Nanotecnologia pode reduzir uso de agroquímicos

Nanotecnologia pode reduzir uso de agroquímicos

Um grupo formado por oito instituições académicas está a investigar a utilização da micro e da nanotecnologia em produtos de proteção de plantas para reduzir o uso de agroquímicos convencionais. O estudo avalia as potencialidades desses sistemas no controle de pragas em agricultura a partir da avaliação da atividade biológica dos alvos, dos destinos e ainda o potencial de toxicidade para o meio ambiente e seres humanos.

Na pesquisa são utilizadas diferentes técnicas para ‘encapsular’ agentes de controlo, tais como agroquímicos sintéticos e inseticidas ou repelentes de origem natural ou botânica. Também está a ser estudado o uso de fungos e bactérias como agentes biológicos de controlo – todos ‘embalados’ em micropartículas.

O grupo, que inclui sete instituições brasileiras e uma mexicana, é coordenado pelo professor Leonardo Fraceto, do Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba, da Universidade Estadual Paulista (ICTS-Unesp). O projeto, batizado de “Agricultura, micro/nanotecnologia e ambiente: da avaliação dos mecanismos de ação a estudos de transporte e toxicidade”, recebe financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

De acordo com Fraceto, o projeto tem uma grande importância pois “congrega pesquisadores altamente qualificados em diferentes temas de atuação que contribuirão em muito para o desenvolvimento de alternativas mais seguras, já que a equipa propõe alternativas mais sustentáveis para o controle de pragas”. Isso é possível, explica ele, porque o uso de sistemas micro/nanoestruturados aumenta a eficácia biológica de agentes de controlo ao mesmo tempo que minimiza os impactos ambientais ocasionados pelo uso de agrotóxicos.

“A agricultura moderna não pode continuar a basear-se no uso intensivo de fatores de produção que afetam o ambiente. Dessa maneira, investigadores, agricultores e consumidores devem evoluir em prol de uma produção ecológica e economicamente satisfatória. Novas tecnologias devem ser adotadas com o intuito de otimizar a produtividade e paralelamente manter uma base ecológica sustentável. Neste sentido, existe uma busca por práticas mais sustentáveis para atender as premissas do manejo integrado de pragas e doenças na agricultura”, justifica o pesquisador.

Estão a ser estudados diferentes organismos e tipos de sistemas de micro e nanopartículas, entre eles os poliméricos, os lipídicos e os metálicos. Também são analisados diferentes agentes de controlo, tais como compostos sintéticos, naturais e microrganismos.

10 vezes mais eficiente

Um caso de sucesso já comprovado pelo grupo é o sistema de nanopartículas poliméricas transportadoras de atrazina, um herbicida utilizado em milho. Essas formulações alternativas mostraram-se mais eficientes no controle de plantas daninhas do que a convencional, sendo possível reduzir em 10 vezes a dosagem do herbicida sem afetar sua atividade biológica, o que resultou em menor contaminação ambiental.

As formulações com nanopartículas não deixaram resíduos no milho e ainda reduziram a toxicidade da atrazina em células humanas. Esses ensaios foram realizados em ambientes controlados, as chamadas “casas de vegetação”. Por isso agora o próximo passo é a avaliação da eficiência desse produto em condições de campo.

O mercado do controlo biológico cresce em média 15% ao ano em todo o mundo. O desafio, ressalta Leonardo Fraceto, é diminuir a suscetibilidade desses organismos a fatores abióticos quando comparados aos inseticidas convencionais: “A micro (estruturas com tamanho entre 1 e 1000 nm) e mais recentemente a nanotecnologia (estruturas com pelo menos uma dimensão entre 1 e 1.000 nm – 1 nanômetro equivale a 1 bilionésimo do metro) tem apresentado grande potencial para o desenvolvimento de novas formulações com compostos ativos de interesse agrícola”.

Participam do projeto, além da Unesp Sorocaba, a Unesp Jaboticabal, Unicamp, Unesp Ilha Solteira, Uniso, Embrapa Meio Ambiente, Unam (México), UFLA, UEL e Unipampa.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior BCP acorda com Fundo Europeu de Investimento emprestar 900 milhões a PME
Próximo BCP acorda com Fundo Europeu de Investimento emprestar 900 milhões a PME

Artigos relacionados

Nacional

Um biofertilizador desenvolvido na Espanha reduz necessidades vegetais até 60%

Uma empresa da região de Múrcia trabalha para que a indústria agrícola não dependa de fertilizantes à base de nitrogénio sintético. […]

Nacional

Costa destaca avanços na aprovação do instrumento orçamental da zona euro

O primeiro-ministro, António Costa, destacou esta sexta-feira como um momento “particularmente saboroso” do encontro do Conselho Europeu a aprovação das linhas gerais do orçamento para a zona euro. […]

Nacional

Fogo na Sertã em resolução, mas rescaldo vai demorar

De acordo com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, as chamas que lavraram na zona sul do município da Sertã […]