Porque não queremos vinhas em Marte

Porque não queremos vinhas em Marte

[Fonte: Vida Rural]

Cheguei de comboio. Do hotel para a Alfândega o Uber que me transportou era um carro elétrico. Na conferência tomei notas no computador e não usei papel. Uma garrafa de vidro reutilizável, cortesia da organização, permitiu-me beber água sem recorrer a plástico. Em consciência, hoje já dei o meu singelo contributo para a reduzir as emissões de carbono. Agora, só falta o resto do mundo. E é por isso que estou a assistir à Cimeira mundial das Alterações Climáticas, Climate Change Leadership- Solutions for the Wine Industry, que decorre hoje e amanhã (6 e 7 de março) no Porto.

O organizador, Adrian Bridge, CEO da Taylor’s Port, foi muito claro na sessão da abertura: “Nem toda a gente parece acreditar nas alterações climáticas mas elas estão aí. A indústria vitivinícola tem feito um trabalho pioneiro e está a liderar este processo, mas toda a investigação e tecnologia desenvolvida não pode ficar em domínio privado, é tempo de partilharmos informação e aprender uns com os outros”. Partilhemos então.

O empresário catalão Miguel Torres, da gigante Bodegas Torres, abriu a manhã com o seu testemunho. Em 2006, assistiu com a mulher ao filme “Uma verdade inconveniente”, promovido pelo antigo vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore. Quando chegou a casa sabia que algo tinha de ser feito e tomou uma decisão: a partir dessa data 10% dos lucros da Torres iriam para investimento em investigação e desenvolvimento para mitigar as alterações climáticas.

A empresa enveredou gradualmente por uma estratégia de sustentabilidade que implicou a construção de reservatórios para reter as águas do degelo das montanhas, a minimização de emissões de CO2 e de tratamentos com pesticidas (com uma transição para a viticultura biológica) e a recuperação de variedades autóctones catalãs mais adaptadas às alterações climáticas. Mas também a redução do consumo de eletricidade e a introdução de energias renováveis, como a solar e a biomassa, a utilização de veículos elétricos e a reciclagem de garrafas. A meta é conseguir que 20% da energia utilizada seja renovável dentro de 10 anos.

Miguel Torres deixou um número interessante: 80% das emissões do negócio vitivinícola estão na logística. Ou seja, é depois do vinho feito que a pegada ecológica começa a pesar.  Por isso reuniu com os parceiros da cadeia de abastecimento para tentar encontrar soluções.

Muito está a ser feito, e outro tanto está por fazer, mas uma coisa é certa: “Este é o caminho porque não quero plantar vinhas em Marte!”.

We can fix it

Kimberly Nicholas, professora de Ciências da Sustentabilidade (sim, a disciplina existe) na Universidade sueca de Lund, trouxe-nos a visão de alguém que acredita que estamos a tempo de mudar e consertar o mal feito. E mais, conseguiremos reduzir em 1,5 graus o aumento da temperatura. Nicholas mostrou uma fotografia de uma manifestação de cientistas onde um cartaz ostentava a seguinte mensagem: “Its warming, It’s us, We are sure, It’s bad, We can fix it”. Mas como? Olhar para os recursos autóctones pode ser um bom ponto de partida. E atirou com mais um número para dar que pensar: 80% das vinhas a nível mundial usam apenas 1% da diversidade. E é a diversidade que promove a resiliência.

O plano é este: investir em investigação científica na indústria vitivinícola para conseguir reduzir 1,5 graus, ambicionar trabalhar com zero emissões de carbono e, em 2030, eliminar os combustíveis fósseis. E, mais uma vez, a logística pode fazer a diferença, com embalagens mais leves e alternativas, a utilização de transporte ferroviário e carros elétricos e estratégias de eficiência energética e utilização de energias renováveis. Simples? Não. Possível? Sim.

Not so carbon

Com perto de 10.000 hectares de vinha no Chile, mais de 1100 na Argentina e perto de 500 nos Estados Unidos, a chilena Concha Y Toro tem um ambicioso plano de sustentabilidade em prática. Gerard Casaubon, responsável I&D da empresa, revela que são várias as medidas tomadas para mitigar os efeitos de um clima que não dá tréguas aos vitivinicultores. A eficiência na utilização da água já não tem segredos para esta adega, tão pouco as energias renováveis.

Gerard Casaubon,

A pegada de carbono é claramente o alvo a abater, com uma redução de 30% nos últimos seis anos, muito à custa do engarrafamento: 99% do portefólio utiliza garrafas mais leves.

A seleção clonal (mais uma vez a importância da diversidade), é outra das grandes apostas para preparar o futuro com vinhas mais resistentes. Ainda na vinha, a Concha Y Toro aposta numa estratégia otimizada de poda e desfolha que permite proteger as plantas das radiações solares. Gerard Casaubon revelou que é essencial trabalhar com micrometeorologia avançada para prever o clima com minúcia, e insistiu na existência de mais parcerias entre empresas privadas e instituições públicas para enfrentar os desafios climáticos. A terminar, uma referência à importância da rolha: “É preciso trabalhar com biodiversidade mas também com projetos de conservação e cooperação com a indústria da cortiça que representa uma clara oportunidade de capturar CO2”.

Comente este artigo

O artigo Porque não queremos vinhas em Marte foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Não queremos flores, queremos direitos!
Próximo "Temos uma parceria estratégica segura para enfrentar todos os imponderáveis"

Artigos relacionados

Nacional

Presidente da República vai a Santarém inaugurar a Feira Nacional de Agricultura

[Fonte: Agricultura e Mar]
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugura este sábado, 8 de Junho, […]

Nacional

Cafôfo defende Estatuto da Agricultura Familiar na Madeira

[Fonte: O Jornal Económico]

Paulo Cafôfo, numa visita à Festa da Cereja, no Jardim da Serra, […]

Nacional

Julho foi o mês mais quente de sempre no Alasca, nos EUA

[Fonte: Açoriano Oriental]

O mês de julho foi o mais quente de sempre no Alasca, revelou este sábado o serviço meteorológico dos Estados Unidos, […]