MAI diz que Portugal é parceiro ativo na construção do Mecanismo Europeu de Proteção Civil

MAI diz que Portugal é parceiro ativo na construção do Mecanismo Europeu de Proteção Civil

“Portugal já tem módulos registados na Reserva Europeia de Proteção Civil” e a possibilidade de prestação de ajuda internacional “não está dependente da criação de capacidades ‘rescEU’”, afirma o Ministério num comunicado divulgado hoje.

O esclarecimento do MAI surge após declarações do eurodeputado do PSD Paulo Rangel, que questionou a ausência de Portugal do’rescEU, perguntando à Comissão Europeia quais os argumentos apresentados pelo Governo.

O MAI contrapõe que Portugal é um parceiro ativo na construção do novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil, como tem afirmado o Comissário Europeu Christos Stylianides, nomeadamente na deslocação que fez a Portugal, em agosto passado.

Assim – sublinha o MAI – Portugal, tal como os restantes países da União Europeia, está a participar nas três `task teams´ constituídas ao nível da Comissão Europeia para planear e identificar tipologias de meios a incluir no ‘rescEU’, para as três áreas de intervenção consideradas como prioritárias: Emergência Médica, Combate a Incêndios Florestais d Incidentes envolvendo agentes Nucleares, Radiológicos, Biológicos e/ou Químicos (NRBQ).

O MAI indica que o ‘rescEU’ está, assim, numa fase intermédia de implementação e que os únicos meios previstos dizem respeito a uma fase específica de transição prevista na legislação, prendendo-se apenas com meios aéreos de combate a incêndios florestais próprios dos Estados membros.

“Recorde-se que, em Portugal, decorre uma fase de transição dos meios aéreos para a Força Aérea, a qual envolverá a definição dos meios próprios e locados que poderão ser afetos ao Mecanismo” Europeu de Proteção Civil, acrescenta o comunicado.

O MAI assinala que, neste momento, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil tem em fase final de certificação cinco módulos de intervenção da GNR em operações de busca e salvamento e combate a incêndios e que está já certificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) o módulo de emergência médica do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que se encontra registado na Reserva Europeia, “estatuto mediante o qual levou a efeito a sua recente intervenção em Moçambique”.

Assim, afirma o MAI, a participação de Portugal no âmbito do mecanismo é efetiva, como aconteceu com o apoio prestado à Suécia, no ano passado, com o envio de meios aéreos de combate a incêndios, ou a Moçambique, já este ano, após o ciclone Idai.

O grupo parlamentar do PSD declarou que “foi com surpresa e choque” que teve conhecimento na segunda-feira, através da imprensa, “de que Portugal se teria posto de fora da chamada «fase de transição» do ‘RescEU’, quando é evidente que a capacidade de prevenção e resposta de Portugal é frágil e insuficiente”.

Na pergunta com caráter prioritário enviada à Comissão Europeia, e em particular ao comissário responsável pela Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, o líder da delegação do PSD, Paulo Rangel, começa por questionar Bruxelas se é efetivamente verdade que Portugal não participa na “fase de transição”, que se prolonga até 2025, “e, em caso afirmativo, que argumentos aduziu o Governo português para não participar”.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Jovens Agricultores têm novos apoios disponíveis
Próximo Produtores podem receber até 7 mil euros em 3 anos com novo apoio à agricultura familiar

Artigos relacionados

Candidaturas e pagamentos

PDR2020: Instalação de Painéis Fotovoltaicos – Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

Operação 3.3.2 – Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas | Instalação de Painéis Fotovoltaicos (3º Anúncio) […]

LIVE

Live-stream: A Pecuária Extensiva Face aos Novos Desafios da PAC

Webinar sobre “A Pecuária Extensiva face aos novos desafios da PAC” junta ministros da agricultura dos dois lados da fronteira […]

Últimas

Batata nacional chega pela primeira vez aos consumidores com selo Miss Tata

Marca coletiva Miss Tata estará visível nos sacos de batata dos produtores associados da Porbatata, que lança campanha de promoção nacional no arranque da época de colheita. Em parceria […]