Não vale a pena multiplicar barragens quando não há água, diz ministro do Ambiente

Não vale a pena multiplicar barragens quando não há água, diz ministro do Ambiente

O ministro do Ambiente avisou hoje que “não vale a pena multiplicar barragens quando não há água”, apontando a reutilização de águas residuais como a solução mais imediata para garantir maior disponibilidade hídrica no Algarve, que está em seca severa.

“Não vale a pena multiplicar barragens quando não há água. Porque é mesmo um problema que não se resolve construindo barragens”, afirmou João Pedro Matos Fernandes durante a apresentação do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve, em Faro.

Em declarações aos jornalistas, à margem da sessão, o governante referiu, em termos de financiamento para o próximo Quadro Comunitário de Apoio, que a utilização de águas residuais tratadas “estará mesmo na linha da frente dos projetos que poderão vir a ser financiados”.

Pelo contrário, referiu o governante, na “taxonomia de financiamento comunitário” não se encontra “a dessalinização ou barragem alguma”, mas, sim, soluções “para a resiliência do abastecimento de água”.

Nesse sentido, João Pedro Matos Fernandes defende a reutilização de águas residuais tratadas para a rega de campos de golfe, o que já acontece em casos pontuais, de espaços verdes públicos ou para a lavagem de ruas.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse acreditar que “faltam muito poucos anos para que a generalidade dos campos de golfe no Algarve venham a ser regados exclusivamente a partir de águas residuais”.

Além da apresentação do plano, a sessão, que decorreu na Universidade do Algarve, incluiu a assinatura de protocolos com os 16 municípios do Algarve, para intervenções prioritárias do plano de eficiência hídrica e de um protocolo entre a Águas do Algarve e a Associação dos Campos de Golfe.

O plano elenca 57 medidas, cuja implementação corresponde a um investimento de 228 milhões de euros, a maioria das quais destinadas ao setor da agricultura, no valor de 79 milhões de euros, embora a componente urbana seja aquela que requer maior investimento (122 milhões de euros).

Durante a apresentação do Plano Regional de Eficiência Hídrica foram apontadas potenciais soluções para reforçar a oferta de água na região, nomeadamente, a captação de água no rio Guadiana, a montante do Pomarão, a dessalinização de água do mar e a construção de uma barragem na ribeira da Foupana, no sotavento algarvio.

A sessão contou ainda com a presença da ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

Comente este artigo
Anterior Clima “severo” e falta de gestão florestal potenciam incêndio em Proença-a-Nova
Próximo Apresentado Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de emprego – Diretor Técnico – Viticultura – Vila Real

A ADVID, associação privada de apoio técnico aos seus associados no âmbito da Inovação, Experimentação e Desenvolvimento (I&E&D) na área […]

Últimas

Água abaixo dos 40% em metade das barragens de todo o País

Metade das barragens do País estavam a menos de 40% da capacidade de água que conseguem armazenar, no último dia do mês de outubro. […]

Dossiers

Coronavirus: Commission announces exceptional measures to support the agri-food sector

The Commission is taking swift action and proposes additional exceptional measures to further support agricultural and food markets most affected. […]