Mercadona aposta no kiwi português

Mercadona aposta no kiwi português

A Mercadona reforça a sua aposta no sector primário e, em 2018, comprou mais de duas mil e quinhentas toneladas de kiwi verde à empresa portuguesa Kiwi Greensun. A parceria entre a Mercadona e o produtor português de kiwi teve início em 2012 e desde então este produto de origem portuguesa encontra-se actualmente à venda em cerca de 500 lojas da cadeia de supermercados em Espanha.

Para a Mercadona, o trabalho realizado em conjunto com o sector primário permite à empresa criar um projecto comum, fruto do desenvolvimento da Cadeia Agroalimentar Sustentável, baseada na estabilidade, produtividade e diálogo, com o objectivo de promover o crescimento partilhado e sustentável.

Vítor Araújo, presidente da Kiwi Greensun, refere os altos padrões de qualidade da Mercadona. «Conseguindo cumprir com essas exigências, mantemos um nível de qualidade alto». Relativamente ao projecto da Mercadona em Portugal – que se reflete na abertura de 10 lojas no segundo semestre de 2019 – menciona que «seria um orgulho como produtor nacional de referência poder servir as lojas da Mercadona em Portugal». A Kiwi Greensun nasce em 2004 e tem actualmente 360 hectares de kiwis plantados, no Norte de Portugal.

Patrícia Cotrim, directora do Sector Primário e Consumidores da Mercadona em Portugal, reforça a importância da colaboração com o sector primário: «Para nós é muito importante estabelecer relações de transparência, estabilidade e eficiência junto do sector primário. Temos como objectivo conjugar esforços e partilhar conhecimentos que contribuam para a modernização, produtividade e prosperidade em toda a cadeia agroalimentar da Mercadona. Pretendemos assim que os nossos consumidores possam aceder a produtos de fornecedores especializados e de origem cada vez mais local».

A Mercadona em Portugal

A Mercadona abrirá em Portugal 10 lojas, no segundo semestre de 2019. Deste modo, desde que anunciou a entrada em Portugal, a premissa da empresa tem sido sempre: «Em Portugal, somos portugueses». O primeiro grande passo foi a criação da sociedade Irmãdona Supermercados S.A., com domicílio fiscal em Portugal. A empresa tem sede no Porto, onde se situam os escritórios centrais, além dos existentes também em Lisboa.

Também foi iniciada a actividade no Centro de Coinovação, em Matosinhos; um macrolaboratório de ideias de 1.000 m2 que ajuda a equipa da Mercadona a definir, junto dos clientes portugueses, o sortido de produtos em Portugal, totalmente adaptado às necessidades deste mercado. É neste centro que as equipas de trabalho estudam ao detalhe os gostos e hábitos de consumo do “Chefe” português (como a Mercadona denomina os clientes).

A Mercadona está também a construir, em duas parcelas com uma área total de 50.000 m2 na Póvoa de Varzim, um bloco logístico que servirá para o desenvolvimento da actividade logística em Portugal.

Actualmente, a empresa conta com 300 colaboradores portugueses e continua com os processos de selecção de todos os postos inicialmente previstos.

Quadro-resumo dos dados e compromissos para esta primeira fase até 2019

Notícias relacionadas

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Mercadona comprou mais de 2500 toneladas de kiwi nacional em 2018
Próximo CEPAAL: Azeite do Alentejo em degustação na Califórnia

Artigos relacionados

Últimas

DGAV alerta para a inspecção obrigatória de pulverizadores de fitofarmacêuticos

A DGAV — Direcção Geral de Alimentação e Veterinária alerta para obrigatoriedade de inspecção dos equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos de uso profissional, […]

Últimas

Reforço de areia nas praias da Costa de Caparica vai custar 6,3 milhões de euros

O Ministério do Ambiente revelou esta sexta-feira que o reforço de um milhão de metros cúbicos de areia nas praias da Costa de Caparica, […]

Últimas

Açores e República em “sintonia” sobre ajudas aos agricultores

“Existe convergência e sintonia de posição entre os governos dos Açores e da República, por exemplo, quanto à necessidade de a região e de os agricultores açorianos terem o mesmo aumento nas ajudas relativas ao primeiro pilar que os agricultores continentais terão, […]