Ligar “Vila Viçosa a Alqueva é inviável”, mas “a vila assenta num reservatório de águas subterrâneas que recupera muito rapidamente assim que chover”, diz André Matoso (c/som)

Ligar “Vila Viçosa a Alqueva é inviável”, mas “a vila assenta num reservatório de águas subterrâneas que recupera muito rapidamente assim que chover”, diz André Matoso (c/som)

[Fonte: Rádio Campanário] Decorreu esta quinta feira, 28 de novembro, em Évora a reunião do Conselho da Região Hidrográfica do Alentejo, reunindo representantes de todos os setores que estejam ligados com a temática da água (municípios, agricultura, indústria).

A Rádio Campanário esteve presente e falou com André Matoso, Administrador Regional da Administração da Região Hidrográfica do Alentejo, departamento descentralizado da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P., que explica aos nossos microfones que “este conselho reúne pessoas que tenham a ver com as bacias hidrográficas do Guadiana, do Sado e do Mira”.

O administrador refere que estas reuniões “são periódicas”, explicando que “neste momento estamos num círculo de planeamento de recursos hídricos”.

Par André Matoso “vimos recolher os contributos de todos os setores aqui representados”, referindo que “obviamente que estando numa situação de anos secos, desde 2015, não podemos ignorar esses factos”.

Questionado pela RC sobre a importância da Barragem de Alqueva no fornecimento de água, o responsável afirma que “o sistema de rega do Alqueva tem sido fundamental no fornecimento de água a um conjunto de concelhos”.

André Matoso considera que “as zonas mais preocupantes são as da barragem da Vigia, que abastece Redondo, e Monte da Rocha que abastece Castro Verde, Ourique e Almodôvar”, acrescentando que “o armazenamento no Monte da Rocha está em 8%, é muito pouco e preocupante uma vez que essas albufeiras funcionam para consumo humano e regadio”.

Apesar da situação que temos vivido nos últimos meses, André Matoso afirma que “a água disponível para consumo humano ainda nos permite olhar para o futuro sem alarmismos para o próximo ano hidrológico”.

“Temos tido alguma chuva, não tem sido a quantidade desejada, mas até ao momento é um ano diferente dos últimos anos” 

André Matoso

Questionado sobre o problema no concelho de Vila Viçosa, André Matoso considera que “uma ligação a Alqueva não é muito fácil”. No entanto “Vila Viçosa está assente num reservatório de águas subterrâneas muito importante, ou seja, assim que se retomem valores de precipitação normais, esse reservatório vai reagir muito rápido”.

O administrador considera que “os comportamentos nos consumos de água têm de ser alterados, não podemos ter os comportamentos que tínhamos no passado”, exemplificando que “encher piscinas com água da rede ou desperdiçar água em espaços verdes é um absurdo”.

André Matoso afirma que “a água é um bem tão escasso que nos deve merecer a maior atenção”, ainda para mais quando  “não existe chuva”, levando o administrador a afirmar que “tem de haver um uso parcimonioso da água”.

Comente este artigo
Anterior Amareleja recebe a XVIII Feira da Vinha e do Vinho - 6 a 8 de dezembro
Próximo Fórum Anual Vinhos de Portugal: Balanço das exportações e mercados estratégicos para 2020 - 4 de dezembro - Caldas da Rainha

Artigos relacionados

Nacional

Terras de Cavaleiros Geoparque Mundial da UNESCO comemora a Semana da Floresta Autóctone

O Dia da Floresta Autóctone assinala-se no dia 23 de Novembro e visa a promoção e disseminação de saberes relacionados com a conservação das florestas naturais. […]

Últimas

CAP contra cortes no apoio às medidas agroambientais

A Confederação dos Agricultores de Portugal manifesta a sua disponibilidade para, juntamente com o Ministério da Agricultura, […]

Últimas

Proposta de Acordo Setorial relativa à colheita noturna no Olival

As Associações signatárias reconhecem a necessidade de elaborar estudos científicos que permitam conhecer […]