Limpeza de terrenos florestais tem de estar concluída até 31 de março

Limpeza de terrenos florestais tem de estar concluída até 31 de março

[Fonte: RR Renascença] A limpeza tem de ser feita numa faixa entre 10 e 50 metros, estendendo-se aos 100 perto de habitações e zonas industriais. Numa segunda fase, avança a fiscalização da limpeza nas redes viária, ferroviária e linhas de energia elétrica.

O Governo dá até 31 de março para que os proprietários procedam à limpeza dos terrenos florestais. O prazo é revelado à Renascença pelo secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, nesta quarta-feira, dia em que é conhecido o mapa das freguesias prioritárias para a limpeza de combustível.

Passada esta fase de remoção dos resíduos florestais, o despacho, assinado em conjunto com o secretário de Estado da Proteção Civil, determina a limpeza numa faixa de 10 a 50 metros, “sendo obrigatoriamente de pelo menos 50 metros no caso de terrenos ocupados com floresta” e de “100 metros”, perto de habitações e zonas industriais, que são áreas consideradas de intervenção prioritária.

Numa segunda fase, entre 1 e 30 de junho, avança “a fiscalização da limpeza das faixas de proteção da rede viária, ferroviária e das linhas de transporte e distribuição de energia elétrica”.

No entanto, o secretário de Estado das Florestas lembra que “as populações devem limpar os seus terrenos até 31 de março”, momento a partir do qual tem início “um período de fiscalização que visa essencialmente os pontos críticos”.

Miguel Freitas mostra-se confiante quanto ao cumprimento e à eficácia deste calendário, sublinhando que “no ano passado, dos 55 mil hectares que foram limpos pelos municípios – que tiveram de se substituir aos proprietários – 83% (cerca de 1.100 freguesias) correspondiam a zonas de intervenção prioritária”.

Questionado sobre a aplicação de coimas a proprietários por incumprimento dos prazos estipulados para a limpeza de terrenos, o secretário de Estado das Florestas lembra que “a ideia-chave é sensibilizar as populações das zonas de risco para que limpem os seus terrenos” e não fazer as contas às multas cobradas, tanto mais que “essa é uma matéria da competência do ministério da Administração Interna”.

Comente este artigo
Anterior Como divulgar a Camarinha?
Próximo A vespa-das-galhas-do-castanheiro: biologia e meios de luta

Artigos relacionados

Nacional

Tecnologia portuguesa quer prever pragas e doenças na vinha

[Fonte: Vida Rural]

A empresa nacional Signinum Inovação criou uma tecnologia multiespectral que permite controlar pragas e antever doenças nas vinhas. De acordo com a empresa, que já recebeu mais de 2,5 milhões de euros de financiamento, trata-se de uma solução de “imagem espectral não-destrutiva e que pode ser utilizada em diferentes amostras, […]

Últimas

Incêndios de Pedrógão fizeram 20 milhões de prejuízos — Governo

Lisboa, 30 jun (Lusa) — O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, estimou hoje em 20 milhões de euros os prejuízos causados pelos incêndios na zona de Pedrógão Grande, que fizeram 64 mortos e mais de 250 feridos.

O anúncio foi feito por Capoulas Santos na interpelação, […]

Sugeridas

Governo espera concluir em julho negociações para exportação de carne de suíno para a China

Cartaxo, Santarém, 22 jun (Lusa) — O secretário de Estado da Agricultura disse hoje, no Cartaxo, esperar que o processo negocial com a China para a abertura do “fluxo de exportações” para aquele país possa ficar “fechado” no início de julho.

Comente este artigo
#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]