Menor produção forrageira. Prados e pastagens de sequeiro estão secos

Menor produção forrageira. Prados e pastagens de sequeiro estão secos

“Os prados e pastagens de sequeiro estão secos, não tendo a escassa precipitação de Setembro sido suficiente para reiniciar o seu ciclo vegetativo”, dizem os técnicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2019.

Acrescenta o INE que os agostadouros também já se encontram esgotados, sendo que as necessidades alimentares dos efectivos das explorações de regime de produção extensivo estão a ser supridas com recurso a forragens conservadas, palhas e silagens.

A produção forrageira desta campanha foi inferior, estimando-se uma diminuição de 20%, face a um ano normal.

Setembro quente e seco

O mês de Setembro caracterizou-se, em termos meteorológicos, como quente e seco. Na primeira quinzena, e na sequência dos dias quentes de final de Agosto, verificou-se uma onda de calor em diversos locais da região Sul do País.

Quanto à precipitação, o valor registado, 19,8mm, corresponde a menos de metade da normal mensal 1971- -2000 (42,1mm), tendo-se observado precipitação superior a 1mm em apenas três dias (16, 17 e 21).

No final de Setembro, e de acordo com o índice meteorológico de seca PDSI, todo o território continental encontrava-se em situação de seca meteorológica, sendo que as classes mais intensas (extrema e severa) estendiam-se por 36,1% do continente (34,9% em Agosto), correspondendo a quase todas as regiões a sul do rio Tejo.

O teor de água no solo, em relação à capacidade de água utilizável pelas plantas, continuou com valores muito próximos do ponto de emurchecimento permanente, em particular nas regiões do interior Norte e Centro, Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

Reservas hídricas

Quanto às reservas hídricas, o volume de água armazenado nas albufeiras de Portugal continental encontrava-se nos 57% da capacidade total, inferior ao valor registado no final do mês anterior (61%) e ao valor médio de 64% (1990/91-2017/18).

Estas condições meteorológicas e hidrológicas, diz o Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – Outubro de 2019, permitiram a realização da maioria dos trabalhos agrícolas normais da época, nomeadamente as vindimas e as colheitas da fruta e do tomate para a indústria.

No entanto, os baixos teores de humidade do solo condicionaram os trabalhos de preparação dos solos para a instalação das culturas outono/invernais de sequeiro, uma vez que não permitem a mobilização em condições agronomicamente adequadas.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Consumidores querem marcas sustentáveis
Próximo Territórios: gerir o declínio, promover a diferença ou alimentar a demagogia? - Manuel Brandão Alves

Artigos relacionados

Cotações PT

Cotações – Azeite – Informação Semanal – 6 a 12 Julho 2020

Espanha, o maior produtor mundial de azeite, é o primeiro destino de exportação do azeite português e Portugal é o terceiro destino de […]

Últimas

Açores querem revisão da PAC pós 2020 participada, transparente e construtiva

O secretário Regional da Agricultura e Florestas dos Açores afirmou hoje, 8 de Janeiro, que o objectivo da Comissão de Acompanhamento da Revisão para a Política Agrícola Comum (PAC) no período 2021/2027 é […]

Eventos

Associação de produtores de fumeiro de Montalegre desenvolve 4º encontro de produtores – 23 de Novembro 2017 – Montalegre

Será no próximo dia 23 de Novembro, pelas 10h00, no Pavilhão Multiusos de Montalegre, que irá acontecer o 4º Encontro de Produtores, destinado a promover a cooperação e coopetição empresarial, no âmbito da execução do projeto Fumeiro de Montalegre