MAI elogia “cumprimento rigoroso” do modelo de combate em Vila de Rei e Mação

MAI elogia “cumprimento rigoroso” do modelo de combate em Vila de Rei e Mação

“Houve um cumprimento rigoroso [nos incêndios que começaram no sábado na região Centro] daquelas que são as orientações estratégicas definidas no modelo de combate aos incêndios rurais: prioridade absoluta à salvaguarda da vida humana, à salvaguarda das populações, das aldeias, das zonas residenciais”, afirmou Eduardo Cabrita, em Cardigos, Mação, no distrito de Santarém.

O governante, que visitou hoje o posto de comando de Cardigos, na sequência do incêndio que começou no sábado em Vila de Rei, distrito de Castelo Branco, e que depois alastrou a Mação, adiantou que a “prioridade absoluta” é a coordenação de esforços na mobilização para o combate.

Eduardo Cabrita manifestou ainda “toda a solidariedade” às populações mais diretamente atingidas nos concelhos de Sertã e de Vila de Rei, no distrito de Castelo Branco, e de Mação.

O ministro sustentou que as alterações climáticas e a característica da floresta portuguesa “exigem uma resposta que já está a ser dada com os mecanismos da reforma da floresta e com a adaptação dos planos diretores municipais a planos regionais de ordenamento da floresta.

“Estes colocarão, também num quadro de responsabilidade partilhada e descentralizada na mão dos municípios, uma palavra decisiva sob o modelo de ordenamento da sua floresta. Esse é um trabalho de fundo que já está a ser feito e que nos permitirá seguir um caminho que estamos já a ter”, frisou.

Segundo este responsável, nos últimos 10 anos, o país registou uma média de 20 mil incêndios por ano.

“Foi essa a média entre 2009 e 2018. Em 2018, conseguimos ter apenas cerca de 12.200 incêndios florestais, quase metade, apenas, daquilo que se verificou nos 10 anos anteriores e uma significativa redução da área ardida. É nesse trabalho que temos que prosseguir”, afirmou.

Depois de sublinhar que ainda é muito cedo para fazer balanços sobre este incêndio, Eduardo Cabrita sublinhou que decisões como as que foram tomadas recentemente na Assembleia da República, para alargar a todo o país o cadastro florestal “são decisivas”.

“Uma gestão da floresta integrada com escala é fundamental para a prevenção. Julgo que o combate demonstrou, mais uma vez, uma capacidade de responder às suas prioridades estratégicas”, concluiu.

(Notícia atualizada às 17:11)

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Cereais Outono-Inverno – Informação Semanal – 15 a 21 Julho 2019
Próximo ANAC culpa HeliPortugal por atraso na autorização de voo dos helicópteros Kamov

Artigos relacionados

Eventos

A Agricultura para lá da COVID-19 – Uma nova globalização? – 4 de maio

Dia 4 de maio, próxima segunda-feira, pelas 16h, participe na 3ª conferência online subordinada ao tema “Uma nova globalização?” […]

Nacional

Sector hortofrutícola reúne-se na Fruit Logistica

Segundo a entidade organizadora da Fruit Logistica, a Messe Berlin, em 2020 o evento vai bater o recorde de expositores atingido na edição anterior: um total de 3.276, […]

Nacional

Há uma bactéria mortal que pode fazer aumentar o preço do azeite

A Xylella fastidiosa foi descoberta pela primeira vez na Europa em 2013, na região da Apúlia em Itália, e é uma bactéria que causa doenças […]