Moçambique. Presidente defende aposta na investigação contra febre aftosa

Moçambique. Presidente defende aposta na investigação contra febre aftosa

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, instou esta sexta-feira o Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA) a apostar na investigação científica visando acabar com a febre aftosa que afeta a produção de gado bovino.

“Chamamos a atenção do MASA para investir na investigação, porque, em muitos países, esses problemas [de febre aftosa] já não se registam”, disse Filipe Nyusi. O chefe de Estado falava em Maputo no ato da inauguração da nova sede do MASA.

A febre aftosa afetou “ligeiramente” a produção de carne bovina e suína em Moçambique no ano passado, acrescentou o chefe de Estado. Até finais de julho de 2018, a doença estava presente em alguns distritos de Nampula, Tete, Gaza e Maputo, mas foi depois detetada nos distritos de Panda em Inhambane, Guro e Sussundenga, em Manica.

A circulação do gado bovino em Moçambique depende do afastamento em 50 quilómetros dos locais afetados pela febre aftosa. Na República da África do Sul, a febre aftosa foi reportada no último dia 7 de janeiro na província do Limpopo.

Desde janeiro a esta parte, Moçambique interditou a entrada de carnes e seus produtos de origem sul-africana. As autoridades moçambicanas prometeram reforçar a fiscalização de produtos e subprodutos de origem animal.

A febre aftosa afeta a produção animal, mas não tem repercussões na saúde pública, e é endémica em vários pontos do mundo, nomeadamente no Médio Oriente, África, Ásia e América Central e do Sul.

  1. Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  2. Pode preencher este formulário;
  3. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  4. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  5. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Anterior Sessão sobre “conduzir e operar tratores em segurança”
Próximo Alcoutim e Mértola organizam “Jornadas do Mundo Rural”

Artigos relacionados

Nacional

AgroSemana. Feira Agrícola do Norte recebeu 90 mil visitantes. Maquinaria, agronegócio e muitos políticos

A 7.ª edição da AgroSemana – Feira Agrícola do Norte, que se realizou de 29 de Agosto a 1 de Setembro, […]

Últimas

Proposta do PS: Vamos ter hortas no topo dos edifícios

Cidades mais inteligentes e sustentáveis exigem corredores ecológicos, hortas nos telhados dos prédios e paredes cobertas de verdura, segundo o programa eleitoral do Partido Socialista
O Partido Socialista quer dinamizar a agricultura urbana com a utilização das coberturas dos edifícios das cidades para a produção de produtos hortícolas, […]

Últimas

Quem já disse o quê sobre o salário mínimo nacional?

Qual a meta para o salário mínimo nacional (SMN) em 2020? O valor ainda não se sabe, mas estará prestes a ser conhecido esta quarta-feira. […]