O Mundo Rural, a síndrome do alcatrão e a esquerda caviar – Arlindo Cunha

O Mundo Rural, a síndrome do alcatrão e a esquerda caviar – Arlindo Cunha

Podemos aceitar, em nome da liberdade de opinião, essa visão ecológico-museológica do mundo rural e das suas atividades produtivas primárias. O que já não podemos aceitar é que nos tentem impingir essa visão como sendo o paradigma do futuro.

Com mais de dois terços da população portuguesa a residir em áreas urbanas, as cidades tornaram-se os grandes centros de criação de riqueza e de emprego, onde o poder económico anda de braço dado com o poder político, o poder do conhecimento e o poder da comunicação. Porém, esse mundo poderoso seria um pesadelo sem o mundo rural que lhes dá os alimentos e a água que o mantém vivo, o ar que respira ou as paisagens para o seu lazer.

Nunca como hoje o espaço rural foi tão vital para a qualidade de vida dos centros urbanos. E, no entanto, nunca como hoje este mundo rural – com a sua agricultura, a sua pecuária, a sua floresta, os seus agricultores e produtores florestais – foi tão desconsiderado. Basta para isso ler ou ouvir certos sábios da cidade, grupos ecologistas, ou mentores das chamadas novas esquerdas, para quem o espaço rural deveria ser uma espécie de Rede Natura 2000 ou um museu ao ar livre, onde as atividades agrícolas deveriam ter um caráter excecional e sempre muito verde.

Um primeiro exemplo desta visão fashion e sexy tem a ver com a sustentabilidade no setor agroalimentar. Como todas as atividades, a agricultura tem externalidades positivas e negativas, sabendo que o que temos a fazer é potenciar aquelas e minimizar estas, mediante uma utilização eficiente no uso dos fatores de produção, especialmente a água e o solo. Contudo, nesta visão não há lugar para o regadio e sistemas intensivos, fertilizantes químicos, pesticidas, fungicidas, herbicidas, ou espécies florestais de crescimento rápido, para citar alguns

Arlindo Cunha

Ex-ministro da Agricultura e viticultor no Dão

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Metade dos incêndios florestais em Portugal tiveram origem criminosa
Próximo Webinar: Otimização da produção de pequenos ruminantes - 10 de março

Artigos relacionados

Últimas

Português vai liderar Grupo de Diálogo Civil da Comissão Europeia sobre Florestas e Cortiça

António Paula Soares foi eleito presidente do Grupo de Diálogo Civil da Comissão Europeia sobre Floresta e Cortiça. […]

Notícias emprego

Recenseamento Agrícola 2019 – Primeiros Resultados – 2019

O INE divulga os primeiros resultados de âmbito nacional do Recenseamento Agrícola 2019 (RA 2019), cuja recolha de informação decorreu entre outubro de 2019 e novembro de 2020. No final de março de 2021 serão disponibilizados os […]

Sugeridas

CNA: São muito altas e com efeitos perversos as áreas – por unidades de cultura – fixadas pelo Ministério da Agricultura para manter indivisas, nas heranças, as parcelas florestais.

[Fonte: CNA – Confederação Nacional da Agricultura]
Os graves problemas da Floresta Nacional não se resolvem com medidas administrativistas impostas pelo Ministério da Agricultura e que ignorem os direitos dos proprietários e produtores florestais como mais uma vez acontece, […]