Mel Biológico do Parque de Montesinho é uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal

Mel Biológico do Parque de Montesinho é uma das 7 Maravilhas Doces de Portugal

Produto de sabor e aroma característicos do nordeste transmontano foi eleito no último sábado, 7 de setembro, em Montemor-o-Velho.

O Mel do Parque de Montesinho, com Denominação de Origem Protegida (DOP), é elaborado a partir do néctar das flores que fazem parte da flora característica da região, em que predomina a urze e o castanheiro.

O Mel do Parque de Montesinho é produzido a uma altitude máxima de 1475 metros, na Serra de Montesinho. Caracteriza-se por um sabor forte, persistente e harmonioso, no equilíbrio entre o doce, o amargo e o salgado. Distingue-se por apresentar um perfil de aromas complexo com expressões florais e frutadas, acompanhadas de madeiras secas e um caramelo suave, que prende os aromas e permite que estes persistam após a degustação.

Estas características valeram-se um lugar nas 7 Maravilhas Doces de Portugal,  eleitas no último dia  7 de setembro, depois de vários meses de votações.

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior XVII Feira Agropecuária Transfronteiriça de Vale do Poço vai acontecer este fim de semana
Próximo Las CCAA solo tienen 9 días para definir el pasto exento de obligación de pago verde por los daños de la sequía

Artigos relacionados

Comunicados

Corpo Nacional de Agentes Florestais do Parque da Peneda-Gerês reforçado com 50 elementos

O Ministério do Ambiente e Ação Climática anuncia que abrirá, amanhã, 27 de março, o concurso para a contratação definitiva de 50 elementos para o […]

Últimas

Produtores portugueses já podem exportar bovinos para o Qatar

O Gabinete da Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, informa que os produtores portugueses já podem exportar bovinos para o Qatar, […]

Nacional

Incêndios. Governo aposta na Cultura para alterar comportamentos de risco

O projeto “Não brinques com o fogo” visa, através das artes, sensibilizar as populações para a necessidade de mudar comportamentos que possam originar fogos e promover a proteção dos territórios. […]