Mais uma vez o Governo discrimina os sistemas da Agricultura Familiar com decisão sobre os apoios Agroambientais do PDR2020

Mais uma vez o Governo discrimina os sistemas da Agricultura Familiar com decisão sobre os apoios Agroambientais do PDR2020

O Ministério da Agricultura decidiu, finalmente, como vão ser os apoios agroambientais no próximo ano.

Em ofício enviado à CNA a Ministra da Agricultura afirma que, devido à elevada taxa de compromisso do programa, em 2020, os agricultores só poderão candidatar-se a uma única medida/operação.

Por exemplo, uma exploração em que predomine a policultura, com 5 ha e que detenha olival tradicional e raças autóctones, fica impedida de manter o apoio para estas duas produções, mas já uma exploração com 500 ha de monocultura de olival super-intensivo em modo de produção integrado, poderá manter os níveis de apoio.

A Ministra afirma ainda que, também devido a razões financeiras em 2020, “…não serão aprovados novos projectos em situação de overbooking, em grande parte das medidas do PDR…”, sem especificar quais.

É importante referir que o PDR2020 tem uma componente de financiamento europeu e uma componente nacional. A componente nacional situa-se actualmente em 19% da dotação global do programa e, desde 2016, está decidido (Resolução do Conselho de Ministros n.º 84-H/2016), que nos anos 2020 e seguintes a comparticipação nacional aumentaria para 23%, ainda assim abaixo da taxa de co- financiamento do programa em vigor em 2011. Acresce que está previsto que para o próximo Quadro de Programação a comparticipação mínima nacional aumente para 30%.

A CNA considera que a decisão agora tomada é errada, e que a única razão objectiva para a tomar é orçamental e visa o controlo do défice, contra os interesses da Agricultura Familiar e de uma alimentação de proximidade. É errada porque prejudica a agricultura familiar, normalmente pluri-sectorial, é errada porque congela o apoio ao investimento na agricultura, é errada porque ao não reforçar o PDR2020 mantém os pesados cortes nos apoios dedicados à manutenção da actividade agrícola em zonas desfavorecidas, é ainda errado pelo facto de manter e reiterar as mordomias aos mesmos de sempre.

Referir ainda que, se tiver vontade política, o Governo tem sempre a opção de plafonar e modular fortemente as ajudas, por forma a que quem menos recebe não seja ainda mais prejudicado. Acresce que a decisão agora assumida, nem sequer está em linha com o programa do Governo. Não pode ao mesmo tempo propagandear uma política centrada nas questões ambientais e ao mesmo tempo cortar nas medidas que na agricultura maiores benefícios trazem à preservação do meio ambiente, que são sem dúvida as dedicadas às zonas desfavorecidas e às agroambientais.

Assim, a CNA reclama:

  • A antecipação da comparticipação nacional do PDR2020 para 30% já em 2020, uma decisão nacional, já que os regulamentos comunitários o permitem;
  • O reforço financeiro das Medidas à manutenção da actividade agrícola em zonas desfavorecidas, de forma a garantir que a ajuda é paga na totalidade;
  • A manutenção dos apoios agroambientais para as explorações familiares. (A alterar estas medidas será no sentido de aplicar tectos máximos por beneficiário e não limitar as medidas);
  • A manutenção do apoio ao investimento, com agilização e simplificação dos processos, nomeadamente para as explorações de menor dimensão.

Todas estas medidas que a CNA reclama estão em consonância com o consagrado no Decreto-Lei do Estatuto da Agricultura Familiar, mecanismo cuja operacionalização tarda e deve ser concretizada já em 2020, exigindo-se para isso uma dotação específica no próximo Orçamento do Estado.

Comente este artigo
Anterior Agricultura de Conservação na preservação do solo e as ações da Syngenta
Próximo Sistema Tessior®, produto que permite proteger a vinha contra as doenças do lenho da videira (DLV)

Artigos relacionados

Nacional

Desejos de um próspero 2017…

…com preços altos, boas colheitas, ajudas da PAC transferidas a tempo e horas,  muitos projetos analisados e pagos, e boas notícias, […]

Nacional

Recenseamento Agrícola 2019 começa este mês

Os trabalhos de recolha de dados do Recenseamento Agrícola 2019 vão ter início no próximo dia 25 de outubro, junto das explorações agrícolas existentes, […]

Últimas

Batida à raposa em Quiaios. Nem os caçadores caçaram, nem os manifestantes protestaram

“Correu tudo sem incidentes, de forma ordeira e sem confrontos. [Os manifestantes] só falaram com a GNR, foi mais uma sessão de esclarecimento das suas posições”, […]