Ordem dos Engenheiros leva Alto Alentejo às Conversas à volta dos Sabores da Terra – 5 de dezembro – Lisboa

Ordem dos Engenheiros leva Alto Alentejo às Conversas à volta dos Sabores da Terra – 5 de dezembro – Lisboa

O Conselho Regional Sul do Colégio de Engenharia Agronómica promove uma sessão “Conversas à volta dos Sabores da Terra”, que decorrerá na sede da Região Sul da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa (sala Manuel Rocha), no dia 5 de Dezembro, entre as 18 horas e as 19h30.

Esta iniciativa surge num contexto de crescente tomada de consciência ambiental, sustentabilidade e promoção do desenvolvimento do interior, que vêm estando na ordem do dia na sociedade portuguesa.

Dedicada aos produtos do Alto Alentejo, esta sessão terá como convidada Rita Beltrão Martins, gerente e fundadora da empresa Terrius, que se dedica à produção sustentada, conservação e comercialização de produtos silvestres, frutos e hortícolas de excelência originários daquela região.

As inscrições são gratuitas, mas obrigatórias. Pode inscrever-se aqui.

Nordeste Alentejano

Explica um comunicado da ordem dos Engenheiros que o Nordeste Alentejano é uma das zonas com maior riqueza e diversidade biótica do País. Situada entre os rios Tejo e Guadiana, no interior do Alto Alentejo, esta região apresenta-se como uma das menos desenvolvidas do território continental.

“A sua riqueza em património natural, cultural e gastronómico representa um potencial ímpar da região, onde o turismo de natureza e a gastronomia se vêm implementando a nível nacional e internacional, contribuindo de sobremaneira para o reconhecimento da região”, acrescenta o mesmo comunicado.

Este território, constituído por planícies, vales e montanhas, abrange os concelhos de Marvão, Portalegre, Castelo de Vide, Nisa, Monforte, Elvas, Campo Maior, Arronches e Crato.

Terrius

“Assumindo um compromisso e elevado sentido de responsabilidade social e de promoção da economia circular”, a Terrius aposta na produção sustentada, com vista à “excelência da qualidade e à conservação dos recursos naturais desta região”.

Durante esta sessão poderá ficar a conhecer melhor a actividade da Terrius e provar alguns produtos que constituem o seu vasto e interessante portefólio de iguarias silvestres.

A Terrius nasce na Serra de S. Mamede, Alto Alentejo, uma das maiores reservas de biodiversidade da Península Ibérica, tendo como principal objectivo a produção sustentada, a conservação e a comercialização dos produtos silvestres, dos frutos e dos hortícolas de excelência originários da região.

A empresa recorre a processos de transformação simples, como a desidratação, a moagem e a elaboração de conservas naturais, preservando as características únicas das matérias-primas, para levar ao mundo os sabores e aromas originais desta terra.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Dois workshops do projeto SYMBIOSIS para uma gestão eficiente das explorações agropecuárias - 22 de novembro - Coimbra
Próximo Agricultores europeus unidos por uma produção de leite responsável, ecológica e amiga do clima

Artigos relacionados

Sugeridas

Os malefícios do tribalismo moderno

O afastamento entre o mundo urbano e o rural é uma realidade cada vez mais prevalente em Portugal, o que parece um contra censo numa altura […]

Nacional

Madeira paga 35 mil euros de indemnizações a agricultores afetados por temporais

O Conselho do Governo Regional da Madeira decidiu hoje atribuir 35.710 euros de indemnizações aos agricultores afetados pelos temporais de fevereiro e março de 2018, […]

Nacional

Mais do que veganismo, no congresso vegetariano vai falar-se de sustentabilidade

Vai falar-se em veganismo, mas o Congresso Internacional Paredes de Coura Vegetariana vai, este ano, centrar-se mais ainda na sustentabilidade ambiental e no desperdício alimentar. […]