Novo concurso do Programa Nacional de Regadios disponibiliza 60 milhões de euros

Novo concurso do Programa Nacional de Regadios disponibiliza 60 milhões de euros

Decorre até 31 de Maio o período de apresentação de candidaturas ao novo concurso do Programa Nacional de Regadios (PNR), que disponibiliza um total de 60 milhões de euros. Este valor é destinado a financiar projectos situados no Algarve e Sudoeste Alentejano, no Litoral Norte e Centro e no Interior Norte e Centro – «conforme delimitação indicada no Programa Nacional de Regadios».

Segundo nota do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, os projectos «deverão ser titulados pela Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Dgadr), pelas Direcções Regionais de Agricultura e Pescas (DRAP) ou por outros organismos da Administração Pública, designadamente Câmaras Municipais, em parceria com a Dgadr ou com as DRAP». Também se explica que «o nível de apoio a conceder, a fundo perdido, é de até 100% do valor de investimento, sendo limitado a 40% para as instalações de produção de energia hídrica ou fotovoltaica».

A nota indica que «serão valorizadas as infraestruturas de armazenamento já construídas e operacionais que tenham, ou garantam, a implementação de um regime de caudais ecológicos» e que «não há limite ao número de candidaturas apresentadas por cada beneficiário, isoladamente ou em parceria, sendo o valor máximo de cada candidatura 15 milhões de euros». Afirma-se ainda que «são elegíveis despesas com estudos ligados à elaboração do projecto, expropriações e indemnizações decorrentes da implementação da obra e as obras de execução do projecto».

O concurso agora lançado integra-se na segunda fase do PNR, «financiada pelo Estado através dos empréstimos negociados com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e com o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB)» e cujas condições constam do Anexo I à Portaria n.º 38/2019, de 29 de Janeiro. Está já a decorrer um outro concurso relativo à segunda fase, no valor de 93 milhões de euros, para financiar projectos situados no Alentejo.

A nota refere que a primeira fase do PNR, já em execução, «deverá estar concluída até 2023». A primeira fase contempla «a criação de 100.000 novos hectares de regadio, a que corresponde um investimento público de 560 milhões de euros e a criação de 10.000 novos postos de trabalho permanentes», acrescenta a nota.

Notícias relacionadas

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior 7ª Acção de Demonstração do GO CSBerries
Próximo STET apresenta novas variedades de batata

Artigos relacionados

Últimas

Oito em cada dez portugueses defendem políticas públicas para hábitos alimentares saudáveis

Oito em cada dez portugueses consideram que o Governo deve intervir para promover hábitos alimentares mais saudáveis e a maioria apoia de forma expressiva o alargamento de medidas como a redução de açúcar nalguns alimentos. […]

Últimas

Bayer reforça compromisso de aumentar o consumo de frutas e vegetais

O compromisso de promover o aumento do consumo de frutas e vegetais é fulcral para a visão da Bayer sobre inovações do portefólio «Saúde para Todos, Fome […]

Últimas

Eurodeputado do BE diz que todos os fundos estratégicos para os Açores vão sofrer cortes

“Todos os fundos que são estratégicos para os Açores irão ter cortes. É o caso do Fundo de Coesão, da Agricultura, […]