Os melhores e piores ministros segundo Marques Mendes

Os melhores e piores ministros segundo Marques Mendes

[Fonte: Jornal de Negócios ]

A análise de Luís Marques Mendes ao que marcou a última semana da vida nacional e internacional. Os principais excertos da sua intervenção na SIC.

AVALIAÇÃO DO GOVERNO

O LÍDER
•António Costa – É o abono de família do Governo.
a) Está a fazer história.
– Porque é a primeira vez que há uma coligação de esquerda no poder;
– Porque um governo que se previa para um ano pode durar quatro;
– Porque tem o PCP e o BE domesticados;
– Porque aproveita na perfeição a boa relação política com o PR.
b) Tem um grande senão – o crescimento da economia.
– Um ou dois anos com crescimento anémico aguenta-se.
– Uma legislatura inteirassem crescimento que se veja pode não ser sustentável.

OS MELHORES
• Santos Silva – O pensamento mais sólido de todos dentro do Governo.
• Maria Manuel Leitão Marques – Só o Simplex, de que é autora, lhe garante qualidade e eficácia.
• Matos Fernandes – No caso da Uber e da Carris mostrou o que não é habitual – coragem e espírito reformista.
• Adalberto Campos Fernandes – Um Ministro tecnicamente sólido e politicamente competente. A fazer omeletes sem ovos. É obra.
• Vieira da Silva – Apesar de menos reformista que o habitual, é um peso pesado e uma referência de segurança e solidez.

SATISFAZEM
•Mário Centeno – Não fossem as trapalhadas da CGD e seria o melhor dos Ministros. Como diz Paulo Baldaia, é o melhor e o pior de um ano de Governo.
• Francisca van Dunen – Uma Ministra muito sólida mas inexplicavelmente muito apagada.
• Azeredo Lopes – Não começou bem, mas tem vido a afirmar-se cada vez melhor.
• Constança Urbano de Sousa – É competente mas pouco fazedora e reformista.
• Manuel Heitor – Outro Ministro competente mas demasiado discreto.
• Eduardo Cabrita – Muito bem na área dos Refugiados. Mas curto e insuficiente para o peso político que tem.
• Pedro Marques – Prometia muito. Um ano depois está aquém do que era esperado.NÃO SATISFAZEM
• Capoulas Santos e Ana Paula Vitorino – Dois Ministros politicamente muito experientes, mas que neste primeiro ano estiveram muito aquém das expectativas.
• Tiago Brandão Rodrigues – Bom para os sindicatos, mas não é líquido que seja bom para o país.
• Manuel Caldeira Cabral – A economia exigia mais acção, energia e capacidade de liderança.
• Luís Filipe Castro Mendes – Tarda a deixar a imagem de irrelevância que lhe está associada.MAIS QUE MINISTRO
• Pedro Nuno Santos – Um Secretário de Estado com peso político muito superior ao da maioria dos Ministros. O responsável pela geringonça funcionar bem. E a verdade é que ela funciona melhor do que se esperava! É mérito seu. Está a acumular prestígio, credibilidade e poder para ser o próximo líder do PS, mesmo que Medina ganhe a Câmara de Lisboa. n

PS A CAMINHO DA MAIORIA ABSOLUTA?
1. A sondagem DN/Universidade Católica mostra, no essencial, o seguinte:
a) Presidenciais – Marcelo arrasa. Uma popularidade excepcional.
b) Legislativas – Um ano depois das eleições,
– PS é o grande beneficiário. Está a um passo da maioria absoluta (43%);
– PSD é a grande vítima. Está próximo dos seus piores resultados (30%);
– PCP e BE ou baixam ou estabilizam.

2. Mais importante que a sondagem é perceber qual é a estratégia de António Costa para os próximos cinco anos: ou seja, para as eleições legislativas de 2019 e para as presidenciais de 2021. E essa estratégia é a seguinte:
a) Primeiro: António Costa quer levar este seu Governo de coligação até ao fim (2019);
b) Segundo: Em 2019 vai tentar ganhar com uma maioria absoluta. Para poder dispensar os seus parceiros actuais;
c) Terceira: Um ano depois, o PS não apresentará candidato às eleições presidenciais e apoiará Marcelo Rebelo de Sousa, como contrapartida de uma boa cooperação política e institucional;
Em conclusão:
– Uma cópia de Cavaco entre 1986 e 1991.
– E assim governará oito anos seguidos.

3. Esta estratégia tem três dificuldades:
a) A primeira é a economia. Se a economia crescer, tudo perfeito. Se não crescer, tudo é mais difícil.
b) A segunda é a Europa. Se da Europa vier um problema sério (seja a falência de um grande Banco, seja a mudança de política do BCE), tudo pode desmoronar-se.
c) A terceira é o PSD. Se o PSD continuar igual ao que hoje é, Costa está nas suas sete quintas. Se o PSD mudar, de estratégia ou de liderança, tudo pode ser radicalmente diferente. n

ACORDO SOCIAL – SIM OU NÃO?
Tem-se discutido muito se vamos ou não ter um acordo de concertação social sobre o salario mínimo nacional. Salvo o devido respeito, a discussão é redutora e não está a mobilizar o país.
a) Primeiro, é uma discussão redutora. O país precisa de um Acordo Económico e Social de Médio Prazo até 2020.
– E precisa porquê? Porque é a melhor forma de gerar confiança nos investidores.
– Só que o acordo de que o país precisa não pode ser só em torno do salário mínimo. Tem de ser sobre políticas de competitividade, de crescimento, de investimento e de rendimentos (incluindo aqui o salário mínimo):
– Ora, uma discussão apenas em torno do salário mínimo é redutora. Ou seja, se não houver acordo nenhum é mau. É uma imposição. Se houver um acordo apenas sobre o SMN é claramente insuficiente.
a) Segundo, esta discussão está a passar ao lado do país e não o mobiliza.
– A ideia que passa para o país é que estamos perante mais uma discussão corporativa, tecnocrática, banal. Apenas para cumprir calendário.
– Faltam causas, ideias e propostas que mobilizem as pessoas e que possam estimular a celebração de um acordo.
– Impunha-se um novo impulso na concertação e ele pode vir de vários lados: do Presidente da República que lançou a ideia; do Governo que é o árbitro deste jogo; e dos parceiros sociais que deviam fazer propostas concretas mais amplas e mais ambiciosas.

Comente este artigo
Anterior Governo quer apoiar instalação de 10 mil novos agricultores
Próximo Apoio aos Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola no PDR 2020. Novos condicionantes - António Bonito

Artigos relacionados

Nacional

Genética das plantas esconde segredos para “adaptação aos cenários do futuro”

[Fonte: Rádio Renascença]
A estação de melhoramento de plantas em Elvas vai servir de laboratório para estudar formas de combate aos efeitos das alterações climáticas, num projeto cofinanciado pelo Ministério da Agricultura em dois milhões de euros.

Portugal está numa região do globo com um clima muito difícil para a produção agrícola, […]

Nacional

Já existe um robot capaz de colher 25 mil framboesas por dia

[Fonte: Vida Rural]

A Fieldwork Robotics, empresa da Universidade de Plymouth, e a Hall Hunter juntaram-se para criar um robot que consegue colher mais de 25 mil framboesas por dia, uma média superior às 10 mil que um trabalhador humano consegue colher em oito horas de trabalho diário. […]

Últimas

Edição de 2019 do Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas disponível

[Fonte: Agricultura e Mar]
A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária acaba de divulgar o Catálogo Nacional de Variedades de Espécies Agrícolas e Hortícolas (CNV), edição de 2019.
Para serem inscritas no CNV, as variedades são submetidas a ensaios oficiais de Distinção, […]