Não eutanasiem…a (centenária) DGAV – Nuno Vieira e Brito

Não eutanasiem…a (centenária) DGAV – Nuno Vieira e Brito

Esta política de bem-estar animal e enquadramento legislativo deveria ser monitorizada através de uma Provedoria do Animal, na dependência orgânica de num ministério ligado à Presidência ou à Justiça.

Neste momento emotivo, na repercussão da tragédia da Agrela, uma reflexão (a mais serena possível) deve ser feita sobre o papel de cada interveniente e respetivas responsabilidades, de forma a que esta nunca mais se repita. Não pretendo ter o saber de julgar ou condenar, mas não posso deixar de manifestar a minha surpresa perante a facilidade na acusação e a incompreensão das estratégias consequentes, imediatistas e pouco sustentadas que, aliás, vão contra as boas práticas nos países que mais se preocupam com os direitos dos animais.

É verdade que muito tem mudado, felizmente, na relação da sociedade com os animais de companhia (e não só), numa dinâmica que os organismos competentes deveriam ter acompanhado, sido preparados e reforçados para uma nova abordagem e intervenção. O abandono não é da responsabilidade da Administração Pública, mas sim de uma sociedade ou comunidade que não está, tantas vezes, preparada para estar comprometida com um animal (não só de estimação, pois o abandono é mais lato). A Administração Pública, neste caso a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), tem como responsabilidade primordial educar, formar, dar condições, assegurar as condições de saúde e bem-estar, fiscalizar…

E a DGAV fiscalizou e interveio, em particular em 2012, mas também posteriormente.

Continue a ler este artigo no Observador.

Comente este artigo
Anterior Declaração de Existência de Suínos - agosto 2020
Próximo Incêndios: Mais de 24.000 hectares arderam nos primeiros sete meses do ano

Artigos relacionados

Últimas

Aquecimento global | Bactérias convertem CO2  em biomassa 

Representação esquemática da E. coli quimio-autotrófica sintética projetada
Em Israel, os investigadores conseguiram transformar a bactéria E. Coli em organismos capazes de metabolizar um dos principais gases com efeito de estufa. […]

Últimas

Combate à praga de jacintos de água cabe ao Ministério do Ambiente, diz Aveiro

O presidente da câmara municipal de Aveiro, Ribau Esteves (PSD-CDS/PP), é categórico no que toca à atribuição de responsabilidades: cabe ao Ministério do Ambiente resolver o problema da praga dos jacintos de água na Pateira do Carregal. […]

Dossiers

Exportações de vinhos portugueses sobem 13% para mais de 200 ME até março

As exportações de vinhos portugueses cresceram 13% no primeiro trimestre, em comparação com o período homólogo, para mais de 200 milhões de euros, segundo dados da ViniPortugal […]