Lidl exporta produtos portugueses no valor de 148,45 M€ em 2018

Lidl exporta produtos portugueses no valor de 148,45 M€ em 2018

As exportações do Lidl de produtos portugueses duplicaram em apenas dois anos, atingindo, no ano fiscal de 2018, 148,5 milhões de euros. Este valor representa um crescimento de 48,5% face aos 100 milhões de 2017 e mais 112% relativamente a 2016, ano em que o Lidl Portugal exportou 70 milhões de euros.

No total foram exportados 206 produtos de 86 fornecedores nacionais diferentes, traduzindo-se numa grande variedade, como leguminosas, azeite, bacalhau, salgados, pão, piri-piri, pera-rocha, vinho, entre outros. Os produtos exportados pelo Lidl Portugal chegaram a quase 30 países da Europa e aos Estados Unidos da América.

Com 10.600 lojas em todo o mundo, ou melhor, em 32 países, destaque para a exportação de frutas e legumes, onde a pera rocha sobressai com 10,8 mil toneladas exportados, em 2018. Os responsáveis do Lidl Portugal destacaram, também, a exportação de frutos vermelhos com 2,7 mil toneladas e a couve coração, com 1,3 mil toneladas, durante a conferência de imprensa desta manhã (terça-feira, 29 de outubro). O caso da couve coração, aliás, vem na sequência de um repto lançado pelo anterior ministro da Agricultura, Capoulas Santos durante a realização da Fruit Logistica de Berlim (Alemanha).

Relativamente às outras categorias de produtos, destaque para os 18,6 milhões de embalagens de leguminosas, 28 milhões de pães (incluindo Pão da Avó, Broa de Milho ou Bola de Mistura), 24 milhões litros de azeite, neste caso, numa parceria com a Sovena, 8 milhões de artigos de pastelaria – uma novidade nas exportações do Lidl -, 115 toneladas de bacalhau ou o milhão de garrafas de piri-piri.

Para o outro lado do Atlântico, viajaram, em 2018, 800 mil embalagens de salgados e 3 milhões de garrafas de vinho, destacando os responsáveis da insígnia pertencente ao grupo Schwarz o envio das primeiras garrafas de vinho verde para as terras de “Uncle Sam”.

Nas palavras de Bruno Pereira, administrador de Compras do Lidl Portugal, as exportações do Lidl são demonstrativas do nosso empenho contínuo em apoiar os fornecedores nacionais e em dar a conhecer a qualidade dos produtos portugueses ao mundo”. De resto, foi na qualidade que Bruno Pereira estabeleceu a tónica para o aumento das exportações dos produtos portugueses por parte do Lidl. “Há certos e determinados produtos onde não temos escala e é impossível concorrer com Espanha e Itália”. Por isso, o responsável de Compras do Lidl Portugal enfatizou que “é através da qualidade que teremos de concorrer”, destacando a crescente organização dos produtores nacionais. “Essa organização beneficia todos e melhor a imagem dos produtos portugueses lá fora”, dando o exemplo do vinho, onde “quem compra quer qualidade, na quantidade certa à hora certa”.

Contudo, Bruno Pereira deixou uma sugestão ao setor do vinho, salientando que “os produtores podem organizar-se ainda mais e melhor”, dando o exemplo das compras de rolhas ou garrafas, bem como no transporte.

Como mercados principais de exportação aparecem a França, Alemanha, Suíça e Luxemburgo, referenciando os responsáveis do Lidl a França e a Alemanha como mercados de maior potencial de crescimento nos próximos anos.

Quanto ao Reino Unido, mercado onde o Lidl possui mais de 500 lojas e onde é o retalhista que mais cresce, os responsáveis referiram que “estamos a acompanhar a situação [Brexit] para a imprevisibilidade de todos e quaisquer cenários possíveis”.

Bruno Pereira referiu ainda que o Lidl Portugal funciona, meramente, com “facilitador nas exportações dos produtos portugueses. Não lucramos nada com a operação, a não ser a economia e os produtores portugueses e não funcionamos com uma espécie de central de compras”.

Por último, os responsáveis do Lidl Portugal identificaram a sustentabilidade como um dos trends a serem seguidos. “A sustentabilidade é cada vez mais importante tanto nos produtos, como nas próprias embalagens”, dando como exemplo a procura maior por “bacalhau de pesca sustentável e, na pastelaria, produtos produzidos com ovos de galinhas de sol”.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Soil fungi turn struggling wheat into ‘climate-smart’ crop with boosted nutrient uptake in new study
Próximo Saldada dívida de setembro aos bombeiros voluntários

Artigos relacionados

Últimas

ESA é foguetão propulsor de startups no Norte

Um incentivo de 50 mil euros foi o suficiente para que duas startups do norte transformassem ideias de negócio, com base em tecnologia espacial, […]

Últimas

Apicultura sustentável: Consórcio europeu desenvolve colmeias inteligentes de baixo custo

No próximo mês de janeiro, uma equipa de cientistas da Universidade de Coimbra (UC) vai iniciar um conjunto de testes com colmeias inteligentes […]

Últimas

David Cuenca vai ser o novo presidente da CHEP Europe

A partir de 1 de Julho de 2020, David Cuenca vai assumir o cargo de presidente da CHEP Europe. Até agora, […]