ONU aconselha dieta à base de plantas e alimentos de origem animal sustentáveis para combater alterações climáticas

ONU aconselha dieta à base de plantas e alimentos de origem animal sustentáveis para combater alterações climáticas

[Fonte: Vida Rural]

O mais recente relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), da ONU, afirma que uma dieta à base de plantas e alimentos de origem animal produzidos de forma sustentável pode ajudar a combater as alterações climáticas.

Debra Roberts, co-presidente do grupo de trabalho II do IPCC, indica que “algumas escolhas dietéticas exigem mais terra e água e causam mais emissões de gases que prendem o calor. Dietas equilibradas com alimentos à base de plantas – como grãos, leguminosas, frutas e vegetais – e alimentos de origem animal produzidos de forma sustentável em baixos sistemas de emissão de gases de efeito estufa apresentam grandes oportunidades para adaptação e limitação da mudança climática”.

De acordo com o relatório da Organização das Nações Unidas, “uma ação coordenada para lidar com a mudança climática pode simultaneamente melhorar a terra, a segurança alimentar e a nutrição, ajudando também a acabar com a fome”.

As alterações climáticas “estão a afetar todos os quatro pilares da segurança alimentar: disponibilidade (produção e rendimento), acesso (preços e capacidade de obtenção de alimentos), utilização (nutrição e culinária) e estabilidade (interrupções na disponibilidade)”, diz ainda o relatório que explica que “a segurança alimentar será cada vez mais afetada através de quedas nos rendimentos, especialmente nos trópicos” e com “impactos mais drásticos nos países de baixo rendimento de África, Ásia, América Latina e Caribe”.

O estudo revela ainda que, atualmente, cerca de um terço dos alimentos produzidos é perdido ou desperdiçado, referindo que “reduzir essa perda e desperdício reduziria as emissões de gases de efeito de estufa e melhoraria a segurança alimentar”.

Além disso, lembra a ameaçada da desertificação e a necessidade de lutar contra o fenómeno e ainda que o aquecimento das superfícies emergentes está a aumentar a uma maior velocidade do que o aquecimento global, tendo progredido 1,53ºC, com o documento a prever “riscos importantes” de alta de água nas zonas áridas, incêndios e instabilidade alimentar com um aquecimento global de 1,5ºC, passando a “muito importantes” se o aquecimento for de 2°C.

Comente este artigo

O artigo ONU aconselha dieta à base de plantas e alimentos de origem animal sustentáveis para combater alterações climáticas foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior En Bolivie, l’astucieuse gestion de la forêt pour préserver l’eau
Próximo MEPs in the European Parliament – 9th parliamentary term

Artigos relacionados

Nacional

Costa: é tempo de deixar os profissionais trabalharem e “no final falaremos”

[Fonte: Expresso]

É o momento de deixar todos os profissionais envolvidos no combate às chamas trabalharem para “protegerem as pessoas, salvarem os bens das pessoas e protegerem a nossa floresta”. “Claro, no final falaremos.” As palavras são de António Costa, esta segunda-feira, […]

Últimas

XX Edição do Congresso de Zootecnia – 5, 6 e 7 de Abril de 2018 – Vila Real

A Associação Portuguesa de Engenharia Zootécnica (APEZ) com a realização do seu I Encontro Nacional na Universidade de Évora, em 16 e 17 de 1988, verificou-o enorme interesse da classe por estudar e aprofundar os assuntos relacionados com a Zootecnia: Etologia, Melhoramento Genético, Nutrição, Reprodução, Economia e Planeamento, […]

Últimas

Simplex: Novas medidas preveem pagar IMI a prestações e simular custos da Justiça

Lisboa, 26 jun (Lusa) – As novas medidas do Simplex + 2017 preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

De acordo com o gabinete da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, […]