Ouviu uma cigarra cantar? Grave o som e registe o local. Cientistas querem saber onde estão

Ouviu uma cigarra cantar? Grave o som e registe o local. Cientistas querem saber onde estão

[Fonte: SAPO 24]

O desafio, hoje divulgado e que decorre até 30 de setembro, foi lançado por uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tem o nome de “Cigarras de Portugal – insetos cantores” e insere-se numa iniciativa mais ampla, a da criação, em curso, da primeira “Lista vermelha de invertebrados” do país.

De acordo com o mais recente censo de cigarras, feito pelos cientistas em 2004, existem em Portugal 13 espécies que se agrupam em pequenos núcleos nas regiões do Norte, Centro, Alentejo e Algarve.

Mas, segundo a investigadora Paula Simões, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, é preciso ter um “registo mais fino e detalhado da sua localização”.

A especialista no estudo das cigarras explicou à Lusa que o desafio lançado às pessoas propõe-se obter dados que permitam “conhecer melhor a área de distribuição” das espécies identificadas em Portugal, “monitorizar a sua população e avaliar a vulnerabilidade ao risco de extinção” e “promover a ciência-cidadã”.

Os dados recolhidos pelas pessoas – som emitido pelas cigarras, a data e a localização geográfica dos registos sonoros, preferencialmente com as coordenadas GPS – podem ser enviados para a página do projeto “Cigarras de Portugal – insetos cantores” na rede social Facebook ou para a plataforma digital Biodiversity4All.

A informação reunida possibilitará aos cientistas saberem com maior exatidão qual o “estatuto de ameaça das espécies” de cigarras em Portugal.

Paula Simões estima que metade das espécies identificadas em 2004 no território continental enfrenta “várias ameaças”.

A perda de ‘habitat’, devido à desflorestação, à urbanização e à agricultura intensiva e ao uso de pesticidas, e a poluição são apontados pela investigadora como os fatores que mais têm contribuído para o declínio da população.

Uma das espécies que preocupa os cientistas é o cegarregão (“Lyristes plebejus”), a maior cigarra existente em Portugal: tem cerca de cinco centímetros de comprimento e seu canto faz lembrar o ruído de uma panela de pressão, destaca a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em comunicado.

O comunicado assinala que, “outrora abundante na região Centro”, é uma das espécies que “se encontram em acentuado declínio”.

Os peritos estimam que haja 3.500 espécies de cigarras em todo o mundo, sobretudo nas regiões subtropicais. A Península Ibérica apresenta uma “variedade de clima e paisagem” que justifica o aparecimento das espécies identificadas em Portugal, algumas raras, referiu Paula Simões.

As cigarras, conhecidas pelo seu canto característico no verão, tendem a agrupar-se em pequenos núcleos, o que explica que numa mesma zona de árvores se possam ouvir num determinado ponto e não noutro relativamente próximo.

Apenas os machos cantam, para atrair as fêmeas para o acasalamento, durante as poucas semanas de vida que têm enquanto adultos. O canto é específico de cada espécie, permitindo identificar as cigarras que vivem numa determinada região.

Antes de chegarem à fase de adultos, quando emergem às árvores, as cigarras desenvolvem-se durante três anos no solo, alimentando-se da seiva das plantas, adiantou a investigadora Paula Simões, que espera ter “dados mais concretos” sobre a população de cigarras em Portugal em 2020.

Comente este artigo

O artigo Ouviu uma cigarra cantar? Grave o som e registe o local. Cientistas querem saber onde estão foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Cotações – Cereais Outono-Inverno – Informação Semanal – 5 a 11 Agosto 2019
Próximo Estação de Avisos do Norte Transmontano alerta para oídio, míldio e flavescência dourada da vinha

Artigos relacionados

Últimas

Cortiça portuguesa na Bienal de Veneza

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
Corticeira Amorim em parceria com Leonor Antunes, que representa Portugal na 58ª edição da Exposição Internacional de Arte, e com o designer espanhol Nacho Carbonell
A cortiça portuguesa marca presença na Bienal de Veneza. Leonor Antunes criou um piso de cortiça com desenhos de Carlo Scarpa para o Palazzo Giustinian Lolin, […]

Eventos

Montalegre faz sessões de esclarecimento de combate à vespa velutina – 26, 27 e 28 de agosto

[Fonte: O Jornal Económico]

A Câmara de Montalegre, através do Gabinete Técnico Florestal (GTF), promove três sessões de esclarecimento que visam combater a denominada Vespa Velutina, mais conhecida por “vespa asiática”. As sessões estão abertas a toda a comunidade. As acções, […]

Últimas

Feira Açores valoriza setor primário

[Fonte: Gazeta Rural]

A Feira Açores que hoje arrancou na ilha do Faial é, no entender de José Leonardo Silva, Presidente da Câmara Municipal da Horta, um momento de valorização do setor primário.
“Depois do investimento que a CMH levou a cabo com o Centro de Acolhimento Empresarial, […]