Organizações florestais têm que ser ouvidas antes de se aprovar legislação – CNA

Organizações florestais têm que ser ouvidas antes de se aprovar legislação – CNA

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) defendeu hoje que as organizações florestais e dos baldios devem ser ouvidas pelo Governo antes de ser aprovada legislação que tenha implicações para o setor.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai presidir, a convite do primeiro-ministro, António Costa, ao próximo Conselho de Ministros temático sobre as florestas, que se realiza em Monsanto, Lisboa, na quinta-feira.

“A CNA reclama que o Ministério do Ambiente e da Ação Climática e o Governo ouçam todas as organizações florestais e as organizações dos baldios antes de fazerem aprovar legislação florestal. Neste contexto, tardam já em reunir o Conselho Florestal Nacional e a Plataforma de Acompanhamento das Relações da Fileira Florestal”, notou, em comunicado, a confederação.

No documento, a CNA lembrou que as áreas ardidas nos últimos anos continuam por reflorestar, que as verbas do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) dedicadas à floresta apresentam uma baixa taxa de execução e que a legislação tende para a concentração da terra e intensificação industrial da produção florestal, “favorecendo assim os interesses sobretudo da grande indústria”.

Por outro lado, sublinhou que os preços da madeira na produção continuam em baixa acentuada e que as populações rurais continuam a decrescer em número, enquanto aumenta a idade dos residentes.

Neste sentido, a confederação vincou ser necessário encarar a floresta “enquanto setor vital para as populações e para o país”, acrescentando que esta necessita de várias intervenções.

“No contexto, a principal questão a resolver é como fazer chegar as ajudas públicas aos pequenos e médios proprietários e produtores florestais por forma a também se promover uma floresta em minifúndio melhor (re)ordenada”, apontou.

A CNA reclamou ainda o alargamento do prazo para a limpeza coerciva das bermas das estradas e das imediações de povoações e edifícios.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS) também lamentou que as estruturas representativas não tenham sido ouvidas antes da realização de um Conselho de Ministros dedicado às florestas, exigindo melhores condições para guardas e vigilantes.

Na semana passada, a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) criticou, em declarações à Lusa, a realização de um Conselho de Ministros dedicado às florestas, sem antes ouvir o setor, apelando ao Presidente da República, que não promulgue automaticamente o que for decidido na reunião.

Floresta precisa de múltiplas intervenções com muita sabedoria e consoante a Região – Repetição, pelo Governo, de eventuais ajudas púbicas pode não passar de propaganda…

Comente este artigo
Anterior 1000 participantes inscritos no 11º Colóquio Nacional do Milho
Próximo Perfil de um Solo no Vale do Tejo

Artigos relacionados

Últimas

Parecer sobre o Relatório de Atividades do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais – 2019

Parecer sobre o Relatório de Atividades do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais – 2019 […]

Nacional

Projecto europeu de leguminosas envolve cidadãos

Os cidadãos europeus podem começar a participar nas actividades desenvolvidas pelo projecto europeu Increase – Intelligent Collections of Food Legumes Genetic Resources for European Agrofood Systems (Colecções Inteligentes de Recursos Genéticos de Leguminosas para os Sistemas Agroalimentares Europeus), […]

Nacional

Pintos do dia já podem ser exportados para os Camarões

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária informa que estão estabelecidas as condições sanitárias para exportação de pintos do dia de Portugal para os Camarões. […]