Parlamento chumba dois projetos para desenvolvimento do mundo rural

Parlamento chumba dois projetos para desenvolvimento do mundo rural

O parlamento chumbou hoje dois projetos que pretendiam o desenvolvimento do mundo rural, um de resolução do CDS-PP, pela possibilidade de criar um “‘lobby’ agrícola”, e outro de lei do PCP, por já existirem “várias comissões”.

O CDS-PP propôs a criação de um Conselho Consultivo do Mundo Rural, composto por “representantes das organizações de produtores”, que contribuísse para uma “melhor adequação das iniciativas legislativas e melhor formação do poder político”.

Contudo, esta proposta apenas contou o apoio do PSD, do Chega e Iniciativa Liberal, tendo tido os votos contra do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

“Este conselho consultivo iria criar um ‘lobby’ agrícola, porque é constituído apenas por produtores”, defendeu o deputado do Bloco de Esquerda Ricardo Vicente.

Também Cristina Rodrigues, do PAN, apontou que o CDS-PP “continua a olhar para o mundo rural de forma redutora, defendendo apenas os bolsos dos grandes produtores”.

Além disso, a esquerda deixou várias críticas aos centristas pelas medidas tomadas em anos anteriores, quando formavam Governo.

“A proposta do CDS é de quem ontem fez o mal e agora quer ter bonito, mas não encanta. Quando estava no Governo fecharam os serviços públicos, extinguiram as freguesias e dificultaram a mobilidade com o aumento dos preços e das portagens. Um amor abandonado no passado, mas não esquecido quando dá jeito”, ref eriu Mariana Silva, do PEV.

No projeto de resolução, o CDS-PP defendia que é preciso olhar para o território “como um ativo” e pensar que todas as atividades do mundo rural (agricultura, floresta, pecuária e turismo de natureza) “são uma potencialidade para o território e indispensáveis para o desenvolvimento do país”.

No debate, todas as forças políticas concordaram que são necessárias políticas para desenvolver o mundo rural, mas também não consideraram que a solução passe pelo projeto-lei apresentado pelo PCP.

A proposta, que consistia na criação de uma Comissão de Desenvolvimento do Interior e do Mundo Rural foi, assim, reprovada com os votos contra do PS, CDS, Chega e Iniciativa Liberal, abstenção do PSD e PAN, tendo apenas os votos favoráveis do PCP, PEV e BE.

A ideia dos comunistas era a criação de uma “estrutura multidisciplinar”, com representantes institucionais, nomeadamente dos ministérios da Agricultura, do Ambiente e da Coesão Territorial, que apresentassem “estudos destinados ao diagnóstico e análise” e que formulassem “propostas de investimento e intervenção necessárias”.

No entanto, na visão do deputado do PS Santinho Pacheco, o “interior desertificado não precisa de mais uma comissão”.

“Num país com tantas comissões, para quê mais esta? Na Assembleia da República há várias comissões, nas universidades há estudos e sabe-se o que é preciso fazer no mundo rural. Para o PS este não é o caminho, mas sim atrair mais investimento, criar emprego, olhar os movimentos migratórios e fixar mais gente”, defendeu.

Já Emília Cerqueira, do PSD, apontou que o elevado número de membros desta comissão, cerca de 30, “torna o trabalho quase impossível, até por estar sob alçada de três ministérios”.

O BE também concordou que o número de elementos é “desadequado”, mas apoiou a proposta por ser “útil”.

Em oposição, a deputada do PEV saudou o projeto por integrar “todos os pontos de vista do mundo rural”.

Na visão do grupo parlamentar do PCP, o “deliberado desinvestimento e alheamento dos sucessivos Governos PSD, CDS-PP e PS e das políticas por eles praticadas” causaram um “um interior despovoado, sem infraestruturas, serviços públicos e atividades económicas dignificadas capazes de promover a fixação da população mais jovem e de captar novos residentes”.

Aliás, segundo o documento, o número de habitantes em áreas predominantemente rurais decresceu em 7,1%, entre 2011 e 2018, o que representa quase 100.000 residentes.

O artigo foi publicado originalmente em Notícias ao Minuto.

Comente este artigo
Anterior Resumo Climatológico de março: março quente
Próximo INIAV: Receção de Amostras - novo horário

Artigos relacionados

Nacional

Alltech promoveu formação sobre estratégias para a gestão sustentável do solo

“Estratégias para a gestão sustentável do solo” foi o tema de uma acção de formação técnica em Beja, […]

Últimas

Época mais crítica dos incêndios termina hoje

A época de fogos considerada mais critica termina hoje, com uma redução de meios na primeira metade do mês de outubro, […]

Últimas

Área Demarcada para a Xylella fastidiosa foi redefinida após novas deteções

Na sequência da primeira deteção da presença da bactéria Xylella fastidiosa subsp. multiplex (janeiro 2019) numa sebe ornamental de Lavandula dentata, em Vila Nova de Gaia, […]