Os desafios da nova PAC para a agricultura no Alentejo

Os desafios da nova PAC para a agricultura no Alentejo

A nova PAC, aprovada nas suas linhas gerais durante a presidência portuguesa da União Europeia, que terminou em junho, é o culminar de um processo de negociação que teve início em 2018. De lá para cá muito mudou na União Europeia (UE), desde logo com o resultado das eleições europeias e a escolha da nova Comissão Europeia, a apresentação do pacto para atingir a neutralidade carbónica em 2050, as estratégias Biodiversidade 2030 e Do Prado ao Prato que condicionaram a proposta inicial.

Álvaro Amaro, eurodeputado eleito pelo PSD e que integra a Comissão de Agricultura e Desenvolvimento do Parlamento Europeu, dá como garantido “a elegibilidade dos investimentos em infraestruturas de regadio sustentável, ou o apoio acrescido aos jovens agricultores”, mas considera que ainda há muitas indefinições. Álvaro Amaro garante que a despesa nos compromissos ambientalmente mais sustentáveis andará, “globalmente, entre os 20 e os 30 por cento”, o que “para Portugal é até positivo”. Mas alertava para o facto de os cenários dependerem muito “do que for inscrito nos planos estratégicos nacionais, que são verdadeiros mapas para perceber como a PAC vai, de facto, funcionar” em cada país, nomeadamente, qual a importância dos eco regimes, o modelo adotado na convergência interna dos pagamentos e o fim dos históricos e “como será gerida a questão das pequenas explorações”.

Pedro do Carmo, deputado do PS eleito por Beja e presidente da Comissão Parlamentar de Agricultura e Pescas, também diz que “o essencial está feito, mas o mais importante vem agora nos pormenores, ou seja, na definição das linhas estratégicas da PAC, que têm também uma dimensão social e vão englobar as condições de trabalho e a pequena agricultura” e desafia os agricultores a “manter a postura que têm tido até aqui, de colaboração e participação para se conseguir melhorar na nossa agricultura, as condições de trabalho e a produção”.

“A agricultura foi fundamental neste tempo de pandemia, e a PAC vai reconhecê-lo. Temos de nos empenhar para delinear planos estratégicos para que não fique ninguém para trás e melhorar significativamente a nossa agricultura”, diz Pedro do Carmo.

Mais crítico é o coordenador da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), Joaquim Manuel Lopes, que considera que a nova PAC “é mais do mesmo”. Ou seja, “os mesmos de sempre vão continuar a comer no mesmo prato, e os pequenos agricultores vão continuar a ter as mesmas dificuldades”. “Esta PAC vai ser a continuidade das anteriores”, denuncia, defendendo uma […]

Texto Aníbal Fernandes e Marta Louro

Continue a ler este artigo no Diário do Alentejo.

Comente este artigo
Anterior Decisão do Governo pode pôr em causa sustentabilidade das explorações de milho - Agrotejo
Próximo Western consumers have positive attitudes toward gene-edited foods, two new studies find

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios: PEV quer mais tempo para limpeza de terrenos e travar aumento de multas

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) propôs hoje alargar o prazo até final de maio para as pessoas limparem terrenos florestais e quer travar a duplicação das multas, devido […]

Últimas

Avicultura: crescimento lento cria aves mais saudáveis e mais felizes

Um frango de crescimento mais lento é mais saudável e feliz, segundo os resultados de um ensaio agrícola independente que envolveu a Escola Veterinária da Universidade de Bristol, […]

Notícias apoios

Incêndios: Agricultores afetados já podem reportar prejuízos – Ministério

Os agricultores afetados pelo incêndio nos concelhos de Castro Marim, Tavira e Vila Real de Santo António já podem reportar os prejuízos causados, […]