O Mundo Rural, a síndrome do alcatrão e a esquerda caviar – Arlindo Cunha

O Mundo Rural, a síndrome do alcatrão e a esquerda caviar – Arlindo Cunha

Podemos aceitar, em nome da liberdade de opinião, essa visão ecológico-museológica do mundo rural e das suas atividades produtivas primárias. O que já não podemos aceitar é que nos tentem impingir essa visão como sendo o paradigma do futuro.

Com mais de dois terços da população portuguesa a residir em áreas urbanas, as cidades tornaram-se os grandes centros de criação de riqueza e de emprego, onde o poder económico anda de braço dado com o poder político, o poder do conhecimento e o poder da comunicação. Porém, esse mundo poderoso seria um pesadelo sem o mundo rural que lhes dá os alimentos e a água que o mantém vivo, o ar que respira ou as paisagens para o seu lazer.

Nunca como hoje o espaço rural foi tão vital para a qualidade de vida dos centros urbanos. E, no entanto, nunca como hoje este mundo rural – com a sua agricultura, a sua pecuária, a sua floresta, os seus agricultores e produtores florestais – foi tão desconsiderado. Basta para isso ler ou ouvir certos sábios da cidade, grupos ecologistas, ou mentores das chamadas novas esquerdas, para quem o espaço rural deveria ser uma espécie de Rede Natura 2000 ou um museu ao ar livre, onde as atividades agrícolas deveriam ter um caráter excecional e sempre muito verde.

Um primeiro exemplo desta visão fashion e sexy tem a ver com a sustentabilidade no setor agroalimentar. Como todas as atividades, a agricultura tem externalidades positivas e negativas, sabendo que o que temos a fazer é potenciar aquelas e minimizar estas, mediante uma utilização eficiente no uso dos fatores de produção, especialmente a água e o solo. Contudo, nesta visão não há lugar para o regadio e sistemas intensivos, fertilizantes químicos, pesticidas, fungicidas, herbicidas, ou espécies florestais de crescimento rápido, para citar alguns

Arlindo Cunha

Ex-ministro da Agricultura e viticultor no Dão

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Metade dos incêndios florestais em Portugal tiveram origem criminosa
Próximo Webinar: Otimização da produção de pequenos ruminantes - 10 de março

Artigos relacionados

Últimas

Mais de 4200 fogos e 7800 hectares de área ardida desde início do ano

Este ano já se registaram mais de 4200 incêndios rurais e a área ardida ultrapassa os 7800 hectares, segundo dados provisórios divulgados esta terça-feira pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). […]

Últimas

Covid-19: Rendimento agrícola caiu 3% e só apoios evitaram situação grave – confederações

O rendimento agrícola caiu 3% devido à pandemia de covid-19 e só a adoção de medidas de apoio impediu uma situação mais grave, mas são precisos novos mecanismos que distingam […]

Últimas

Cabra-montês não pode ser caçada por ser espécie protegida em Portugal


O diretor do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas do Norte disse que a cabra-montês não pode ser caçada por ser espécie protegida e que é […]