Nações Unidas e Instituto Future Food criam parceria para estimular inovação no sector agrícola e alimentar

O instituto Future Food e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla inglesa) lançaram uma iniciativa conjunta para promover a inovação alimentar no sector da agricultura.

A parceria – que trabalhará em conjunto com profissionais do sector, agricultores, chefes, crianças e jovens – usará a educação, formação e conhecimento para gerar e acelerar impactos sociais, culturais, económicos e ambientais positivos pelo mundo.

Através de eventos e workshops na Europa, Ásia e nos Estados Unidos, o objetivo é chegar a milhares de utilizadores para mitigar a crise climática, com um especial foco na educação.

Para isso, as duas entidades vão usar a plataforma de e-learning (aprendizagem eletrónica) da FAO, abrir escolas de verão para as alterações climáticas já este ano e disponibilizar sessões de formação sobre as alterações climáticas e alimentação.

As escolas de verão – que este ano terão lugar em Nova Iorque, Tóquio e Islândia – incluirão também o desenho colaborativo de estratégicas concretas e inovações para resolver o problema das alterações climáticas e alcançar mais rapidamente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para 2030.

Segundo Sara Roversi, fundadora do instituto Future Food, hoje “enfrentamos desafios culturais, sociais e ambientais”. “O sector agrícola é a primeira vítima desta mudança, mas também um dos responsáveis pela crise.” O instituto é a peça central da rede Future Food, que pretende estimular mudanças positivas no sistema de alimentação global, através de formação (mestrados, escolas de verão, academias de talento jovem, laboratórios para escolas primárias e opções para executivos).

“Esta parceria pretende acelerar mudanças exponenciais positivas. Alcançaremos isso considerando que a inovação no sector agrícola é uma solução-chave para os desafios mais urgentes que estamos a enfrentar”, sublinha José Graziano da Silva, diretor geral da FAO. “A alimentação está no centro desta equação.”

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Norberto Patinho acusa PEV de "alarmismo injustificado" em relação às culturas intensivas no Alentejo
Próximo Terras ao abandono vão pagar IMI mais alto

Artigos relacionados

Últimas

Portugal Ventures investe mais de meio milhão na Agri Marketplace

Em 2018 foi a grande vencedora do Food Accelerator Network Programme (FAN), uma iniciativa do Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia (EIT), […]

Dossiers

Não existe só fogo mau. Existe fogo bom e a natureza agradece.

“Fogo” é uma palavra que traz inevitavelmente más recordações às gentes do Pinhal. No entanto, o Município está desde finais de 2019 a informar […]

Internacional

Researchers double sorghum grain yield to improve food supply

[Fonte: CSHL] Plant scientists at Cold Spring Harbor Laboratory (CSHL) and USDA’s Agricultural Research Service (ARS), in their search for solutions to global food production challenges, […]