Lamas reconvertidas das ETAR trazem poupanças a agricultores

Lamas reconvertidas das ETAR trazem poupanças a agricultores

Compostos resultantes do tratamento das águas residuais estão a ser cedidos gratuitamente a produtores florestais e agrícolas, com o objetivo de poderem enriquecer solos degradados.

Há em Portugal um número muito restrito de empresas cuja missão é dar uma nova vida a boa parte das lamas produzidas diariamente nas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) existentes em Portugal, transformando-as em compostos que podem ser usados, a título gratuito, no melhoramento de solos florestais e alguns agrícolas, em especial, degradados por fogos ou pela erosão. A atividade tem potencial de crescimento e há investimentos em vista.

Estamos a falar de um universo de seis a sete empresas de “dimensão relevante”, estando mais de metade na Associação de Empresas de Valorização de Orgânicos (AEVO), criada em 2019. São elas que ajudam a dar um destino útil às cerca de duas mil toneladas de lamas que todos os dias saem das ETAR, evitando o aterro ou a incineração.

As ETAR pagam a estas empresas para que recolham as lamas e as transportem até às suas plataformas, onde são armazenadas e sujeitas a tratamentos para poderem ser usadas com segurança nos solos. No ano passado, o setor processou 800 mil toneladas de lamas e faturou 30 milhões de euros, números em linha com o registado um ano antes, segundo a associação.

No entanto, Ricardo Silva, presidente da AEVO, nota que a pandemia provocou uma redução na quantidade de lamas nas ETAR de Lisboa e do Porto, e também nas zonas do litoral durante o verão, o que admite que possa atribuir-se à redução do turismo e à migração de famílias para o interior, tornada possível graças ao teletrabalho.

Investimento no Norte
Os associados da AEVO recolhem estes resíduos apenas em 120 concelhos (cerca de 40% do total) e processam 480 mil toneladas, ou seja, um pouco mais de metade do que se produz no país, embora haja planos de investimentos, na ordem dos cinco a seis milhões de euros, que deverão permitir duplicar a capacidade instalada, “neste ano ou no próximo”.

Um dos projetos passa pela abertura de uma plataforma a norte, “que irá dar resposta a quase toda a região”, complementando a oferta atual, “muito concentrada no Ribatejo, o que encarece o transporte dos pontos mais afastados do país”, sublinha o dirigente associativo. “O transporte chega a representar 50% dos custos desta atividade”, assinala ainda.

tratamento das lamas é a parte mais sensível do negócio, tendo em conta que, sendo ricas em matéria orgânica, também podem ter cargas químicas e microbiológicas com níveis tóxicos e patogénicos que é necessário neutralizar antes de chegarem aos solos.

Como lembra Ricardo Silva, o tratamento visa obter um produto final cuja composição se enquadra nos parâmetros definidos por lei, a garantir a ausência de perigosidade para a saúde e para o ambiente.

O composto final, higienizado e estabilizado, fica disponível para aplicação nos solos. Até agora, a maior parte tem ido para a floresta, “o que implica a mobilização dos terrenos, deixando-os limpos de matos e de material lenhoso, ajudando assim a prevenir incêndios”, detalha o presidente da AEVO.

No caso da agricultura, a lei proíbe o uso deste tipo de composto nos terrenos de cultivo de bens para consumo cru ou que estejam em contacto direto com o solo, como batatas, alfaces, cebolas ou cenouras.

Já pode, no entanto, ser utilizado em pastagens, no cultivo de milho e na instalação de vinhas, por exemplo. Nas contas da associação, um produtor de milho que use este tipo de composto pode garantir uma poupança entre 350 euros (com o que deixa de gastar na compra de fertilizantes) e 500 euros (com o aumento da qualidade e da quantidade da produção) por hectare, por ano. A AEVO já faz valorização agrícola em mais de 40 concelhos.

Quando os resíduos saem das ETAR para ter um aproveitamento florestal ou agrícola, podem seguir três vias. A mais barata é irem diretamente para o campo. Mas é também a solução mais complexa, pela burocracia que implica – e por esse motivo, quase não é usada: os resíduos têm de cumprir os parâmetros estipulados num plano de gestão de lamas cuja aprovação chega a demorar três anos, quando deveria ser feita em 35 dias, lamenta a AEVO.

O destino mais simples é a compostagem, embora seja a solução mais demorada (três a quatro meses) e mais cara. Consiste na elaboração de pilhas, às quais se adiciona biomassa (adquirida), onde se faz o revolvimento e a maturação, com análises ao longo de todo o processo. A higienização das lamas também pode ser obtida através da adição de cal e seguir daí para o campo (cumprindo o tal plano de gestão de lamas) ou para a compostagem.

Das 480 mil toneladas que os associados da AEVO tratam, 400 mil vão para compostagem e 80 mil para valorização direta. No total, estes operadores valorizam mais de 60% das lamas de ETAR produzidas em Portugal.

Continue a ler este artigo no Dinheiro Vivo.

Comente este artigo
Anterior Los precios se estabilizan en el mercado de vacuno
Próximo Milhares de camponeses protestam na Índia contra liberalização do setor agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Ambição Agro 2020-30: O contributo da CAP para a recuperação económica de Portugal foi hoje apresentado perante uma plateia que juntou o Presidente da República, governantes e representantes de vários ministérios

O documento estratégico contou com a contribuição de um painel alargado de especialistas, que delinearam ações estratégicas para áreas de atuação vitais como as Energias Renováveis; a Tecnologia […]

Nacional

Agricultura vertical, contentores estufa e o futuro. Como a Jungle Greens quer salvar o mundo com vegetais e ervas aromáticas

No parque de estacionamento do Jumbo de Sintra ouve-se uma criança pequena a falar com o pai: “põe-me ao colo que quero ver lá para dentro!”. […]

Nacional

Ministra destaca esforço no adiantamento de ajudas a agricultores

A ministra da Agricultura destacou hoje o “esforço muito grande” do Governo no adiantamento de ajudas aos agricultores, nesta altura de pandemia, considerando “uma pequena parcela” os 22,8 […]