Navigator investe em Espanha para ‘fugir’ às restrições ao eucalipto em Portugal

Navigator investe em Espanha para ‘fugir’ às restrições ao eucalipto em Portugal

A Navigator deverá investir em Espanha devido às restrições ao eucalipto em Portugal, à política fiscal atual e à “hostilidade” a “quem quer investir” no país. As declarações são de João Castello Branco, presidente da Semapa e CEO interino da Navigator, que em entrevista ao Expresso revela que a companhia está “ativamente à procura de terras em Espanha para cultivar eucalipto”.

“Investimos mais de 2 mil milhões em Portugal nos últimos 10 anos, no ano passado foram 250 milhões, somos em muita medida o maior investidor industrial deste país (…) Toda a perseguição, todas as dificuldades impostas a quem quer investir neste país, seja pelas restrições ao eucalipto, seja pela política fiscal imposta às empresas, seja o ambiente de crispação e de hostilidade que existe para com os empresários e para quem investe, preocupam-nos”, diz ao semanário.

“Estamos ativamente à procura de terras em Espanha para cultivar eucalipto e para suprir as necessidades que não podemos satisfazer em Portugal. Temos 500 hectares arrendados já em Espanha e dois a três comerciais a angariar hectares adicionais, temos mais 1000 no pipeline”, revela o CEO interino da Navigator. Atualmente, a Navigator importa já “200 milhões de eucalipto” e compra 350 milhões de euros em Portugal.

“Se a política florestal que está em vigor em Portugal continuar não temos outro remédio senão importar mais. Iremos mais para Espanha porque está mais perto e fica mais barato, mas acredito que também continuaremos a ter de incrementar a percentagem que vem da América Latina”, acrescenta. Para além disso, critica “a discussão muito ideológica sobre o tema” dos eucaliptos em Portugal. “A associação que se faz do eucalipto aos incêndios é não factual, 80% da área que ardeu nos últimos anos, segundo o Instituto da Conversação da Natureza e das Florestas não é eucalipto, ardem matos incultos e pinheiro, o eucalipto é a terceira espécie que arde”, conclui.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Famílias angolanas afetadas pela seca vão receber formação agrícola
Próximo Produção mundial de vinho atinge os 292,3 milhões de hectolitros em 2018

Artigos relacionados

Últimas

Agricultores querem garantia de combustíveis para a época alta das colheitas

A Confederação dos Agricultores de Portugal quer que o Governo reveja a lista de postos de abastecimento prioritários, pois “não pode haver portugueses de primeira e de segunda, […]

Últimas

Los corderos alcanzan su nivel más alto en lo que va de año


Un aumento en las ventas vuelven a provocar subidas los corderos, en un mercado donde la falta de animales en el campo continúa siendo la tónica general. […]

Últimas

No Dia de Portugal Macedo de Cavaleiros e Alfândega da Fé percorrem trilhos das cerejas

Os municípios de Macedo de Cavaleiros e Alfândega da Fé voltam a trilhar concelhos em conjunto com a promoção, […]