UE e reforma da PAC: o que não se faça este ano, levará anos a ser feito – Ignacio Lopez

UE e reforma da PAC: o que não se faça este ano, levará anos a ser feito – Ignacio Lopez

Começou a atividade em Bruxelas, e as previsões sobre o que nos trará 2018 nas instituições comunitárias, começam a ganhar forma. A Bulgária estreia-se com uma nova presidência semestral da UE, com um programa forte no conteúdo declarativo e que será importante como preparação para os debates que devem ser realizados este ano ou, no limite, nos primeiros meses de 2019 para que os resultados possam ver a luz.

E, como refere o título, o que não se faça este ano, levará anos a ser feito. As eleições para o Parlamento Europeu prevêem-se para 26 e 29 de Maio de 2019, o que significa que algumas semanas antes do Parlamento Europeu estar dissolvido, serão muito poucas as opiniões que poderão tratar-se nos trílogos (reuniões entre Comissão Europeia, Parlamento Europeu e Conselho de Ministros da UE), que poderão realizar-se nos primeiros meses do ano de 2019.

Após as eleições, a formação da nova sessão plenária e as comissões correspondentes, e depois do verão, a nova Comissão Europeia, com novos comissários e uma nova orientação política para a Europa, o que não ficará fechado, pode facilmente ir para a uma gaveta e retomar as negociações desde o início.

Como esperado, e assim demonstrava o Balanço de 2017 e as previsões de 2018, a primeira semana de atividade dos fóruns em Bruxelas após as férias de Natal, acordou com a Conferência de Alto Nível com o título de “Definir o Futuro: Projetar o próximo quadro financeiro plurianual “, com importantes pontos de reflexão.

O primeiro ponto de reflexão, e creio ser importante, é que parece que o muro que se havia levantado sobre o 1% do rendimento nacional bruto como teto máximo das contribuições dos Estados-Membros, não era tão sólido quanto parecia e o Comissário do Orçamento da Comissão Europeia, Gunter Oettinger, apoiado pelo próprio presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, defendeu aumentar as contribuições a 1,1% ou mesmo, 1,2% do RNB dos Estados Membros (EM), contribuindo com “dinheiro fresco” para os cofres da Comunidade, com valores entre 95.000 e 180.000 milhões de euros.

Este aumento, e aqui vem a má notícia, não parece suficiente para, por um lado, cobrir o buraco deixado pelo Reino Unido, que com a sua a saída, deixará de fornecer entre 12.000 e 15.000 milhões de euros por ano, uma vez que se faça efectiva a sua saída, y combinando com as novas ambições e prioridades da UE para o próximo período 2021-2027, que irão reconstituir a futura estrutura do orçamento comunitário.

Parece, portanto, bastante provável que as próximas propostas legislativas sobre o futuro quadro orçamental, que são esperadas para o mês de Maio, também contemplem cortes adicionais. E não podemos esquecer que as despesas da PAC, juntamente com as da coesão, são uma parte importante do orçamento da UE.

Chegados a este ponto, é importante fazer uma pequena nota para assinalar que o governo britânico, por meio do seu Secretário de Estado, Michel Glove, garantiu aos agricultores a continuidade das ajudas aos seus agricultores logo que faça efectiva a saída do Reino Unido da EU, por um período pelo menos de 5 anos.

A defesa da PAC, e também da política de coesão são, portanto, no futuro Quadro Financeiro Plurinanual, as máximas prioridades que os países com tradição vincada e peso agrícola devem focar-se nos próximos meses.

Por conseguinte, é justo reconhecer a posição firme do Secretário de Orçamento espanhol, Alberto Nadal, que defendeu a PAC como um dos pilares básicos do orçamento da UE e a principal fonte de retorno comunitário, situando-se inequivocamente ao lado do Ministério da Agricultura e todo o setor agrícola espanhol.

Esta posição firme de Espanha tem a ainda mais importância após conhecer-se esta mesma semana que a França relega a defesa da PAC para um segundo plano no debate sobre os orçamentos e o futuro da UE, passando a política de segurança, a defesa e a política de migração, juntamente com o crescimento económico e a digitalização, ao primeiro plano das prioridades de uma das maiores potenciais agrícolas, não só da UE, mas também do mundo.

Como era de esperar, as reações do mundo agrícola francês foram imediatas e muito duras, acusando o presidente Macron de remover uma parte substancial do espírito do país, do DNA de França, retirando-se da linha da frente em defesa de um orçamento forte para a PAC. Tanto as principais organizações agrícolas, como os mais importantes deputados franceses do mundo agrícola denunciaram esse abandono do governo francês e exigem que o país gaulês continue a ser “o primeiro da corda”, como se diz em termos alpinistas.

É importante forjar as alianças fortes entre os países com um setor agrícola profundamente enraizado na economia, no emprego e na sociedade rural, como são Espanha, Portugal e França e outros países amigos da agricultura e defensores de uma PAC forte e à altura das ambições da sociedade moderna. O último encontro entre os ministros da agricultura dos países citados, em que se discutiu a defesa das zonas ultraperiféricas, também serviu para fortalecer o compromisso com uma agricultura e uma PAC potente e à altura das novas exigências da sociedade.

Nós não estaremos sozinhos. A notícia de um princípio de um acordo na Alemanha que facilitaria a formação do “Große Koalition” para governar a locomotiva da Europa, onde contempla a disposição, não só para manter, mas para aumentar a contribuição para o orçamento da UE e de uma PAC forte e melhorada, deve ser recebida como uma aposta decidida no sentido antes indicado. Não se poderia encontrar melhor companheiro de viagem.

Ignacio Lopez Garcia-Asenjo

Diretor de Relações Internacionais de ASAJA (Asaja Asociación Agraria de Jóvenes Agricultores)

 

Comente este artigo
Anterior Paraíso a descoberto na Quinta do Martelo
Próximo Precios dulces por una fruta digna

Artigos relacionados

Nacional

Tribunal de Justiça condena uso da denominação ‘manteiga’ ou ‘queijo’ em produtos vegetais

O Tribunal de Justiça europeu pronunciou-se hoje contra a utilização da denominação ‘leite’, ‘manteiga’ ou ‘iogurte’ por produtos não lácteos, dando razão a uma associação alemã que acusou de concorrência desleal uma empresa de alimentos vegetarianos/veganos.

Comente este artigo […]

Sugeridas

Seca em Trás-os-Montes.​ “Água? Só puxada a petróleo”

[Fonte: Rádio Renascença]

Na margem norte do rio Tâmega, em Chaves, Jorge Fernandes mete a enxada à terra. O solo está seco e a poeira cobre-lhe o rosto. Ao lado tem as couves que vai plantar, mas a tarefa não é […]

Últimas

ICNF põe em hasta pública lenha queimada avaliada em 2,2 ME

[Fonte: Açoriano Oriental]
O Instituto da Conservação da Natureza e
das Florestas (ICNF) vai alienar, em hasta pública, material lenhoso
queimado proveniente de áreas sob sua gestão avaliado em 2,2 milhões de
euros, segundo anúncio publicado em Diário da República.

Comente este artigo
O artigo ICNF põe em hasta pública lenha queimada avaliada em 2,2 ME foi publicado originalmente em Açoriano Oriental […]