Novo programa de cães de gado para proteger rebanhos com o objetivo de promover a coexistência com o lobo ibérico a sul do rio Douro

Novo programa de cães de gado para proteger rebanhos com o objetivo de promover a coexistência com o lobo ibérico a sul do rio Douro

Complementado com outras medidas de coexistência, o programa pretende reduzir a predação de gado pelos lobos ibéricos, permitindo a recuperação deste carnívoro em perigo em Portugal.

O projeto LIFE WolFlux visa, a sul do rio Douro, aumentar a conectividade da subpopulação de lobo ibérico português, espécie em perigo de extinção. Uma das novas ações a ser neste momento desenvolvida através do projeto é a integração de cães de gado, sendo o Leão o primeiro filhote de Serra da Estrela a ser incorporado pela equipa da Rewilding Portugal. “O objetivo é incorporar 100 cães com o gado existente na área do projeto”, explica Sara Aliácar, técnica de conservação da Rewilding Portugal. “Ao reduzir a predação dos lobos e, assim, promover a coexistência entre as pessoas e o lobo, o Leão e os cães que o seguirem contribuirão para a recuperação do lobo, aumentando a estabilidade, a interação e a expansão territorial das alcateias já estabelecidas”.

A subpopulação de lobo ibérico a sul do rio Douro está numa posição precária. Além de fatores como a perda de habitat, a baixa conectividade entre grupos e o conflito com seres humanos, a falta de presas silvestres continua a prejudicar a capacidade de recuperação desta espécie. Atualmente, os lobos a sul do rio Douro dependem fortemente de gado doméstico para alimentação, representando este mais de 90% da dieta de algumas alcateias. Reduzir a predação do lobo no gado só será totalmente eficaz se os lobos tiverem uma fonte alternativa de alimento. Através do projeto LIFE WolFlux, que é financiado pela Comissão Europeia e cofinanciado pelo Endangered Landscapes Programme, a equipa da Rewilding Portugal está a trabalhar conjuntamente com os outros parceiros do projeto (Universidade de Aveiro, ATNatureza, Zoo Logical e Rewilding Europe) para conseguir garantir a disponibilidade de presas silvestres suficientes para os lobos, aumentando as populações locais de corço e, assim, reforçando as cadeias alimentares naturais. Em 2019, foi realizado um trabalho preliminar de monitorização para perceber melhor a distribuição e a abundância das populações de corço na área do projeto.

Sendo uma das raças caninas mais antigas da Península Ibérica, os cães Serra da Estrela há séculos que protegem o gado a sul do Douro contra ataques de lobos ibéricos e cães vadios, sendo parte da tradição local embora se esteja a perder, especialmente onde os lobos agora raramente são vistos. Assim como está a acontecer com o Leão agora, estes cães precisam de ser integrados em rebanhos e manadas enquanto ainda são filhotes, a fim de criar um vínculo mais forte com os animais que devem proteger. No entanto, com o projeto LIFE WolFlux a trabalhar para apoiar o regresso do lobo ibérico ao seu papel de predador de topo na cadeia trófica esta medida proativa pode vir a ser fundamental. “Um pastor com cães Serra da Estrela pode proteger-se da predação de lobos com muito mais eficiência do que um que não os utilize”, explica Sara Aliácar. “Os cães detectam invariavelmente a presença dos lobos primeiro. Num habitat rochoso e arbustivo como aquele que caracteriza a área deste projeto, a estratégia que eles utilizam consiste em deitarem-se, esconderem-se e ficarem de vigia”.

Leão o primeiro filhote de Serra da Estrela a ser incorporado pela equipa da Rewilding Portugal.

O novo programa de proteção de animais será implementado de acordo com a procura – os pastores primeiro precisam de solicitar os cães para iniciar o processo de incorporação. A equipa da Rewilding Portugal visita então o pastor para avaliar se o cão é realmente necessário. Se a avaliação for positiva, um cachorro de Serra da Estrela é fornecido gratuitamente, assim como os serviços de seguro, alimentação e veterinário até o animal completar os 18 meses de idade, quando se considera que estará apto a realizar todas as suas funções. Os cães são fornecidos pelo Grupo Lobo, uma ONGA portuguesa que trabalha para conservar os lobos ibéricos e o seu habitat e que dará apoio no treino destes cães, facilitando a troca de conhecimentos fundamentais e melhores práticas neste processo. Se o cão incorporado vier a ter filhotes, o pastor envolvido é incentivado a entregar dois deles ao programa, para que este possa continuar a ajudar mais pastores.

A equipa da Rewilding Portugal também planeia distribuir vedações aos pastores (em áreas prioritárias) para permitir que eles protejam ainda mais os seus rebanhos e manadas da predação de lobos ibéricos.

Comente este artigo
Anterior Indicações geográficas – um património europeu no valor de 75 000 milhões de EUR
Próximo No setor do vinho: fortes e unidos, vamos resistir

Artigos relacionados

Comunicados

Certificação de ‘Vinhos do Tejo’ com aumento de quase 40% no primeiro trimestre

O primeiro trimestre de 2019 registou, face ao mesmo período de 2018, um aumento de quase 40% no que toca à certificação de Vinhos do Tejo. […]

Sugeridas

Avisos Agrícolas 18/07/2019: Vinha

[Fonte: DRAPN] O Serviço de Avisos Agrícolas é um serviço nacional do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) que tem por finalidade emitir avisos agrícolas. […]

Nacional

Governo altera regime de assistência técnica no PDR para assegurar próxima programação

O Governo procedeu hoje à alteração do regime de aplicação de assistência técnica no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020 para […]