Pactos com seis clusters para acelerar exportações

Pactos com seis clusters para acelerar exportações

Acelerar as exportações, a internacionalização e a formação dos recursos humanos. Estes são alguns dos objetivos que se pretendem atingir com a assinatura de pactos setoriais entre o Governo e seis áreas de atividade. Em causa estão seis clusters que agregam 748 empresas e 1,04 milhões de trabalhadores e respondem por um volume de exportações de 39,6 mil milhões de euros.

A assinatura dos pactos setoriais para a competitividade e internacionalização está prevista para esta terça e quarta-feira, em Lisboa e Leiria, respetivamente, e têm subjacentes um conjunto de “novas iniciativas nos domínios da digitalização das indústrias (i4.0), da capacitação de recursos humanos, na consolidação dos fatores de atratividade externa do país, na internacionalização e na promoção da investigação e desenvolvimento”, explica o IAPMEI em comunicado. Os seis clusters agora escolhidos fazem parte de um conjunto mais vasto de 20 reconhecidos pelo IAPMEI, em 2017, no âmbito do Programa Interface, que disponibiliza apoios comunitários através dos vários programas operacionais.

“Se queremos continuar a crescer nas exportações temos de perceber que há desafios que têm que ver com qualificação dos recursos humanos, com a indústria 4.0, com o acesso a fontes de financiamento e que são diferentes de setor para setor”, explicou o ministro da Economia, em declarações ao Expresso (acesso pago), este fim de semana. Portugal abrandou o ritmo do crescimento económico em 2018 para 2,1% (e não 2,3% como o Executivo previa) por causa do menor dinamismo das exportações, que travaram mais do que as importações, face ao ano anterior. As exportações crescerem 3,7% no ano passado, contra 7,8% no ano anterior. A procura externa líquida tirou sete décimas ao PIB de 2018, enquanto no ano anterior tinha contribuído apenas com três décimas negativas, revelam os dados do INE divulgados em fevereiro.

Pedro Siza Vieira explicou que “em quase todos os setores” há um tema comum: a “qualificação dos recursos humanos, sobre como atrair recursos para estas indústrias e setores decisivos e como dar a formação adequada para responder à necessidade da nova economia”. Mas também “o desafio da digitalização, da robotização e isso implica um grande investimento na inovação”.

Os setores onde se inserem estes seis clusters apresentam um volume de negócios de 99,6 mil milhões de euros, um de volume de exportações de 39,6 mil milhões de euros e de Valor Acrescentado Bruto (VAB), no montante de 30,2 mil milhões de euros. Veja os detalhes de cada setor:

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior Núcleo Regional dos Açores celebra protocolo para criação de Centro Integrado de Ecoterapia
Próximo Faial recebe Encontro Regional de Apicultura

Artigos relacionados

Eventos

Agrovid, um novo certame especializado em vitivinicultura – 30 de janeiro a 1 de fevereiro – Espanha

Viveiros, maquinaria, proteção de culturas, sistemas de irrigação, reboques, fertilização, serviços financeiros, gestão de culturas, teledeteção, consultoria, desenvolvimento de projetos (…) são alguns dos produtos e serviços que estarão presentes na primeira edição da Agrovid, […]

Últimas

Formação em fertilização e fitossanidade do pistácio

A consultora agrícola Espaço Visual vai lançar um curso sobre Fertilização e Fitossanidade no Pistácio. O curso, que se inicia a 28 de setembro, […]

Últimas

Líder do PSD/Açores defende programa rural para os jovens agricultores

José Manuel Boleiro considerou que esta iniciativa vai além das medidas avulsas avançadas no âmbito do combate aos impactos económicos e sociais da pandemia da Covid-19, […]