MAI elogia “cumprimento rigoroso” do modelo de combate em Vila de Rei e Mação

MAI elogia “cumprimento rigoroso” do modelo de combate em Vila de Rei e Mação

“Houve um cumprimento rigoroso [nos incêndios que começaram no sábado na região Centro] daquelas que são as orientações estratégicas definidas no modelo de combate aos incêndios rurais: prioridade absoluta à salvaguarda da vida humana, à salvaguarda das populações, das aldeias, das zonas residenciais”, afirmou Eduardo Cabrita, em Cardigos, Mação, no distrito de Santarém.

O governante, que visitou hoje o posto de comando de Cardigos, na sequência do incêndio que começou no sábado em Vila de Rei, distrito de Castelo Branco, e que depois alastrou a Mação, adiantou que a “prioridade absoluta” é a coordenação de esforços na mobilização para o combate.

Eduardo Cabrita manifestou ainda “toda a solidariedade” às populações mais diretamente atingidas nos concelhos de Sertã e de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, e de Mação.

O ministro sustentou que as alterações climáticas e a característica da floresta portuguesa “exigem uma resposta que já está a ser dada com os mecanismos da reforma da floresta e com a adaptação dos planos diretores municipais a planos regionais de ordenamento da floresta.

“Estes colocarão, também num quadro de responsabilidade partilhada e descentralizada na mão dos municípios, uma palavra decisiva sob o modelo de ordenamento da sua floresta. Esse é um trabalho de fundo que já está a ser feito e que nos permitirá seguir um caminho que estamos já a ter”, frisou.

Segundo este responsável, nos últimos 10 anos, o país registou uma média de 20 mil incêndios por ano.

“Foi essa a média entre 2009 e 2018. Em 2018, conseguimos ter apenas cerca de 12.200 incêndios florestais, quase metade, apenas, daquilo que se verificou nos 10 anos anteriores e uma significativa redução da área ardida. É nesse trabalho que temos que prosseguir”, afirmou.

Depois de sublinhar que ainda é muito cedo para fazer balanços sobre este incêndio, Eduardo Cabrita sublinhou que decisões como as que foram tomadas recentemente na Assembleia da República, para alargar a todo o país o cadastro florestal “são decisivas”.

“Uma gestão da floresta integrada com escala é fundamental para a prevenção. Julgo que o combate demonstrou, mais uma vez, uma capacidade de responder às suas prioridades estratégicas”, concluiu.

(Notícia atualizada às 17:11)

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior Cotações – Cereais Outono-Inverno – Informação Semanal – 15 a 21 Julho 2019
Próximo ANAC culpa HeliPortugal por atraso na autorização de voo dos helicópteros Kamov

Artigos relacionados

Últimas

Governo elogia investimento de 50 milhões de euros em produção de amêndoa no Fundão e Idanha-a-Nova

O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural disse hoje que o projeto de produção de amêndoa que está em curso nos concelhos do Fundão e de Idanha-a-Nova é “de grande dimensão” […]

Nacional

Recenseamento Agrícola em Portugal em 2019

Durante o próximo ano, vai ser realizado em Portugal o Recenseamento Agrícola 2019. Esta operação censitária decorre de dez em dez anos, […]

Últimas

Bispo de Portalegre espera que barragem do Pisão não demore “mais sessenta anos” a construir

D. Antonino Dias considera que as comemorações do 10 de junho em Portalegre ajudaram à decisão do governo em construir a barragem do Pisão, […]