Ministro diz que oposição “fala do que não sabe” sobre redução de bovinos

Ministro diz que oposição “fala do que não sabe” sobre redução de bovinos

[Fonte: Observador]

O ministro do Ambiente e da Transição Energética disse esta quinta-feira que a oposição, que pediu a sua presença no parlamento para abordar a redução da produção de bovinos entre 25 a 50% até 2050, “fala do que não sabe”.

“Fala do que não sabe e faz uma caricatura de um trabalho extraordinariamente importante”, afirmou João Pedro Matos Fernandes, questionado sobre o pedido do PSD, à margem de uma sessão sobre economia circular no Algarve, realizada em Faro.

“Tendo de reduzir as emissões, é no gado bovino que mais facilmente o conseguiremos fazer”, explicou o ministro, sobre a matéria.

O PSD e o CDS pediram na quarta-feira para ouvir no parlamento os ministros do Ambiente e da Agricultura sobre o denominado “roteiro para a neutralidade carbónica em 2050”, o qual defende a redução da produção de bovinos entre 25% a 50%.

O PSD citou a afirmação de João Pedro Matos Fernandes ao jornal Público de terça-feira, segundo a qual “o roteiro do Governo para a neutralidade carbónica em 2050 preconiza mudanças profundas, como a redução da produção de bovinos entre 25 a 50% e o aumento da capacidade de sumidouro da floresta em quatro megatoneladas de dióxido de carbono”, acusando o ministro de “enorme desconhecimento do país e mundo rural”.

O ministro do Ambiente da Transição Energética explicou quinta-feira que o número de efetivos bovinos não tem aumentado e que, na próxima década, até 2030, “não há qualquer expetativa sequer de redução desse mesmo quantificativo”.

Entre 2030 e 2050, prosseguiu, os cenários que estão a ser discutidos “preveem uma redução do número de bovinos que não há de ser muito diferente, se projetar a média dos últimos anos até essa mesma data”.

Matos Fernandes salientou que a mobilidade e a energia elétrica são “os dois principais setores em que mais se tem de fazer para atingir a neutralidade carbónica”, mas que “não pode ninguém ficar de fora”, incluindo o setor agrícola.

A agricultura “tem um papel fundamental na neutralidade”, frisou o governante, porque a redução do volume de emissões terá de ser compensada com o sumidouro de carbono, aumentando a área florestal e reduzindo a área ardida “para metade da média dos últimos anos” em Portugal.

“Estamos a trabalhar para 2050, onde vamos ter mais áreas de cereais, mais pomares e mais hortícolas”, disse Matos Fernandes, antecipando “uma revolução no setor” agrícola, seja no litoral ou no interior do país, com emprego “muito mais qualificado do que existe hoje”.

Para o ministro do Ambiente e da Transição Energética, “a neutralidade carbónica não se consegue com apoios”, mas “com o compromisso de todos os setores económicos e de todos os cidadãos em ter uma economia muito mais eletrificada, um padrão de mobilidade completamente diferente daquele que temos e uma produção elétrica completamente provinda de fontes renováveis”.

Em relação à ida ao parlamento, Matos Fernandes garantiu que “um membro do Governo não tem de se manifestar nem disposto nem indisposto a ir ao parlamento, quando é chamado, vai lá”.

Comente este artigo

O artigo Ministro diz que oposição “fala do que não sabe” sobre redução de bovinos foi publicado originalmente em Observador

Anterior Programas de promoção de produtos agrícolas para 2019
Próximo Governo moçambicano vai expandir programa de desenvolvimento agrícola a todo o país

Artigos relacionados

Últimas

Seca. “É necessário uma reinvenção” na agricultura

[Fonte: Rádio Renascença]

Veja também:

É preciso preparar o futuro na agricultura para se enfrentar as alterações climáticas, defende Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores e Portugal (CAP).
Convidado do programa As Três da Manhã, Oliveira e Sousa admite que “há […]

Nacional

Quercus alerta para falta de plano contra fogos no país

g57dyTSygIWNCokEZV1U

Quercus alerta para falta de plano contra fogos no país

Mais de um quarto dos municípios do país não tem plano contra incêndios. O alerta é da Quercus, que denuncia sobretudo os casos de Alijó a norte, mas também de Pedrógão Grande e Castanheira de Pera. […]

Nacional

Mais de 110 vinhos nacionais apresentados em Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre

[Fonte: Gazeta Rural]

De 8 a 12 de Abril a diversidade e qualidade dos vinhos portugueses vão ser dadas a conhecer junto de profissionais e consumidores de Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. A iniciativa, promovida pela ViniPortugal, reúne uma comitiva de mais de 20 agentes económicos que levarão mais de 110 vinhos criados a partir de 250 castas de origem nacional. […]