Lucro da Bayer caiu 40,1%para 1.645 milhões de euros

Lucro da Bayer caiu 40,1%para 1.645 milhões de euros

O grupo químico e farmacêutico alemão Bayer viu cair em 40,1% o lucro líquido atribuído no primeiro semestre do ano, para 1.645 milhões de euros, informou a empresa.

Segundo a farmacêutica alemã, a faturação subiu entre janeiro e junho 31,6%, para 24,5 milhões de euros, tendo em conta a compra da Monsanto e o crescimento na área dos medicamentos com receita e na divisão de medicamentos de venda livre, assim como nos suplementos alimentares e nos produtos para o cuidado do corpo.

No entanto, o volume de negócios diminuiu na divisão de produtos fitossanitários e para a agricultura devido às más condições climatéricas, com inundações e fortes chuvas na parte centro-oeste dos Estados Unidos e seca em algumas partes da Europa e do Canadá.

As disputas comerciais também tiveram um efeito negativo na faturação.

O lucro operacional caiu 21,3% no primeiro semestre, para 2.876 milhões de euros.

A Bayer teve neste período gastos extraordinárias 1.909 milhões de euros (440 milhões a menos do que um ano antes) devido à integração do fabricante de transgénicos norte-americano Monsanto, aos custos de reestruturação e ao desinvestimento dos produtos para os pés da Dr. Scholl’s.

O grupo alemão, que criou um comité no conselho de supervisão para seguir os procedimentos legais para o glifosato e é aconselhada por conhecidos advogados americanos, enfrenta agora 18.400 processos nos Estados Unidos, 5.000 a mais do que no primeiro trimestre.

Até agora, três tribunais condenaram a Bayer a pagar uma indemnização por considerar que o glifosato, que é o composto do herbicida contra as ervas daninhas RoundUp, da Monsanto, é cancerígeno.

Posteriormente, vários juízes reduziram a indemnização estabelecida pelos tribunais do júri.

No entanto, a Bayer reitera no balancete que está convencida de ter bons argumentos para se defender contra as acusações, apresentou recursos e trabalha de forma construtiva nos processos de mediação estabelecidos por um juiz federal na Califórnia.

O grupo indicou que pretende recorrer para contestar o princípio da responsabilidade, sublinhando, há meses, que nenhum regulador do mundo concluiu que o glifosato era perigoso desde que foi introduzido no mercado, em meados dos anos 1970.

A empresa confirmou as suas previsões para 2019 e espera uma faturação de 46.000 milhões de euros, 4% a mais que em 2018.

Estas previsões não incluem os planos para se afastar dos produtos de cuidados com animais, a venda de cremes de proteção solar Coppertone e o dos produtos de cuidados com os pés da Dr. Scholl, bem como o desinvestimento de 60% da empresa alemã de serviços Currenta.

O artigo foi publicado originalmente em Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Suínos – Informação Semanal – 22 a 28 Julho 2019
Próximo Programa VITIS arranca mais cedo

Artigos relacionados

Nacional

Vila Nova de Cerveira destruiu 135 ninhos de vespa asiática desde o início do ano

O serviço de Proteção Civil de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, através da equipa de sapadores florestais, […]

Últimas

Verão quente de 2019: Portugal vai ser varrido por ondas de calor com mais de 43 graus e fogos florestais

Bombeiros combatem um incêndio nas arribas da Foz do Arelho, Caldas da Rainha, 15 de outubro de 2017. CARLOS BARROSO/LUSA

Falta um mês para o verão começar, […]

Últimas

Are You Ready for the Truth About Antibiotic Use? The Evidence Is In.

For several years, an area of focus for those of us involved in farm animal care has been a commitment to the responsible use of antibiotics. Some […]