, a 18 de Julho de 2019, que mais de 28 mil espécies estão ameaçadas de extinção, incluindo 40% de anfíbios, 34% de coníferas, 33% de corais de recife, 25% de mamíferos e 14% de aves. Dos 1,7 milhões de espécies já identificadas, a Lista Vermelha avaliou o risco de extinção de quase 105 mil. As espécies ameaçadas estão divididas em três categorias: “vulnerável” (VU), “em perigo” (EN), e “criticamente em perigo” (CR).

Existindo desde 1964, a IUCN tornou-se a fonte de informação mais abrangente de informação do mundo sobre o estado global de conservação de espécies de animais, fungos e plantas. Mede a saúde da biodiversidade mundial, sendo “uma ferramenta importante para informar e promover acções para a conservação da biodiversidade e a mudança de políticas fundamentais para proteger os recursos naturais”. Recolhe dados sobre as ameaças, habitats ou o número de espécimes numa população, ajudando a orientar as decisões de conservação. Em 2020, a Lista Vermelha pretende chegar às 160 mil espécies avaliadas. A perda de habitats, sobrexploração de recursos e alterações climáticas são algumas das ameaças às espécies

Em 2019

Número estimado de espécies descritas Espécies avaliadas pela Lista Vermelha Espécies ameaçadas

infoinfo

Entre 2000 e 2019, o número de espécies em risco de extinção mais do que duplicou, aumentando de 11 mil para mais de 28 mil

A avaliação da Lista Vermelha está dividida em três categorias: “vulnerável” (VU), porque enfrenta um risco de extinção na natureza elevado; “em perigo” (EN), quando o risco de extinção na natureza é muito elevado; e “criticamente em perigo” (CR), quando o risco é extremamente elevado.

Vulnerável (VU) Em perigo (EN) Criticamente em perigo (CR)

Lince-ibérico

Lynx pardinus

“Criticamente em perigo” até 2015, o lince-ibérico é agora considerado “em perigo”, embora continue a ser a espécie de felino mais ameaçada do mundo e o carnívoro em maior perigo na Europa. A reprodução em cativeiro e os programas de reintrodução na natureza, em Portugal e Espanha, têm aumentado o seu número

Algumas espécies ameaçadas em território português

VU EN CR

Lince-ibérico

Lynx pardinus

“Criticamente em perigo” até 2015, o lince-ibérico é agora considerado “em perigo”, embora continue a ser a espécie de felino mais ameaçada do mundo e o carnívoro em maior perigo na Europa. A reprodução em cativeiro e os programas de reintrodução na natureza, em Portugal e Espanha, têm aumentado o seu número

Número de espécies em risco de extinção nos principais grupos taxonómicos

Por categoria de ameaça, em 2019

Vulnerável (VU) Em perigo (EN) Criticamente em risco (CR)

infoinfo

Lobo-ibérico

Canis Lupus signatus

Habita o Norte de Portugal junto ao rio Douro e vive em alcateias com uma forte organização hierárquica. A escassez de recursos alimentares, nomeadamente a ausência de presas na natureza, em conjunto com as poucas áreas de refúgio e a mortalidade provocada pelo humanos são os principais factores para que este mamífero esteja em regressão

Algumas espécies ameaçadas em território português

VU EN CR

Lobo-ibérico

Canis Lupus signatus

Habita o Norte de Portugal junto ao rio Douro e vive em alcateias com uma forte organização hierárquica. A escassez de recursos alimentares, nomeadamente a ausência de presas na natureza, em conjunto com as poucas áreas de refúgio e a mortalidade provocada pelo humanos são os principais factores para que este mamífero esteja em regressão

A Lista Vermelha de 2002 avaliou 16.697 espécies e viu que 11.167 estavam ameaçadas. Em 2019 avaliou 105.732, estando 28.338 em risco

Evolução do número de espécies por grupo de organismos, em 2019

Plantas Vertebrados Invertebrados Fungos e protistas

O grupo das plantas é o que se encontra em maior declínio. As plantas com flor são a espécie mais ameaçada: 13.500 caminham para a extinção

Em 2019

Saramugo

Anaecypris hispanica

É um dos peixes de água doce mais ameaçados da Península Ibérica. Tem cerca de seis centímetros de comprimento e a sua dieta baseia-se em pequenos invertebrados, podendo ingerir também plantas e detritos. As principais ameaças à sua conservação são a perda e degradação do habitat provocadas pela construção de barragens e açudes, a poluição, a extracção de inertes ou a captação de água

Algumas espécies ameaçadas em território português

VU EN CR

Saramugo

Anaecypris hispanica

É um dos peixes de água doce mais ameaçados da Península Ibérica. Tem cerca de seis centímetros de comprimento e a sua dieta baseia-se em pequenos invertebrados, podendo ingerir também plantas e detritos. As principais ameaças à sua conservação são a perda e degradação do habitat provocadas pela construção de barragens e açudes, a poluição, a extracção de inertes ou a captação de água

Portugal está em 4.º lugar entre os países europeus com mais espécies em risco de extinção

Os dez países da Europa com mais espécies ameaçadas, em 2019

Em Portugal

infos

info

Em três anos, as espécies ameaçadas em Portugal quase duplicaram

As plantas continuam a ser o grupo com o número mais elevado em risco. Houve um aumento de 20 mil espécies avaliadas entre 2016 e 2019

Total Plantas

infoinfo

Águia-imperial-ibérica

Aquila adalberti

Ave de rapina de grande envergadura, habita exclusivamente na Península Ibérica. Em Portugal, o estado de conservação da águia-imperial-ibérica continua a estar “criticamente em perigo”: só existem 17 casais. Esta pequena população depende de medidas para mitigar o impacto de ameaças como o envenenamento, perseguição directa, nomeadamente através do abate, pilhagem, destruição de ninhos e perturbação dos locais de nidificação

Algumas espécies ameaçadas em território português

VU EN CR

Águia-imperial-ibérica

Aquila adalberti

Ave de rapina de grande envergadura, habita exclusivamente na Península Ibérica. Em Portugal, o estado de conservação da águia-imperial-ibérica continua a estar “criticamente em perigo”: só existem 17 casais. Esta pequena população depende de medidas para mitigar o impacto de ameaças como o envenenamento, perseguição directa, nomeadamente através do abate, pilhagem, destruição de ninhos e perturbação dos locais de nidificação

O Equador é o país com mais espécies ameaçadas, incluindo as plantas. Portugal está em 27.º lugar no ranking

Madagáscar é o que tem mais répteis em risco de extinção, os EUA têm mais peixes, moluscos e fungos ameaçados, e na Indonésia são os mamíferos que estão em risco. No Brasil são as aves, na Austrália os invertebrados e na Colômbia os anfíbios

Em 2019

infoinfo

No mundo

O continente com mais espécies em perigo é a América, com 14.458

Em 2019

info

FICHA TÉCNICA

Recolha de dados e infografia: Cátia Mendonça Desenvolvimento web: Cátia Mendonça e Francisco Lopes
Ilustrações: Gabriela Gómez Edição dos textos: Teresa Firmino

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Conservação da Natureza: a causa e a agenda esquecidas
Próximo As tecnologias de apoio ao combate aos fogos devem estar ao serviço dos portugueses

Artigos relacionados

Nacional

Parlamento quer consagrar 17 de Junho como Dia Nacional em Memória das Vítimas dos Incêndios

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, enviou nesta terça-feira aos líderes parlamentares um projecto de resolução para consagrar 17 de Junho como Dia Nacional em Memória das Vítimas dos Incêndios Florestais, […]

Sugeridas

10º Colóquio Nacional do Milho debate megatendências no setor agroalimentar até 2050

As megatendências agroalimentares e a resposta política da Europa aos desafios inerentes vão estar em debate no 10º Colóquio Nacional do […]

Últimas

Balanças Marques eleita a melhor empresa de pesagem do Mundo

A Balanças Marques alcançou o 1º lugar entre os fabricantes de equipamentos de pesagem nos “Weighing Review Awards”, cujos resultados da edição de 2019 foram divulgados esta semana. […]