Mercado de gado de Rates retoma na segunda-feira, mas autarquia está contra

Mercado de gado de Rates retoma na segunda-feira, mas autarquia está contra

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim manifestou-se este domingo “frontalmente contra” a realização do mercado de gado de Rates, suspenso desde o dia 14 devido à pandemia, mas que a promotora Leicar pretende retomar na segunda-feira.

“O mercado não se realiza desde o dia 14 de março, mas a Leicar [Associação de Produtores de Leite e Carne] pretende retomá-lo, já a partir de amanhã [segunda-feira], mesmo contra todas as recomendações e parecer da autoridade local de saúde pública”, refere a câmara em comunicado.

Apesar de já ter alertado “todas as autoridades policiais” para a situação, a autarquia admite ter “dificuldades para efetivar a proibição total do evento” e apela, por isso, à população de S. Pedro de Rates para “tomar as devidas precauções no sentido de se proteger, para a eventualidade de o evento se vir a realizar”.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da direção da Leicar afirmou-se “surpreendido” com esta tomada de posição da autarquia, que diz assentar “completamente em falsos pressupostos”, e garantiu ter autorização da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) para realização do mercado.

“O organismo que tutela a nossa atividade é a DGAV, de cuja subdiretora geral, Graça Mariano, tenho um email a garantir que podemos fazer [o mercado] e que os certificados intracomunitários são emitidos. Ontem mesmo [sábado] estive várias vezes com ela ao telefone, no sentido de que tudo funcionasse com a máxima legalidade”, sustentou Rui Sousa.

“Inclusivamente — acrescentou — temos um pedido da ministra da Agricultura, dada a importância do setor agroalimentar, para que façamos o mercado, como aliás estão a ser feitos em todo o país, nomeadamente em Montemor, em Évora e em Portalegre, que são os mercados mais fortes a nível nacional”.

Recordando que, “nos últimos dias, os animais sofreram uma desvalorização na ordem dos 40% a 50% ao produtor e aumentaram em cerca de 30% ao consumidor, com falta nas prateleiras”, Rui Sousa disse não entender esta posição da autarquia.

E avisa: “Se os circuitos atuais são quebrados, com a atual circunstância poderemos ter aqui graves problemas no abastecimento às famílias. Este mercado, a deixar de funcionar totalmente, terá um enorme impacto”.

À Lusa, o presidente da Leicar disse agora “não saber o que fazer, nem a quem obedecer”, lamentando que “toda a gente se aproveite do caos para mandar”.

“Temos pena que a câmara não nos tivesse questionado sobre os moldes em que íamos fazer isto. Houve o pressuposto de que seria um evento público e com grandes aglomerados, o que é falso. Isto é uma entidade privada, que tem uma atividade económica que funciona dentro da legalidade e sempre enquadrada com quem rege a nossa atividade, que é a DGAV”, garante.

Confrontado com o argumento camarário de que o evento “reúne mais de 300 pessoas e animais”, Rui Sousa garante que, em condições normais, o mercado do gado de Rates “nunca tem mais do que 50 pessoas, entre compradores e vendedores”, sendo os restantes elementos presentes apenas “curiosos”.

Contudo, ressalva, nos moldes em que se pretende que agora decorra o mercado, a entrada destes “curiosos” estará “completamente vedada”, devendo participar “apenas algumas dezenas de pessoas, eventualmente entre uma a duas dezenas ao longo do dia”, e “em instalações amplas e devidamente adequadas”.

Para a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, está contudo em causa “o bem da população e da saúde pública”, não se coadunando a realização do mercado de gado com a fase de mitigação da pandemia de Covid-19, em que “mais do que nunca é importante garantir o isolamento social das populações, de forma a evitar a propagação descontrolada do vírus”.

Neste contexto, a autarquia considera que, “tanto pelo número de pessoas que reúne, como pelo facto de grande parte dos participantes serem de outros concelhos e, até mesmo de outros países, nomeadamente Espanha”, a retoma do mercado vai “contra as recomendações da Direção-Geral de Saúde”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Notícias.

Anterior Cooperativas deja claro que hay que repensar la PAC porque “con otro modelo agrícola no hubiera habido esta respuesta”
Próximo Mercado de Gado da Leicar. Ministra da Agricultura: “Cabe à Protecção Civil a adopção de medidas para o cumprimento do estado de emergência”

Artigos relacionados

Nacional

Já arderam mais de 41 mil hectares em Portugal este ano

O Governo prolongou o período crítico de incêndios até 10 de outubro, devido à previsão de tempo seco e quente. […]

Últimas

Oliveira do Bairro destruiu 90 ninhos de vespa asiática desde o início do ano

“Praticamente todas as semanas temos identificado ou recebido informação dos nossos munícipes sobre potenciais novos casos de ninhos da vespa velutina, […]

Últimas

Dia Mundial do Leite Escolar – 25 de setembro de 2019

Celebrar o Dia Mundial do Leite Escolar oferece a oportunidade das escolas de todo o país lembrarem os benefícios do leite para a saúde das crianças em idade escolar. […]