Nova PAC é negativa para a Agricultura Familiar, para a pequena e média Agricultura e para a Soberania Alimentar do País

Nova PAC é negativa para a Agricultura Familiar, para a pequena e média Agricultura e para a Soberania Alimentar do País

Não há justiça numa PAC que elimina explorações e arrasa o rendimento dos Agricultores

Considerada como um dos grandes objectivos da Presidência Portuguesa da União Europeia, a ambição da conclusão das negociações da reforma da Política Agrícola Comum (PAC) resulta num mau acordo para a Agricultura Familiar, para a pequena e média Agricultura, para a Produção Nacional e para a Soberania Alimentar do País.

Não adianta escolher palavras sonantes – e demagógicas – ao anunciar o acordo para iludir que não se vai por um caminho de mudança positiva. Na realidade, a “nova” PAC opta por insistir no caminho de favorecimento dos mesmos de sempre e não adopta as reformas necessárias para travar o desaparecimento de explorações agrícolas ou para inverter a degradação do rendimento dos Agricultores, da qualidade da alimentação, do ambiente e a desertificação humana do Mundo Rural.

Ao recusar adoptar mecanismos de regulação dos mercados e da produção e ao insistir na liberalização total dos mercados, a “nova” PAC continua a política de preços baixos à produção, o que leva à insustentabilidade económica das pequenas e médias explorações. Desde que Portugal entrou na União Europeia, 400 mil explorações foram eliminadas, a maioria pequenas e médias e nas zonas de minifúndio, pela PAC e pelas políticas de sucessivos governos nacionais.

Ao mesmo tempo em que se tenta “pintar a PAC de verde”, com a criação de pagamentos ecológicos e outros mecanismos semelhantes, a CNA receia que se possam criar mais assimetrias ao permitir que as grandes e muito grandes explorações, que pouco têm de sustentáveis, recebam ainda mais dinheiro. Para proteger o ambiente e o clima não basta colocar o “visto” numa ou noutra prática isolada, mas sim valorizar os modelos de produção e comercialização, baseados na Agricultura Familiar, nos mercados de proximidade, na aposta na Dieta Mediterrânica, nos sistemas policulturais e respeitadores do bem-estar animal.

Para a CNA, a prioridade da Presidência Portuguesa, e em particular do Ministério da Agricultura e do Governo, deveria ser a defesa do interesse da Produção Nacional, da pequena e média Agricultura e dos muitos milhares de Agricultores familiares do País, pilar estruturante da sustentabilidade económica, social e ambiental do modelo produtivo.

Mas não nos podemos esquecer que já no período de Transição o Governo português deu mais um sinal do caminho que quer continuar a percorrer e foi o único a avançar para a Convergência a 100% (pagamento uniforme por ha nas ajudas directas), uma opção que irá prejudicar principalmente as pequenas e médias explorações do Norte do País e o sector da pecuária. Recorde-se que, de acordo com dados do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral (GPP), caso esta opção se mantenha, em 2022 um diminuto número de explorações com mais de 1000 ha vai passar a receber a mais 9 milhões de euros anuais. Por mais que nos tentem dizer que a PAC será mais justa, o que vai sendo aplicado é injustiça em cima injustiça.

A CNA reclama que o Ministério da Agricultura inverta o caminho traçado e aproveite a margem de manobra que tem na definição do Plano Estratégico para aplicação da PAC Portugal (PEPAC) para valorizar a Agricultura Familiar e as pequenas e médias explorações.

A CNA, sempre com os Agricultores, continuará a sua luta por uma PAC mais justa e solidária, que garanta alimentos seguros à população e rendimentos dignos aos Agricultores, e com uma distribuição justa das ajudas, atribuídas apenas a quem produz.

Em defesa da Produção Nacional e da Soberania Alimentar!

Em defesa dos rendimentos dos Agricultores e do Mundo Rural vivo!

Coimbra, 29 de Junho de 2021

A Direcção da CNA

Comente este artigo
Anterior Live: O pinhal e a Neutralidade carbónica
Próximo IPBeja e ANPOC novamente juntos para promover a Valorização da Produção nacional de Cereais

Artigos relacionados

Dossiers

La Comisión presentará a mediados de diciembre las recomendaciones sobre los planes estratégicos

La Comisión Europea (CE) está ultimando con los Estados miembros las recomendaciones que les presentará para que sus planes estratégicos de la futura Política Agraria Común (PAC) tengan en […]

Nacional

Secretário Regional da Agricultura garante empenho no fortalecimento dos apoios no âmbito do PRORURAL +

O Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural garantiu hoje o empenho do Governo Regional “no fortalecimento de apoios como o PRORURAL +, num espaço de transição entre quadros financeiros plurianuais, mas em […]