Paulo Martinho é o “Melhor jovem agricultor 2017”

Paulo Martinho é o “Melhor jovem agricultor 2017”

[Fonte: ffl revista]

Paulo Martinho, o jovem agricultor responsável pelo projecto Sementes Vivas, venceu o prémio de “Melhor jovem agricultor 2017” com este projecto. A distinção foi atribuída no âmbito do 5.º Concurso Nacional de Jovens Agricultores, promovido pela Confederação dos Agricultores de Portugal.

O concurso pretende divulgar o trabalho dos agricultores mais jovens nas zonas rurais. Agora, Paulo Martinho irá representar Portugal no concurso de “Melhor jovem agricultor da Europa”.

A Sementes Vivas é uma empresa de produção de sementes biológicas que também tem como objectivo a preservação de variedades tradicionais. Está sediada em Idanha-a-Nova desde 2015, quando foi criada, e já conta com 74 variedades de frutas e vegetais no seu portefólio.

Veja o vídeo de apresentação do projecto:

Comente este artigo

O artigo Paulo Martinho é o “Melhor jovem agricultor 2017” foi publicado originalmente em ffl revista

Anterior Monitorização do montado - Geo Suber
Próximo Swiss meat firm escapes €100 million fine in Germany

Artigos relacionados

Últimas

Liga dos Bombeiros diz que o Estado falhou em Pedrógão Grande

[Fonte: Correio da Manhã]

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses disse esta quinta-feira que o Estado falhou no incêndio que começou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, fogo que provocou a morte a 64 pessoas e mais de 200 feridos. […]

Últimas

Jovens agricultores foram conhecer os segredos da maçã de Armamar

Os segredos da produção da maçã de Armamar foram desvendados a um grupo de jovens agricultores de vários pontos do país. No terreno, os jovens agricultores puderam descobrir novas técnicas de cultivo deste fruto, num concelho responsável pela produção de 70 mil toneladas/ ano.

Comente este artigo […]

Últimas

Ministro da Agricultura lembra críticas a sapadores, hoje tidos como peça-chave da prevenção dos incêndios florestais

[Fonte: Gazeta Rural]

A medida foi avançada “comprometendo-me a financiar 50% do seu custo e atribuindo o resto do financiamento às organizações de produtores e às autarquias locais”, explicou, em entrevista à agência Lusa.
“Hoje, todos consideram que os sapadores [são] a peça-chave da prevenção e todos reclamam o aumento das suas equipas”, […]