Lidl. Exportações de frutas e legumes nacionais sobem 13%

Lidl. Exportações de frutas e legumes nacionais sobem 13%

[Fonte: Dinheiro Vivo]

O Lidl está ainda a estudar a introdução de quatro novos produtos hortofrutícolas na oferta para as 10 mil lojas europeias da cadeia alemã

O Lidl Portugal exportou o ano passado 15 mil toneladas de frutas e legumes nacionais para as lojas da cadeia no mercado europeu, uma subida de 13% face a 2017. A cadeia de grande distribuição alemã está ainda a estudar com a Portugal Fresh quatro novos produtos à sua oferta para o mercado internacional.

“Estamos a analisar quatro novos produtos, três frutas e um legume”, adianta Bruno Pereira, administrador com o pelouro das compras do Lidl Portugal, durante a Fruit Logistica, maior feira mundial de frutas e legumes, que decorre em Berlim, até sexta-feira, sem revelar quais os produtos em análise.

O ano passado a cadeia alemã exportou 15 mil toneladas de frutas e legumes nacionais, mais 13% do que ano anterior, com a pera rocha a representar 10,900 toneladas, tendo a exportação deste produto subido mais 17%, apesar das quebras de produção do ano passado devido às condições climatéricas.

Para as lojas Lidl na Europa foram também enviados 2,700 toneladas de frutos vermelhos (+13%) e 1,300 toneladas (+44%) de couve coração, bem como macã de Alcobaça, melancia, melão branco e castanha.

A Alemanha, onde a cadeia tem um parque a rondar as 3 mil lojas, é o principal mercado de exportação, resultado da parceria com a Portugal Fresh fechada em 2014. Neste momento, o mercado alemão já é o quinto mais relevante em termos de exportações para os produtos nacionais. Os dados do INE são de novembro, mas indicam que este mercado gerou 89,4 milhões de euros de receita, mais 1,3% do que em relação a período homólogo, numa altura em que o sector gerou receitas de 1,371 mil milhões de euros, mais 1% do que no período homólogo de 2017.

Mas a Portugal Fresh quer ir mais além. “Queremos que o Lidl nos ajude a colocar a Alemanha no TOP 3 das exportações nacionais”, referiu Gonçalo Santos de Andrade, presidente da Portugal Fresh. Até novembro, esta posição é ocupada pelo Reino Unido, tendo este mercado gerado 419,7 milhões de euros de receitas (+0,3%). O acordo com a cadeia alemã deu acesso a mais de 10 mil lojas Lidl, sendo possível encontrar frutas e legumes nacionais em mercados como Espanha, Reino Unido, Irlanda, Áustria, Luxemburgo e Polónia.

“Aceitamos o desafio e há mais produtos que devemos começar a exportar brevemente”, diz Bruno Pereira, sem adiantar datas para o arranque a exportação, nem objetivos para o crescimento das exportações do Lidl.

“O objetivo é sempre crescer. Estamos sempre dependentes das condições climatéricas”, diz.

Ana Marcela

Comente este artigo
Anterior Idanha: Nações Unidas patrocinam Feira Raiana
Próximo IPES-Food: es “urgente” una Política Alimentaria Común para afrontar los problemas de salud de la población

Artigos relacionados

Nacional

Há 10 milhões de euros para revitalizar o Interior

[Fonte: Gazeta Rural]

Facebook
Twitter
Google+
Pinterest
WhatsApp


São 10 milhões de euros que estão disponíveis para financiar projetos que apostem na valorização turística do Interior do país. As candidaturas podem ser apresentadas até 30 de novembro de 2019, […]

Últimas

Nova sessão de informação em Pataias esta quinta-feira 16 de Novembro

Esta quinta-feira, dia 16 de Novembro, decorre mais uma sessão de informação para produtores florestais integrada no Projecto Melhor Eucalipto, desta vez em Pataias, no concelho de Alcobaça. A sessão decorrerá nos Bombeiros Voluntários de Pataias, tem o apoio da Associação Produtores Florestais dos Concelhos Alcobaça e Nazaré (APFCAN) e conta com uma vertente teórica, […]

Últimas

ISA: O potencial escondido no feijão cutelinho

[Fonte: Instituto Superior de Agronomia]
A procura de respostas alimentares face às perspetivas associadas com mudanças climáticas, o decréscimo dos recursos naturais e o aumento demográfico mundial, levou o consórcio STEnCIL – SusTentável EfiCIente Lablab a olhar para o potencial de culturas alimentares esquecidas. […]