Opinião: A nova regionalização

Opinião: A nova regionalização

Ricardo Castanheira

O que é que a amora, o mirtilo e a framboesa têm que ver com inovação, biorefinaria, giesta e regionalização?.. Aparentemente nada, mas a meu ver tudo!

Por estes dias passeando num dos muitos mercados de rua, em Bruxelas (sim, há vários e a ideia com forte apelo turístico deveria replicar-se em Portugal), dei-me conta que os frutos vermelhos à venda eram produzidos no nosso Alentejo. Fui indagar e fiquei a saber que somos uma referência produtiva nesta área e que já exportamos quase 100 milhões de euros anuais.

Repito, o nosso Alentejo – o tal envelhecido, desertificado e esquecido – tem condições singulares para neste domínio exportar e abastecer mercados europeus.

Como a curiosidade é atrevida, constatei, então, que o complexo agroflorestal, (agricultura, silvicultura e indústrias alimentares e florestais) gera já 5,7% do VAB e 14,7% do emprego total da economia. Mais, as atividades do complexo agroflorestal já representam atualmente 14,1% dos valores das nossas exportações.

Ou seja, quando se fala tanto (e bem) de turismo é justo e oportuno que se reconheça o papel, menos “sexy” é certo mas cada vez mais relevante, que o setor agroflorestal desempenha na economia nacional.

Ora, e aqui entra outra excelente notícia. Neste fim de semana, o Primeiro-Ministro inaugurou, também no tal postergado interior centro do país (Oliveira do Hospital), o arrojado Campus de Tecnologia e Inovação da BLC3 e tomou contato com o relevantíssimo projeto da bio-refinaria que valoriza os matos incultos (a giesta por exemplo) no processo de produção de substitutos do petróleo, gerando assim novas fontes alternativas de energia limpa e atacando uma das principais causas dos incêndios florestais.

Tenacidade, coragem e arrojo inovador tornaram possível este projeto onde tantos sucumbiram ao suposto fatalismo da interioridade.

Estes são apenas dois exemplos do muito que, com certeza, já estará a ser feito e do mais que ainda há por fazer para aproveitar o potencial natural de regiões mais desfavorecidas do país, usando para tanto tecnologia, uma nova geração preparada para o risco e com visão internacional.

É esta a regionalização necessária – a dos clusters económicos – e não aquela que alguns pretendem ressuscitar (finada que foi no Referendo de ( 1998 ) com base na mera deslocação de serviços e organismos públicos, que nada gera de novo, não inova e ainda aumenta a despesa pública!

Comente este artigo
Anterior Alqueva: Novo bloco de rega em vila nova de são bento
Próximo Programa ambiental já aprovou 47 ME para medidas contra incêndios - Governo

Artigos relacionados

Últimas

Satélites espanhol e francês perdem-se no espaço oito minutos após lançamento de foguetão

O foguetão Vega, que transportava um satélite espanhol e outro francês, desviou-se da rota e perdeu-se no espaço oito minutos após ter sido lançado, esta terça-feira de madrugada […]

Últimas

Os Insultos aos Agricultores e à Agricultura – José Eduardo Gonçalves

Sou agricultor há mais de 40 anos e tenho muito orgulho e vaidade em ser a 5.ª geração de uma família (o meu filho já é a 6.ª), que quer do lado materno, quer do lado paterno, se tem […]

Sugeridas

ANIPLA e CAP debatem sobre impacto das alterações climáticas na produção de alimentos

O impacto das alterações climáticas na produção alimentar esteve na base de um seminário dinamizado em conjunto pela Associação Nacional da Indústria […]