O Mundo Rural também vota! – António Paula Soares

O Mundo Rural também vota! – António Paula Soares

Nos últimos tempos, e em especial desde o início da XIII legislatura do Parlamento Português, que se iniciou em Outubro de 2015, que surgiram diversos ataques ao mundo rural na Assembleia da República, e que se assistiu a um movimento virtual nas redes sociais contrário às atividades e tradições do mundo rural Português.

Ao longo destes últimos 4 anos têm surgido partidos minoritários e deputados isolados que têm atacado a agricultura, a pecuária, a floresta, a caça e as diversas tradições e culturas do nosso mundo rural.

Contudo, muito poucas ou quase nenhumas vitórias conseguiram alcançar, face ao esforço e dedicação da maioria dos grupos parlamentares, de vários deputados em particular, de políticos no geral, dos quais destacamos a larga maioria dos deputados dos grupos parlamentares do CDS, PCP, PSD e PS, que em conjunto com as entidades do mundo rural têm sabido defender e proteger uma realidade que se tem tornado cada vez mais distante e desconhecida da maioria da nossa sociedade urbana, conduzindo a atos e ideologias de ignorância, dando voz a radicalismos que urge combater.

É portanto, fundamental que se dê a cara e apoio a quem nos tem defendido nos últimos anos, e a todos os que o venham a fazer, em nome de um Portugal com uma entidade própria e única, e não dividida por conceitos de desintegração territorial e cultural, tal como muitos políticos e movimentos ditos ecologistas e animalistas têm tentado atingir.

Em toda esta atual legislatura foram inúmeros os projetos de lei e projetos de resolução com manifesto cariz proibicionista para com as atividades, costumes e tradições do campo e da relação do mesmo com os seus animais de produção, de desporto, de atividades culturais e de companhia, contra a floresta e a sua forma de gestão, contra a propriedade privada e contra a agricultura e produção pecuária. No entanto, a esmagadora maioria dos deputados, eleitos e representantes do povo Português, tem vindo recorrentemente a chumbar e a repudiar a quase totalidade desses ataques, apoiados por diversas entidades dos diversos quadrantes políticos e personalidades importantes da sociedade portuguesa.

É com o intuito de dar a voz e promover as ideias de quem nos tem defendido, e de quem nos apoia, que a ANPC – Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade pretende lançar a primeira pedra de um projeto agregador e transversal a todo o mundo rural, aos políticos, personalidades, entidades e empresas ligadas ao campo, de modo a fundarmos um movimento de pensamento de coesão territorial, constituindo uma estrutura de reflexão e proatividade pelo mundo rural e pelas suas atividades.

Pretendemos com este movimento, cujo Manifesto Pelo Mundo Rural será a primeira fase visível, criar uma agenda de promoção e apoio ao mundo rural, que consiga passar a mensagem para a sociedade em geral e que permita transmitir ao poder político e à tutela a abrangência da sociedade rural, das entidades, das personalidades e das inúmeras empresas que apoiam e criam valor para toda a economia nacional.

Este é um projeto que se pretende que seja transversal a todo o mundo rural, onde todos possam ter uma palavra e possam dar o seu contributo. A mensagem é só uma, existindo inúmeras formas de a promover e fundamentar, ou seja: “O MUNDO RURAL TAMBÉM VOTA!”

→ Aceda aqui à página de

Facebook do manifesto ←

Comente este artigo
Anterior Portugueses confiam nos produtos ‘Made in Portugal’
Próximo Cotações – Azeite – Informação Semanal – 15 a 21 Abril 2019

Artigos relacionados

Opinião

“Carta” e “Estatuto” da Agricultura Familiar Portuguesa – João Dinis

Na actualidade, há um debate já alargado acerca do que (ainda) é Agricultura Familiar e da sua importância, bem como dos “Direitos dos Camponeses”, neste caso no âmbito da própria ONU.
Ao longo das últimas décadas, é incontestável, muita da terra agrícola deixou de cumprir a sua função social de alimentar as Populações e foi apropriada, […]

Opinião

Debater, Divulgar e Dinamizar – o Papel do Empreendedorismo Agrícola – Filipe Cruz

De forma clássica, poderemos distinguir dois tipos de agricultura, com base nos seus perfis de risco: (1) uma agricultura tradicional, essencial na ocupação do espaço rural e no sustento da economia local, cujo impacto económico é maioritariamente estático e (2) uma agricultura moderna, caracterizada pela inovação e pela excelência na otimização dos recursos, […]

Opinião

Trazer a economia circular para o sector agroalimentar – Daniel Murta

Por mais eficiente que seja a produção de géneros alimentícios existem sempre perdas ao longo da sua cadeia de produção e distribuição, e assim quantidades significativas de produtos são perdidas na forma de resíduos e subprodutos. Na verdade, cerca de 30% da produção alimentar a nível mundial é desperdiçada e enviada para aterro ou para compostagem, […]