Ministra do Agricultura visitou a primeira grande instalação fotovoltaica flutuante em Portugal

Ministra do Agricultura visitou a primeira grande instalação fotovoltaica flutuante em Portugal

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, acompanhada pelo Secretário de Estado da Energia, João Galamba, e pelo presidente da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, José Pedro Salema, visitou na passada sexta-feira, dia 24 de julho, a Central Fotovoltaica Flutuante de Cuba Este, localizada no reservatório com o mesmo nome, e construída no âmbito do Plano Nacional de Regadios.

Esta Central, com uma potência Instalada de 1 MW, ocupa uma área com um hectare e a sua produção está dedicada à estação Elevatória que equipa aquele reservatório. A estação elevatória é atualmente responsável por fazer chegar a água de Alqueva ao bloco de rega de Cuba-Este e será, com a expansão prevista, também a origem de água para o futuro bloco da Vidigueira.

Em declarações à Rádio Campanário, José Pedro Salema destacou que esta é “a primeira grande instalação flutuante em Portugal. São mais 3 mil painéis a flutuar num reservatório, que é uma pequena albufeira, onde temos uma estação elevatória que consome muita energia”. O presidente da EDIA explica que “o que esta Central está a fazer é a alimentar parcialmente, com uma porção muito significativa, da energia que aquela estação necessita, sem perdas de deslocação e minimizando a fatura e o impacto energético daquela estação”.

O dirigente garantiu que aquela Central não coloca em risco o meio ambiente, “muito pelo contrário. A principal critica que fazem às Centrais Fotovoltaicas é exatamente a ocupação de terreno. Quando pomos um painel a flutuar, não ocupamos terreno nenhum, só uma superfície aquática que neste caso não tem outra utilização”, referiu José Pedro Salema.

Já Maria do Céu Albuquerque destaca este grande investimento da EDIA, que “evita a evapotranspiração e cria condições para a produção de energia limpa, minimizando custos e contribuindo para este grande desígnio que todos temos a nível nacional, que é aumentar a produção de energia limpa”.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Campanário.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: "No meio disto tudo, a gente nunca chega a saber quando há uma vingança"
Próximo Governo declara situação de alerta devido a aumento de risco de incêndio rural

Artigos relacionados

Últimas

Incêndios? Temos que “achatar a curva” – João Adrião

Os incêndios visitam-nos em curvas também elas com picos pronunciados. Acontece que, neste caso, vaga após vaga, teimamos em enfrentar o pico de […]

Nacional

Viana do Castelo destruiu 2.554 ninhos de vespa asiática desde 2012

Em declarações à agência Lusa, António Cruz, referiu que aquele número é o que consta da plataforma criada, em 2012, pela corporação da capital do Alto Minho, […]

Últimas

DGAV, para que te quero? – João Niza Ribeiro

A desarticulação da DGAV seria um grave atentado às necessidades da economia da saúde pública nacional e viola os compromissos do Estado com a União Europeia e as regras internacionalmente […]