Novas regras do POSEI publicadas hoje em Jornal Oficial

Novas regras do POSEI publicadas hoje em Jornal Oficial

carne-agriculturaFoi hoje publicada em Jornal Oficial uma Portaria com alterações à legislação do POSEI-Açores que apresenta entre as principais alterações a referente ao Prémio ao Abate de Bovinos, sendo o valor do suplemento atribuído aos bovinos machos abatidos com idade igual ou superior a sete meses e inferior a 12 meses aumentado em 10 euros, passando de 180 para 190 euros.

Para os bovinos machos abatidos com idade igual ou superior a 12 meses mantém-se o valor do suplemento em 220 euros.

Este suplemento é complementar do prémio base, que não sofre alterações, cujo valor é de 75 euros para bovinos (machos e fêmeas) com mais de 30 dias e menos de oito meses e de 105 euros para bovinos (machos e fêmeas) a partir dos oito meses.

Assim, os bovinos machos com idade igual ou superior a oito meses e inferior a 12 meses passam a receber um prémio global de 295 euros, em vez dos anteriores 285 euros.

A Portaria hoje publicada altera também o regime da Ajuda ao Escoamento de Jovens Bovinos nos Açores, passando a existir apenas um escalão para atribuição do suplemento aos bovinos machos com idade igual ou superior a sete meses (anteriormente oito meses) e inferior a 18 meses, sendo o montante desse suplemento fixado em 130 euros.

Este valor representa um aumento de 30 euros relativamente ao anterior 1.º escalão (bovinos machos com idade igual ou superior a oito meses e inferior a 12 meses) e de 10 euros relativamente ao anterior 2.º escalão (bovinos machos com idade igual ou superior a 12 meses e inferior a 18 meses).

A junção dos dois escalões etários é benéfica não só por constituir uma medida de simplificação, mas também por possibilitar ao produtor uma tomada de decisão menos condicionada quanto à idade de expedição dos animais.

Este suplemento é complementar da ajuda base, que não sofre alterações, cujo valor é de 40 euros por cabeça expedida (machos e fêmeas).

Assim, os bovinos machos com idade igual ou superior a sete meses e inferior a 18 meses passam a receber uma ajuda global 170 euros, quando antes recebiam 140 euros se fossem escoados no 1.º escalão e 160 euros se fossem escoados no 2.º escalão.

A redução da idade mínima para atribuição do suplemento em um mês (de oito para sete meses) permite adequar melhor o tipo de animal à procura do mercado.

O aumento da ajuda unitária do suplemento em 10 euros permite fazer face a algumas situações em que, face a limitações alimentares, a opção pelo escoamento de animais em vida se revele a mais viável.

Quanto ao Prémio aos Produtores de Leite, é concedido por ano civil, por exploração e por tonelada de leite objeto de entregas e vendas diretas.

Aos candidatos ao Prémio aos Produtores de Leite em 2016 é atribuída uma produção máxima elegível (PME), correspondente a 95% das entregas e vendas diretas efetuadas em 2015.

Anualmente a quantidade de leite elegível ao prémio corresponderá às entregas e vendas diretas efetuadas no ano n-1, até ao limite da PME detida pelo produtor.

Os produtores podem transferir a sua PME por acordo mútuo entre as partes.

Açores 24Horas /Gacs

 

Comente este artigo
Anterior El sector lácteo, el más sancionable por irregularidades en la cadena alimentaria
Próximo Bruxelas vai destinar verbas específicas para a promoção de produtos agrícolas das RUP ou afetados por dificuldades de mercado

Artigos relacionados

Notícias PAC pós 2020

¡Pintan bastos!


Se puede decir que las negociaciones sobre el Marco Financiero de la UE para el periodo 2021/27 están encalladas y que la previsión existente de alcanzar un acuerdo antes de que acabe este año no se van a cumplir. […]

Cotações ES

Recta final de la campaña en fruta de hueso


Semana sin cambios en los precios de la Lonja del Ebro, donde en fruta de hueso, las pocas existencias que aún cotizan repitieron entre 45 céntimos de euro de la nectarina y 1,40 euros por kilo del melocotón. […]

Nacional

Especialista Xavier Viegas defende fixação de pessoas nas zonas florestais remotas

O professor universitário Domingos Xavier Viegas defendeu hoje, na Lousã, a fixação de pessoas nas zonas florestais remotas, para que o interior possa enfrentar as alterações climáticas e minimizar os riscos de incêndio. […]