MNE com 41,37 milhões de euros para a Presidência portuguesa da UE

MNE com 41,37 milhões de euros para a Presidência portuguesa da UE

A versão preliminar, a que a Lusa teve hoje acesso, prevê a “transferência para o Ministério dos Negócios Estrangeiros de verbas até ao limite de 41.375.000 euros, inscritas no capítulo 60, para assegurar a Presidência Portuguesa da União Europeia”, que se exerce entre 01 de janeiro e 30 de junho de 2021.

O mapa prevê ainda uma transferência de receitas do Fundo Ambiental de até 500.000 euros para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) “com vista a suportar os encargos com a preparação da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia enquanto Autoridade para a Conservação da Natureza e Florestas”.

A anterior presidência portuguesa do Conselho Europeu, no segundo semestre de 2007, contou com uma dotação de 51,5 milhões de euros distribuída por vários Ministérios, cabendo ao MNE 45 milhões de euros.

O valor então orçamentado foi inferior à estimativa inicial de custos (55 a 60 milhões de euros) e o custo total, segundo relatório divulgado em maio de 2008, acabou por ser de 67 milhões de euros, devido à realização, não prevista nas contas porque só confirmada já no decorrer da presidência, da II Cimeira UE-África, a 08 e 09 de dezembro de 2007 em Lisboa.

O relatório, da estrutura de missão, abrangia as fases de preparação e do exercício da presidência, com pagamentos que se estenderam de 2007 até 2008 e que totalizavam 56,03 milhões de euros, acrescidos de 11,06 milhões gastos na cimeira UE-África.

A versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2021 prevê ainda, para a organização da Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, uma dotação de até três milhões de euros para o MNE e de cinco milhões de euros para a Direção-Geral de Política do Mar.

A Conferência dos Oceanos, coorganizada por Portugal e pelo Quénia, estava prevista para junho passado em Lisboa, mas foi adiada para 2021, em data ainda não anunciada, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19.

Continue a ler este artigo no Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Francisco Castro Rego: Governo tem “alguma dificuldade” em apresentar um “edifício completo” para as florestas
Próximo Faça Chuva Faça Sol - T.4 Ep.27

Artigos relacionados

Últimas

CDS espera que voz de Portugal não “se torne rouca” nas negociações do orçamento comunitário

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, salientou hoje esperar que a voz de Portugal nas negociações do orçamento […]

Dossiers

New CRISPR gene-drive system could crack down on antibiotic resistance in animal agriculture

Taking advantage of powerful advances in CRISPR gene editing, scientists at the University of California San Diego have set their sights on one of […]

Nacional

Gestora do Parque Natural Sintra-Cascais com apoio de 400 mil euros para conservação

A empresa que gere o Parque Natural de Sintra-Cascais vai receber um apoio de 400 mil euros para desenvolver ações de conservação e preservação das áreas florestais, anunciou hoje a Câmara […]