João Ponte: Jovens são imprescindíveis para uma agricultura mais forte e competitiva

O secretário Regional da Agricultura e Florestas destacou, em Angra do Heroísmo, a importância dos jovens para o futuro da agricultura nos Açores, que se quer mais forte e competitiva, considerando que o seu contributo activo é determinante para o desenvolvimento sustentável do sector, para a fixação de pessoas nos meios rurais e para o desenvolvimento económico da Região.

“Saúdo todos os jovens agricultores e relevo a importância da actividade que exercem e que muito contribuiu para o desenvolvimento económico, social e ambiental da nossa Região e desta ilha, em particular”, afirmou João Ponte, que falava sexta-feira nas comemorações do 30.º aniversário da Associação de Jovens Agricultores Terceirenses.

“Os jovens, vencendo desafios estruturais e ultrapassando conjunturas difíceis ao longo do tempo, construíram um percurso notável em termos de progresso na agricultura”, acrescentou.

Produtividade média das explorações leiteiras aumenta 8%

Na sua intervenção, João Ponte indicou que existem várias evidências do “sólido trajecto” feito nesta legislatura, concretamente na Ilha Terceira, apontando o facto da produtividade média das explorações leiteiras ter aumentado 8%, a receita directa da produção de leite ter crescido 12% e o volume de negócios das indústrias de lacticínios aumentado 7%.

Paralelamente, no mesmo período, a exportação de carne de bovino na Terceira cresceu 10%, representando 53% dos abates de bovinos, entraram no sector mais 50 jovens agricultores e foram aprovados 190 projectos de modernização, com um investimento de 20 milhões de euros.

Agricultores com idade média de 53 anos

O secretário Regional destacou que, apesar de, nos Açores, os produtores agrícolas apresentarem uma idade média de 53 anos, é objectivo estratégico do Governo rejuvenescer o sector e garantir o seu futuro no arquipélago.

Para isso, João Ponte salientou que, já no próximo ano, será implementado o programa Jovem Agricultor e o novo regime de cessação da actividade agrícola, proporcionando condições para atrair mais jovens agricultores e permitir que os mais idosos possam dar lugar a uma nova geração de agricultores.

Novos programas PROAGRI e I9AGRI

Perante os jovens agricultores terceirenses, o governante disse ainda que em 2020 serão lançados os programas PROAGRI e I9AGRI, que permitirão apoiar projectos nas áreas da inovação, da agricultura de precisão e melhorar a eficiência e a rentabilidade das explorações.

“Temos ainda uma preocupação permanente em dar melhores condições de trabalho aos agricultores, reduzir os custos de produção das explorações, melhorar o rendimento dos produtores e a rentabilidade das empresas”, afirmou João Ponte, frisando que, para isso, é necessário que exista “mais abastecimento de água e de energia eléctrica nas explorações e melhores caminhos agrícolas, como referenciais de padrões de modernidade e capacitação de índices mais elevados de competitividade e de melhoria directa no rendimento”.

Agricultura Biológica

O secretário Regional frisou também que está já em implementação a Estratégica para a Agricultura Biológica, confirmando a aposta do Governo dos Açores numa agricultura ainda mais sustentável e que gere mais valor, sendo que, no âmbito das alterações ao programa POSEI para o próximo ano, foram criados incentivos ao desenvolvimento da agricultura biológica.

“Estão disponíveis suplementos aos prémios ao abate, à vaca leiteira, aos produtores de leite, às culturas arvenses e às hortofrutícolas. Isentamos de rateio a quase totalidade destes suplementos e alargamos estes incentivos ao período de conversão”, referiu João Ponte, considerando que estes são “bons exemplos” da determinação e da aposta que o Governo dos Açores está a fazer na promoção da agricultura biológica.

Para o governante, a determinação do Executivo em apoiar a agricultura e os jovens agricultores acontece porque existe a forte convicção de que “sem jovens na agricultura o futuro deste sector e o futuro das zonas rurais não está assegurado”.

“Se não tornarmos a agricultura e as zonas rurais atractivas aos jovens, provavelmente estes irão procurar outras alternativas”, alertou.

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior WINE SECTOR: WORLD PRODUCTION HAS FALLEN BY ALMOST 10%.
Próximo Ministério da Agricultura e Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto reunidos para debater desafios e projetos

Artigos relacionados

Últimas

Carecas, gagos e desdentados não podem ser guardas florestais. “Condições violam dignidade humana”

Confrontado pela Renascença, MAI diz que vai abrir um novo concurso que já não vai excluir seropositivos nem grávidas. Mas há discriminações que se mantêm. […]

Últimas

Roda de Diálogos “Produzir e Consumir Local: Para o Direito Humano a uma Alimentação Adequada” – 2 de dezembro – Idanha-a-Nova

No dia 2 de dezembro, a partir das 10h00, na Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova, realiza-se a Roda de Diálogos “Produzir e Consumir Local: Para o Direito Humano a uma Alimentação Adequada”. […]

Últimas

OE2020: PEV propõe mais técnicos no ICNF e avaliação ambiental para aeroporto de Lisboa

Ecologistas começam já esta segunda-feira a apresentar propostas de alteração ao Orçamento nas áreas ambiental e social. […]