Mercadona compra 126 milhões de euros a produtores nacionais

Mercadona compra 126 milhões de euros a produtores nacionais

Compras a fornecedores em Portugal superaram a estimativa da cadeia espanhola em 2019. Em quatro anos somam 329 milhões.

A Mercadona comprou no ano passado 126 milhões de euros a fornecedores nacionais. Leite e queijo dos Açores, peixe ou fruta como pera-rocha, maçãs royal gala ou golden foram alguns dos produtos que contribuíram para o crescimento de 43% em relação a 2018.

O valor suplanta a estimativa de 90 milhões feita em julho pelo presidente da Mercadona, Juan Roig, durante a abertura da loja do Canidelo (Vila Nova de Gaia), a primeira da retalhista espanhola em Portugal. Desde que anunciou a entrada em Portugal em 2016, a cadeia comprou 329 milhões a produtores e fornecedores nacionais.

“A maioria – cerca de 90% – do que compramos foi exportado para Espanha para ser vendido na rede de mais de 1600 supermercados. 10% foi adquirido pela Irmadona, a dona das lojas em Portugal”, precisa Elena Aldana, diretora de relações externas.

A cadeia fechou o ano passado com dez supermercados em Portugal, que desde julho foram abrindo nos distritos do Porto, Braga e Aveiro. Neste ano estão previstas dez novas aberturas, com a primeira em 2020 a ocorrer em março em Aveiro, nos terrenos do antigo matadouro municipal. Águeda, Ermesinde, Penafiel, Santo Tirso e Trofa são as localizações já conhecidas, com as aberturas previstas.

Para as lojas nacionais, a cadeia espanhola, com origem em Valência, desenvolveu um sortido de oferta, com cerca de cinco mil referências, dirigido ao consumidor português, depois de meses de estudo no centro de coinovação, em Matosinhos. Esse esforço de adaptação ao gosto local obrigou a selecionar uma série de fornecedores de produtos nacionais, como vinho, leite ou queijo.

Nas lojas em Portugal, o leite é 100% português (e devidamente destacado na embalagem), uma decisão que se insere numa política de apoio aos setores produtores sensíveis, como é o caso do setor leiteiro, justifica a cadeia.

Mercadona - Produção-01

Só nos Açores compraram ao fornecedor Lactaçores manteiga, leite e vários tipos de queijo, como o flamengo ou da ilha, para as lojas de Portugal e Espanha. Em volume de compras, no ano passado foram 127 mil quilos e cerca de 30 mil litros de leite do arquipélago, mas compram igualmente leite no resto do país.

Compras de peixe sobem

Entre os 300 fornecedores portugueses da cadeia de distribuição espanhola há vários na área das frutícolas, como a Cooperfrutas, Frutas Cruzeiro, Patrícia Pilar, Global Fruit ou a Frutitaipina. Só no ano passado compraram 1156 toneladas de pera-rocha; 3794 toneladas de maçã royal gala ou 2351 de maçã golden. Para os supermercados da cadeia seguiram igualmente, da Madeira, 22 toneladas de banana da região.

A Mercadona também recorreu às lotas nacionais para a compra de peixe, de modo a garantir a frescura do produto na loja (“a peixaria é das secções que melhor estão a funcionar em Portugal”). Matosinhos, Aveiro, Peniche, Sesimbra, Olhão, Quarteira e Olhão são as lotas nacionais onde a Mercadona comprou no ano passado 1500 toneladas de peixe. Uma subida de 419% face às 289 toneladas compradas em 2018.

Tudo somado, no ano passado a cadeia viu subir em mais de 40% as suas compras em Portugal, para 126 milhões de euros. O valor mais elevado em quatro anos. Desde 2016, ano em que anunciaram a entrada em Portugal, a sua primeira internacionalização, a Mercadona tem vindo a reforçar as suas compras no país. De um total de 52 milhões em 2016, esse valor aumentou para 63 milhões no ano seguinte, tendo atingido 88 milhões no ano que antecedeu o arranque da operação em Portugal.

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior A Terra e os Homens - Episódio 7
Próximo Fundadora da OliveEmotion leva startup’s e desenvolvimento económico à Conferência Agro-Logística

Artigos relacionados

Últimas

Oferta de emprego – Engenheiro Zootécnico – Santarém

A empresa MANUEL QUERIDO, LDA está a recrutar: […]

Comunicados

WOMB – Cross-Created Ventures

O WOMB não é apenas mais um programa de aceleração ou incubação. É um programa onde a sua equipa vai desafiar o DNA da sua ideia com a perspetiva e visão de outros sectores. […]

Últimas

“Beja Merece Mais” leva reivindicações a Bruxelas. “Esta é a nossa última esperança”

O movimento cívico “Beja Merece Mais” esteve em Bruxelas para levar as suas reivindicações às instituições da União Europeia em quem deposita agora a “última esperança” […]