Mais de 1.200 animais já assistidos ou medicados após incêndios

Mais de 1.200 animais já assistidos ou medicados após incêndios

Em comunicado, a cooperativa refere que, além das 64 pessoas que morreram e dos mais de 200 feridos, estes incêndios atingiram “outros bens materiais e animais, deixando muitas pessoas sem qualquer meio de subsistência”.

“Para além dos bens materiais e dos animais que morreram (estima-se cerca de 1.200), ficaram cerca de 2.500 animais, na sua maioria pequenos ruminantes (ovinos e caprinos), feridos e carentes de cuidados médicos capazes de os salvar ou de lhes diminuir o sofrimento provocado pelos ferimentos causados pelo fogo”, explica.

Nesse âmbito, a cooperativa “desde o primeiro momento se empenhou, num gesto solidário, em levar a cabo esta tarefa gigantesca de, num cenário dantesco, ajudar todos aqueles que, dentro das possibilidades, puder”.

Graças aos veterinários que voluntariamente se reuniram à cooperativa e também à Direção Regional da Ordem dos Médicos Veterinários do Centro, que facultou “todos os medicamentos necessários”, foram visitadas até terça-feira cerca de 350 explorações.

No total, foram “acompanhados e/ou medicados cerca de 1.200 animais que, mesmo depois desta primeira intervenção, continuarão por um longo período de tempo carentes de cuidados médicos e de vigilância”, sublinha.

Através de donativos que tem recebido, a cooperativa conseguiu reunir “cerca de 80 toneladas de ração e 50 toneladas de feno, fenossilagem e palha enfardada” que, através de pontos de distribuição criados, conseguiram “satisfazer as primeiras necessidades dos animais atingidos”.

“De forma a garantir que as primeiras necessidades chegarão a todos e a evitar apropriações excessivas, foi criado o critério de distribuição (para ovinos e caprinos) de 500 gramas de ração e dois quilos de feno/animal/dia, por um período máximo de cinco dias de cada vez”, explica.

A cooperativa agradece a generosidade da Ordem dos Médicos Veterinários, de empresas produtoras e distribuidoras de alimentos compostos para animais, de cooperativas, associações e federações e de pessoas singulares que permitiu, “até agora, satisfazer as necessidades sentidas”.

“No entanto, e como só na próxima primavera poderá haver pastagens disponíveis, estimamos que serão necessárias cerca de 1.350 toneladas de feno e 400 toneladas de ração para colmatar as necessidades ao longo deste período de tempo”, avisa.

Por isso, a cooperativa continuará a tentar conseguir alimentos e outras ajudas, lamentando que, até hoje, não tenha recebido “qualquer contacto de apoio por parte do Governo, nomeadamente do Ministério da Agricultura”.

Comente este artigo
Anterior Quercus preocupada com poluição das linhas de água
Próximo Costa desafiado a acudir à floresta portuguesa como se fosse um banco a precisar de resgate”

Artigos relacionados

Últimas

Seca antecipa fecho da campanha de rega no perímetro do Caia, no Alentejo

[Fonte: Sic Noticias]
O fim da atual campanha de rega no perímetro do Caia, em Elvas (Portalegre), foi antecipado para 15 de outubro e os agricultores não vão poder regar no outono/inverno, devido à seca, mas o abastecimento às populações está assegurado.

A decisão foi tomada pela Associação de Beneficiários do Caia face à diminuição das reservas hídricas naquela barragem alentejana, […]

Últimas

Turismo domina investimentos com apoios europeus nos territórios de baixa densidade do Norte

[Fonte: ECO]
Os projetos de alojamento e restauração representam o maior volume de investimento apoiado por fundos europeus nos concelhos de baixa densidade do Norte. Em causa estão 129 milhões de euros de investimento elegível, ao longo de dez anos (2007-2017), […]

Nacional

ISQ criou dispositivo móvel de realidade virtual para manutenção aeronáutica

[Fonte: Dinheiro Vivo – empresas]
O Ministério da Economia, a Cotec e o IAPMEI apresentam esta terça-feira a segunda fase do Programa Indústria 4.0, através da qual chegarão, nos próximos dois anos, 600 milhões de euros de apoios às empresas para promover a transformação digital. […]